11 mar 2014 | Entrevistas
Entrevista Exclusiva – Fátima Leão

Seguindo o nosso já tradicional bloco semanal de entrevistas, o Blognejo tem o orgulho de trazer hoje para vocês, queridos leitores, uma entrevista exclusiva com aquela que muitos consideram a figura feminina mais importante da história da música sertaneja, pelo menos no ramo das composições.

Com cerca de 2200 de músicas gravadas e/ou regravadas, Fátima Leão ajudou a escrever algumas das principais linhas da história do segmento, pelo menos dos últimos 30 anos pra cá. Alguns dos maiores hits sertanejos de todos os tempos são de sua autoria, como “Dormi na Praça”, “Alô”, entre centenas de outros.

Durante o nosso bate-papo, falamos de toda essa trajetória de sucesso como compositora. Falamos também da carreira da Fátima enquanto cantora. Ela retornou aos palcos depois de 17 anos “aposentada”. E falamos sobre diversos aspectos da sua vida, tais como as formas com as quais ela lidava e ainda lida com o machismo do segmento, a importância dela na carreira de artistas como Zezé di Camargo & Luciano, o que rendeu algumas lágrimas, e da sua família, que vem seguindo os mesmos passos no segmento, com a filha Waléria Leão e o filho Vinícius desempenhando papéis importantíssimos no ramo da composição e, no caso do Vinícius (que já fez parte das duplas João Victor & Vinícius e Laluna & Vinícius), também no da produção. Os dois participaram do trecho final da nossa conversa.

Assistam abaixo e divirtam-se bastante. Não se esqueçam de comentar.

)

33 comentários
  • Luciana: (responder)
    11 de março de 2014 às 20:05

    Essa mulher escreve com a alma! Ícone da música sertaneja! Sensacional!

  • Gabriel: (responder)
    11 de março de 2014 às 20:22

    Éééé Fátima vc tem toda razão em relação de nao defender os sertanejos a cantar rock … mais falar q jorge e mateus nao cantam rock isso é mentira … o Mateeeus fica com a guitarra o tempo nteiro no palco e sempre canta rock nos shows e ate gravou uma musica no ultimo cd deles (AMOR PRA RECOMEÇAR ) so pra lembrar abraços !

    • Phaell Cesar: (responder)
      11 de março de 2014 às 23:43

      Amigo isso que você comentou não tem nada a ver, a guitarra é um instrumento que sempre existiu na musica sertaneja, muito antes da inclusão da guitarra elétrica, pra quem não sabe a guitarra faz varias coisas dentro de uma musica, pode ser usada como base, riffs, complemento, solos e muito mais, o uso da guitarra e de outros instrumentos é algo natural.

      • Romário Azevedo: (responder)
        12 de março de 2014 às 11:55

        Se guitarra fosse apenas instrumento de rock, desde Léo Canhoto e Robertinho, passando por Zezé di amargo & Luciano até os dias de hoje, nunca mais existiu sertanejo…Se informe fii

        • Phaell Cesar: (responder)
          12 de março de 2014 às 16:09

          Uma grande baboseira que nosso caro amigo Gabriel disse.

    • Luiz Fernando: (responder)
      12 de março de 2014 às 16:48

      “Amor Pra Recomeçar” é uma música do Frejat, e ele respeita muito o sertanejo, e até canta “É o amor” nos shows.

      Ele é contra ao apoio dos sertanejos ao rock, pois estariam dando moral a quem não os respeita, e assim estariam desrespeitando a si próprio.

  • Alan: (responder)
    11 de março de 2014 às 20:38

    Grande Fátima Leão. Minha música preferida dela é “Alô” um clássico na voz de chitãozinho e xororó. Merece admiraçao só por ser mulher num ramo cheio de homens.

