01 fev 2009 | Lançamentos
Diário de um cantor sertanejo – A hora do contra-ataque
Chegou a hora de começar a falar sobre o processo de produção do nosso mais recente e competitivo CD. Antes disso, peço desculpas pela demora nas atualizações, mas a internet (tanto a do trabalho quanto a de casa) está meio carrasquenta nos últimos dias. Consegui essa brexa de hoje nem sei como, então vou tratar de aproveitar.

Chega um momento na carreira de um artista iniciante onde ele tem que partir pra briga. Muitos cantores da noite não tem ambição ou, mesmo tendo, não têm as condições necessárias para realizar o sonho de fazer sucesso. No nosso caso, foi mais ou menos assim. Por muito anos tivemos que nos contentar com os nossos showzinhos nos botecos, vendo nossos amigos gravando trabalhos de alto nivel, conseguindo empresários, patrocinadores e tudo mais. Sabíamos que um dia precisaríamos fazer alguma coisa para nos destacar e começar definitivamente a competir no mercado.

Muita gente pode achar que quem sonha e acredita faz de tudo. Se pensássemos dessa forma, é claro que poderíamos ter vendido nossa casa, carros e o escambau. Mas as coisas não são bem assim. Imaginem o quão difícil é pra um artista e sua família se desfazerem de seus bens para investir num sonho que pode não se realizar. Acontece que meu pai era sócio de um empreendimento (rede de lojas de produtos agropecuários) junto com outros cinco irmãos. Há pelo menos uns sete anos atrás, ele vendeu a parte dele para um dos irmãos e investiu todo o dinheiro em uma certa quantidade de cabeças de gado (não muitas). Ele inclusive arrendou um sítio para que pudesse criar o gado e ver o investimento dar frutos.

Passaram-se sete anos e esse investimento cresceu, sim, como era de se esperar. O contrato de arrendamento do sítio estava para vencer e ele teria que alugar outro local para manter o gado ou simplesmente vendê-lo. Foi o que ele fez, já que estava bem cansado da trabalheira que é cuidar de uma roça. Esse momento coincidiu com o momento em que eu e meu irmão vimos que era necessário partir para o contra-ataque e gravar um CD pelo menos digno de estourar por aí.

Os três juntos, após longas conversas, decidimos então que poderíamos investir parte daquele dinheiro em um projeto de crescimento para a dupla. O primeiro passo seria a gravação do CD. O dinheiro não era muito, então teríamos que nos adaptar às condições que a cidade de Uberlândia tinha para a gravação desse trabalho. Já tínhamos escolhido o repertório entre as várias músicas que eu já havia composto ao longo de minha vida e que estavam esperando o momento de serem gravadas. Por causa da pouca quantidade de dinheiro para a produção de um trabalho no mínimo ótimo, fizemos um levantamento entre os melhores estúdios daqui e decidimos por aquele que, aparentemente, seria o que melhor atenderia aos nossos anseios

Nos próximos capítulos da nossa saga, contaremos detalhes sobre as demais etapas. Até lá!!!

3 comentários

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.