25 fev 2014 | Entrevistas
Entrevista Exclusiva – Guilherme & Santiago

Demorou (maldito Youtube!!!), mas cá estamos com mais uma entrevista das boas pro nosso bloco semanal que tem ganhado cada vez mais importância e repercussão no cenário sertanejo. Esta semana os entrevistados são uma das duplas mais bacanas e elogiadas do mercado, principalmente em questão de qualidade. Guilherme & Santiago sempre foram queridos e conseguiram no decorrer da carreira atravessar as diversas fases da música sertaneja sempre se mantendo estáveis em posições de destaque.

Atualmente eles experimentam novamente o impacto de uma grande canção que nada tem a ver com o mercado, algo que eles já haviam vivenciado lá no começo. Falamos a respeito disso na entrevista abaixo e conversamos também sobre diversos temas, como a mudança do perfil da dupla em cada fase da música sertaneja, a época em que apresentaram o Terra Nativa e a polêmica a respeito das regravações, por parte deles, de músicas que já haviam sido ou ainda estavam sendo trabalhadas por outros artistas.

É claro que tivemos, também, muita moda boa no vídeo abaixo. Entre conversas e música, rolou “Essa paixão me machucou”, “Sublime Renúncia”, “Jogado na rua”, “Me esqueça”, “Do outro lado da cidade” e “Franguinho na Panela”.

Confiram abaixo o vídeo. Em Full HD, pelo amor de Deus, hehe.

28 comentários
  • eduardo: (responder)
    25 de fevereiro de 2014 às 23:58

    Com certeza entre as top 3 do brasil,parabéns por mais essa entrevista top marcão.

  • LUCIANO SILVA: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 00:02

    Esse formato de entrevista em que os artistas cantam à “seco” deveria ser obrigatório. É uma oportunidade rara de vermos se cantam de verdade ou se é só melodyne. Até agora Emílio e Eduardo foram os melhores.

    Quanto à entrevista, foi mais uma que validou alguns dos nossos comentários aqui no blognejo a respeito de: Letras pesadas, cantar de qualquer jeito, buscar compositores novos e principalmente a constatação que muitas duplas novas não conseguem cantar música sertaneja.

    Outro ponto de destaque das últimas entrevista são as perguntas sobre questões polêmicas diretamente aos envolvidos, é uma forma de se encerrar os assuntos deixando-os esclarecidos. Especificamente sobre a história da música “Só de Você”, acreditei na versão do Guilherme, pois se já teve certo tempo que a música foi gravada e não aconteceu, então nada mais justo que outro gravá-la também.

    • LUCIANO SILVA: (responder)
      26 de fevereiro de 2014 às 00:37

      Marcus, vou discordar dessa parte do texto: “… experimentam novamente o impacto de uma grande canção que nada tem a ver com o mercado…”. Ora, música com letra bem feita, bem tocada e bem cantada é atemporal. Jogado na Rua e Marca Evidente – Israel e Rodolfo, diferentemente do que o “Mercado” vem empurrado goela abaixo, comprovam que ainda há muito público para música sertaneja de verdade. Pelo sucesso alcançado, provavelmente se tornarão clássicos da música sertaneja.

      • Phaell Cesar: (responder)
        26 de fevereiro de 2014 às 01:25

        Luciano a musica que eles comentaram aí na entrevista foi a Pega Fogo Cabaré que é autoria do Frederico e do Alessandro Lobo, Só De Você é do Jairo Góes; Rivanil e Everton Matos.

        • LUCIANO SILVA: (responder)
          26 de fevereiro de 2014 às 11:52

          Phaell, fui rever a entrevista com o João Neto e Frederico e entre os minutos (17:00 a 22:00) eles falaram sobre essa questão. Na verdade foram as duas mesmo. Ficaram mais chateados com o “Pega fogo cabaré” por ser composição deles.