  • Renan - SP: (responder)
    11 de março de 2014 às 20:44

    Legal a entrevista, pessoa humilde mesmo.
    Alguns pontos esclarecedores, como por exemplo, artistas novos que pagam para aparecer na televisão, alô Band, Rafinha Bastos, Danilo Gentili, e tem mais e de outras emissoras, incluindo Globo…
    Só discordo de um pensamento seu, cantores “sertanejos” não podem homenagear o Rock em seus shows.
    Ao mesmo tempo que você prega a união do gênero (coisa que eu já vinha dizendo por aqui), você também quer uma espécie de Apartheid?
    Não tem que ser “união dividida”, Sertanejo com Sertanejo, Rockeiro com Rockeiro….
    A união tem que ser de todos que fazem música, independente de seus rótulos.
    Uma histórinha pra você, caso não conheça, sabia que a dupla Chitãozinho e Xororó só não parou de cantar, por causa de uma música do Raul Seixas?
    Ou seja, um rockeiro ajudou indiretamente uma dupla sertaneja, da qual você ganhou um pedaço de seu pão.
    Os meus poucos melhores amigos, são rockeiros e drogados, só que eles não fazem mal pra ninguém, a não ser pra eles mesmos, pois eles só usam drogas dentro de seus quartos, e não saem pra rua dando “vexame”.
    Eles respeitam o Sertanejo (não gostam, mas respeitam), só que respeitam o verdadeiro Sertanejo, e não a galera que só pensa em piriguete e dinheiro, portanto não da pra generalizar (e tem muitos rockeiros famosos que respeitam o Sertanejo antigo, Lobão, Paulo Ricardo, o pessoal dos Titãs…)
    Ao mesmo tempo que você critica os rockeiros preconceituosos, você acaba agindo igual, como uma Sertaneja que tem preconceito com o Rock.
    Na minha cidadezinha, eu chego num barzinho/lanchonete, e posso sentar tanto numa mesa só de “cowboys” como na mesa de rockeiros, ambos me respeitam e “gostam” de mim por aqui, e respeito é uma coisa que se conquista e não que se impõe.
    Olhando de fora, o universitário é que manchou o respeito do gênero.

  • Ricardo Cavalvante: (responder)
    11 de março de 2014 às 21:06

    Mas o poo é trouxa mesmo, essa mulher é a mais mafiosa de todos os compositores, egoísta, chegou ao ponto de excluir outros compositores do face, só porque postaram posições no face, isso é um lixo, só olha pro próprio umbigo, mas a maioria acredita no que vê na mídia.

    • Renan - SP: (responder)
      11 de março de 2014 às 21:23

      O parceiro, nem todo mundo é trouxa, primeiro que ninguém está sabendo dessa história aí, portanto não tem como “julgar”.
      E você se não contar o que ocorreu, vai estar passando ou por mentiroso ou por cúmplice.

      • Ricardo Cavalvante: (responder)
        11 de março de 2014 às 21:32

        Infelizmente 90% da podridão do nosso meio não tem como provar pro grande publico e exatamente hoje, não sei se por coincidência ou não, mas um dos maiores executivos de gravadora aqui de SP me contou o lixo de ser humano que essa mulher é, não preciso provar pra vc que é verdade, eu já sabendo já serve pra eu querer me manter bem longe dela e da corja de compositores dos anos 90, mas como o nosso meio é repleto de puxa-saco, segue enfrente.

        • Renan - SP: (responder)
          11 de março de 2014 às 21:47

          Ricardo, na internet você pode dizer o que quiser, o nome do empresário, o que de fato ela fez…, não tem processo.
          Me desculpa, mas essa história aí, está parecendo contra ataque universitário, devido ao que vem sendo dito por ela e por outros.
          Primeiro você vem com a história da exclusão do Facebook, agora veio com uma conversinha de empresário…
          E devido a você ter utilizado o termo “anos 90”, isso está me parecendo mentira pessoal.
          Seria legal se você explicasse melhor…
          Caso venha com alguma desculpa, faça um e-mail falso, pra gente conversar melhor sobre isso…

          • Ricardo Cavalvante: (responder)
            11 de março de 2014 às 22:50

            Não adianta discutir com alienado como vc, venho com o meu trabalho desde os anos 90 e não apoio um monte de porcaria que tem nesse universitário, mas também não posso concordar com tanta mafia e maldade que sempre teve nesse meio por parte de Fatima Leão, Tivas e C&A, tantos temas e melodias de musicas roubados, tanto meu como de milhares de compositores simples que não tinha como se defender judicialmente , plágios que os tapados como vc não notam , pra vc ter uma ideia essa musica a A FERRO E FOGO que foi cantado um trecho ai no vídeo pelos filhos da Fátima Leão, tem um processo gigantesco correndo no foro da Barra Funda, eu já tive copia desse processo em mãos e pude analisar, até de morte o compositor que processou Fátima Leão e os filhos já foi ameaçado , o nome do compositor é BA Tornado, ele já ganhou em 2ª instancia, mas entenda que esses casos não vem a publico, são abafados por advogados e assessores de impressa dos artistas, se informe melhor, o Zéze di Camrago já perdeu vários processos por plagio e outros estão em adamento e essa mulher faz parte dessa corja, não vou ficar citando nomes de pessoas que sabem e acompanham de perto toda essa podridão porque são pessoas que precisam trabalhar do lado dessas cobras, acesse esses links e veja um pouco das poucas cosias que saem na mídia sobre isso:
            http://www.obaoba.com.br/brasil/magazine/zeze-di-camargo-e-luciano-acusados-de-plagio

            http://blognejo.com.br/destaques/o-plagio-no-topo-das-paradas

            Tenho pena da tua inocência

            • Renan - SP: (responder)
              12 de março de 2014 às 21:53

              Ricardo, essa música do Zezé di Camargo, é composição do Alvaro Socci e do Claudio da Matta, e a do outro link, envolve os universitários (que todos sabemos não tem pudor para ***** piriguete e passear de avião).
              Essas acusações, pra mim não é nem mentira e nem verdade, simplesmente não tenho provas suficientes para tirar alguma conclusão.
              Mas seu comentário está estranho, primeiro você reclamou que ela excluiu pessoas do Facebook, depois você veio com essas histórias de plágios, e alguns desses compositores que você citou, Tivas e C.A, você não mostrou nenhuma polemica envolvendo o nome de ambos.

  • Reinaldo: (responder)
    11 de março de 2014 às 21:32

    O que eu vou falar dessa mulher? É só a minha vida inteira ouvindo músicas dela. Ela é FODA!

  • Ricardo Cavalvante: (responder)
    11 de março de 2014 às 21:48

    AS pessoas acreditam em qualquer historinha triste

    • Reinaldo: (responder)
      12 de março de 2014 às 08:39

      Histórinha triste ou alegre… O que importa é que ela é quem fez as músicas, certo? OU não?

  • Alan: (responder)
    11 de março de 2014 às 21:53

    Nunca fui muito a favor de rótulos. Há muito preconceito de estilos no sertanejo. Nunca vi uma “uma banda sertaneja” que que tocasse além de vaneirão, o “Tradiçao” diga-se de passagem. Sempre quis ver um com uma guitarra, ou cantando baladas românticas e etc.

  • Phaell Cesar: (responder)
    12 de março de 2014 às 00:58

    Bom eu sou um cara aberto a musica, gosto de todos os estilos e gêneros, menos esses desgostos chamados funk carioca / Funk Ostentação e uma certa quantidade universitária, eu acho que ficar preso em rótulos não é uma coisa legal o artista tem que ter a mente aberta, ali é uma opinião dela, mas eu vejo que não é bem assim não, se o sertanejo foi o que foi até um certo dia é porque teve influências de outros gêneros principalmente o rock.
    Teve uma pergunta que o Marcão fez e que apertou ela, mas eu vejo como uma coisa normal, acho que não deveria ser assim, antes via-se muito nos encartes “Joel Marques; Cecilio Nena; Lucas Robles; e outros incluindo a Fátima Leão sendo bastante requisitados por tais artistas no começo e depois não ver mais com o passar dos anos, isso não é só com os compositores que até um certo ponto sumiram, mas sim com grandes arranjadores também, porém é uma coisa normal, mas que não deveria ser assim.

  • Lucas Vitor: (responder)
    12 de março de 2014 às 03:20

    Parabéns Marcão por mais esta bela entrevista (essa mulher fala pra caramba em?! kkkkk). As músicas dela são realmente da melhor qualidade e, mais uma vez, que bom que conseguiu rolar músicas, voz e violão, na entrevista!!!
    O que você diria “praticamente impossível” (entendo perfeitamente quando me explicou o motivo) está cada vez mais tendo a barreira derrubada e os entrevistados estão tocando umas modas. TOP.

    Abraço

  • Fábio Roque: (responder)
    12 de março de 2014 às 09:43

    Ow! Tá doido! Essa mulher é um capítulo a parte da música sertaneja. Topzona essa entrevista!!!

  • ricardo: (responder)
    12 de março de 2014 às 09:48

    a verade é que “sertanejo universitário” não tem nada de sertanejo. Alias isso que dizem ser sertanejo universitário não tem nada a ver com o sertanejo universitário que surgiu com Cesar Menotti & Fabiano e Victor & Leo e João Bosco & Vinicius. Isso que estão fazendo na música sertaneja é uma enorme mentira com a ajuda de rádios sertanejos e festas que estão dando um tiro no próprio pé aceitando esses lixos de munhoz e marinao, michel teló, lucas lucco, thiago servo, israel novaes… todos lixões que não tem qualquer ligação com a música sertaneja, são apenas oportunistas. A pior coisa que aconteceu para a história da música sertaneja foi o Michel Teló e o “Ai se eu te pego”. Vai demorar para corrigir o que esse esterco do Michel Teló e seus marqueteiros provocaram na música sertaneja.

  • Elder: (responder)
    12 de março de 2014 às 11:23

    Uma das melhores entrevistas , junto a do Cesar Augusto e Pinochio , aguardo também Carlos Colla , Elias Muniz , Tivas , e tantos outros que contribuiram e muito pra música sertaneja. Parabens MArcão.

  • SÍLVIO LEAL: (responder)
    12 de março de 2014 às 11:49

    OLHA, PRA MIM ESSA ENTREVISTA FOI A MELHOR DE TODAS, POIS SOU MUITO FÃ DAS LETRAS DA FÁTIMA LEÃO, ELAS SÃO ILUMINADAS. NÃO É QUALQUER PESSOA QUE CONSEGUE ESCREVER ASSIM COM TANTA NATURALIDADE, TANTA PERSPICÁCIA. ELA TEM O DOM DE COMPREENDER A ESSÊNCIA DA LETRA. A PAULA FERNANDES LEMBRA MUITO ELA, PORÉM AINDA TEM MUITO CHÃO PRA CHEGAR A TAL PROXIMIDADE. GOSTARIA QUE A FÁTIMA LEÃO GRAVASSE UM CD TODO ANO COM MÚSICAS NOVAS, MAS TAMBÉM AS ANTIGAS, POIS ELAS SÃO MARAVILHOSAS. CARA! NÃO DÁ PRA OUVIR AS MÚSICAS DA FÁTIMA LEÃO SEM TOMAR UMA CACHAÇA, ELAS CONSEGUEM FALAR TUDO QUE A GENTE TÁ SENTINDO OU QUE QUEREMOS FALAR PRA ALGUÉM. FÁTIMA, SEUS FILHOS SÃO MUITO TALENTOSOS, SEUS PUPILOS E DISCÍPULOS PARABÉNS. NÃO VOU ENTRAR NESSA POLÊMICA QUE O COLEGA A CIMA CITOU, RESPEITO A OPINIÃO DE TODOS, MAS SE REALMENTE ELA FEZ ISSO OU OUTRAS COISAS MAIS, PROVAVELMENTE TEVE SEUS MOTIVOS, MAS ISSO SÓ CABE A ELA E MAIS NINGUÉM. É MUITO FÁCIL OUVIR SÓ UM LADO DA HISTÓRIA, PORÉM SE ELA NÃO QUER FALAR NISSO CABE NÓS RESPEITAR E NÃO CRITICAR. QUANTO A OPINIÃO DELE COM O ROCK, CERTAMENTE NÃO É A MESMA DOS CANTORES CITADOS POR ELA. VEJAMOS:
    JORGE E MATEUS CANTAM UMA MÚSICA DO FREJAT – (AMOR PRA RECOMEÇAR), POR SINAL EXCELENTE INTERPRETAÇÃO.
    RICK E RENNER GRAVARAM UMA MÚSICA TAMBÉM COM FREJAT – THE END.
    ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO CANTAM COM NANDO REIS DUAS MUSICAS E NOS ANOS NOVENTA O LUCIANO CANTOU NO SHOW AMIGOS UMA MÚSICA DO SKANK, DE QUE ALIÁS SE DIZ MUITO FÃ.
    CHITÃOZINHO E XORORÓ CANTARAM RAUL SEIXAS E FRESNO – TENTE OUTRA VEZ, ASSIM COMO O ZEZÉ DI CAMARGO REGRAVOU, E ETC. NÃO CONCORDO COM A OPINIÃO DELA, MAS RESPEITO.
    MARCÃO PARABÉNS POR MAIS UMA ENTREVISTA 5 ESTRELAS! VOCÊ ESTÁ SE SUPERANDO E NOS SURPREENDO CADA VEZ MAIS, VALEU!

  • SÍLVIO LEAL: (responder)
    12 de março de 2014 às 11:56

    VÊ SE CONSEGUE ENTREVISTAR O ZEZÉ AI CARA, SEI QUE ELE É MUITO OCUPADO, MAS QUEM SABE NÉ? VALEU AÍ.

  • Phaell Cesar: (responder)
    12 de março de 2014 às 12:23

    Uma coisa que eu gostaria de acrescentar aqui é na parte que ela disse pros cantores se respeitarem e não cantar rock, eu acho o contrario esses cantores deveria se respeitar a partir de um momento em que eles cantam tais porcarias, em que abrem a boca pra cantar merdas, porém cantar não né, que a maioria é farinha do mesmo saco e não sabe nem cantar, no estudio tem programas milagrosos, e dvd não quer dizer que é ao vivo, nunca foi ao vivo, só umas exceções, volto a frisar aqui no universitário tem no máximo 8 duplas boas.
    O resto deveria se conscientizar com o que fazem, mas vou falar mais nada pois eles tão ganhando seu dinheiro lá, então faço de conta que está tudo ok.
    Ah e gostei do que o amigo Ricardo citou aí acima, aquele sim era um universitário com mais qualidade e bom para ouvir.
    Sertanejo mesmo só existiu nos tempos das raízes, o que veio depois foi um brega até os anos 80, um pop-rock nos anos 90 e musica sertaneja não existiu mais.
    Zezé & Luciano uma vez afirmaram “Nós não somos uma dupla sertaneja nós temos algumas musicas sertanejas no nosso repertório”, Chrystian & ralf também disse a mesma coisa, quando alguns cantores vão na televisão com uma hipocrisia de ficar elogiando o outro isso aí é bobeira frente a frente ninguém fala o que pensa de verdade, aí vem com aquele papo tosco “não ele merece, ta contribuindo pra nossa musica sertaneja crescer” como diz o Renan dão até tapinha nas costas, isso aí é tudo ladainha (Hipocrisia total).
    Sertanejo de verdade 100% é só a raiz, falou em Sertanejo o que é realmente respeitado por todo mundo é a raiz, se não for raiz não tem jeito, e se for esse sertanejo atual aí que não vai ter um pingo de respeito mesmo, se nem os caras se respeitam cantando um monte de merda.

    • Alan: (responder)
      12 de março de 2014 às 13:41

      Desde os anos 80 ninguém é 100% caipira. Hoje em dia quase tudo é urbano. Por mais que se lute contra e reclamando, simplesmente esta geraçao cresceu na cidade. Não se muda coisas que a gente aprendeu na infância e modo de vida. Sertanejo é só por derivaçao do gênero, desde os anos 90 é pop contemporâneo.

      • Phaell Cesar: (responder)
        12 de março de 2014 às 14:10

        Musica sertaneja parou no tempo a muitos e muitos anos atrás, nos anos 70 muita coisa já não era sertaneja mais, nos anos 80 nem se fala ali começou o brega com o romantismo, nos anos 90 aí nem tem explicação porque varia-se muito os repertórios, tinha samba (ou pagode romântico pra alguns), Bolero, Rock, POP, Baladas, regravações de modão (que não é sertanejo, modão é o famoso brega) e outros.
        Particularmente quando uma dupla dos anos 90 vai em um programa de tv e o apresentador chamam eles de dupla sertaneja, eu estranho, alguns até falam “nós somos caipira”, “nós vivemos no roça” isso não interessa, o que vocês cantam não é sertanejo!
        Não é porque é uma dupla que ela é sertaneja.

  • Renan - SP: (responder)
    12 de março de 2014 às 13:43

    Pessoal, essa música que o Jorge e Mateus regravou do Frejat, não é Rock.
    É Pop romântico, Frejat fazia mais Rock quando era do Barão Vermelho.
    Ele já cantou a música “É o Amor” em seus shows solo.

  • Ricardo: (responder)
    14 de março de 2014 às 11:29

    Só tenho apenas uma coisa para dizer sobre os comentários de Ricardo Cavalvante: “Esse cara está 100% equivocado quando diz mal a respeito de Fátima Leão. Já tive oportunidades de vê-la compondo. Não existe nada de plágio. É algo natural mesmo que sai do próprio pensamento e transfere para o papel e do papel se transforme em canções com belas melodias. Se tem alguém que realmente é vítima de plágio nesse meio pode ter certeza será ela. Muitos que se dizem compositores gostariam de estar no lugar dela, pois sequer chegam a 1% do dom e profissionalismo.

  • Erik: (responder)
    15 de março de 2014 às 13:52

    Gostei mais de entrada franca nessa entrevista do que com B&M

  • Felippe Said: (responder)
    19 de março de 2014 às 15:56

    Eu não conhecia a pessoa Fátima Leão, apenas a compositora. Já curtia demaaaaaais pelas suas composições, agora, VIREI FÃZAÇO.

    Que mulher com peito, personalidade….
    Precisamos de mais pessoas assim.

    Cabeça aberta, defende sua posição…

  • ELVIS MAGELA SILVA: (responder)
    24 de março de 2014 às 14:44

    Na entrevista você esqueceu de mencionar “Passarinho do Sertão” da dupla Di Paullo & Paulino. Ela foi gravada em 1987 e é de autoria da Fátima Leão, essa foi a música que estou a Dupla.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.