          • Phaell Cesar: (responder)
            26 de fevereiro de 2014 às 13:13

            Verdade.
            Sobre casos assim cujo a musica é de outros compositores, eu já vi muitos comentários (de uns cabeças de vento) em vários lugares dizendo a fulano roubou a musica de ciclano e tal, tal. Mas o que o povo tem que entender é que existe milhares de compositores desesperados que sai mandando sua musica pra todos os artistas, aí por coincidência a musica acaba caindo nas mãos de tais artistas num mesmo período, a gravação da musica é feita no mesmo ano e tal, aí da nisso acaba gerando uma certo polemica.

  • Lucas Vitor: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 00:53

    Marcão, primeiramente parabéns por mais um belo trabalho realizado e, segundo, muito obrigado por mais uma entrevista onde conseguiu que os caras cantassem (eu sempre cobrei esse formato). TOP!!!

  • Filipe: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 01:08

    Realmente essa música “A Cura” é xonada demaaaaaaaais!! Hahahaha
    Linda a entrevista. Quais murri. Kkkkkk

  • Phaell Cesar: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 01:20

    Eta, sou fã demais da conta dessa excelente dupla, os caras são muito carismáticos, talento nato indiscutível, qualidade vocal espetacular, os melhores trabalhos deles sem duvidas foram feitos entre 94 até 2006, época em que eles se espelhavam em Chrystian & Ralf, a fase mais Balada deles não é o que eu gosto, mas o álbum de 2009 é bem agradável, mas prefiro ver eles cantando musicas que mostram bem a qualidade vocal que eles tem.
    Nessa parte deles gravarem musicas sendo trabalhadas, “Magia & Mistério” João Bosco & Vinicius gravaram ela em 2002 e em 2005, Guilherme & Santiago gravou em 2004 então teve um bom espaço de tempo, aí na entrevista eles citaram a musica “Pega Fogo Cabaré” que foi uma confusão, no caso faltou um acordo entre os dois compositores da musica, mas em 2007 eles também gravaram a musica “Só De Você” que é autoria do Jairo Góes com parceiros, e dessa musica eu nunca vi uma explicação, de como a musica chegou até as duas duplas, quem gravou primeiro e tal, mas o importante que ela ficou excelente com as duas duplas.
    Entrevista muito bacana, parabéns a dupla e parabéns ao Marcão por estar entrevistando só gente fera.

  • Renan - SP: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 01:34

    Vamos lá.
    Tô tão enojado com esse meio, mercado, que penso seriamente em nunca mais ouvir uma música sertaneja e em abandonar esse negócio de ficar entrando em blog, colocando a “cara” pra bater, e o pior, cada salafrário que vem querer bater…
    Tô tentando continuar por teimosia, pra não dar o braço a torcer pra certas pessoas que ficariam feliz com isso.
    Guilherme e Santiago:
    Mais uma na conta, comentei aqui na semana passada “Tem duplas novas que não conseguem cantar sertanejo antigo”, valeu pelo aval.
    Musicalmente:
    Não sou dos entusiasta da dupla, gosto da segunda do Santiago, critiquei vocês aqui, quando cantaram na tv “Sublime Renuncia”, creio que erraram o tom, hoje já ficou melhor…
    Sobre a música “Azul”, se eu fosse vocês, pagaria para o Edson e Hudson gravarem, música fraca, fraca…
    Vocês tinham um repertório razoável nos anos 90, dos anos 2000 pra cá, gravaram musicas tão clichês, que pareciam anúncios de rádio.
    Vocês andam conforme o mercado, e isso numa visão capitalista é bom, mas numa visão artística (arte), é lamentável…
    Chamaram “Jogado na Rua” de modão, enfim, sucesso e modão estão banalizados, qualquer coisa é qualquer coisa, e como vocês disseram no fim, “bora beber”… E tá tudo certo nesse país…
    As que eu mais gosto de vocês:
    http://www.youtube.com/watch?v=Hq-Jj_J1wCs&hd=1

    http://www.youtube.com/watch?v=ZCk5qO7kVvk&hd=1

    • Ana Flávia Rodrigues: (responder)
      27 de fevereiro de 2014 às 00:50

      Concordo totalmente com vc! Isso é análise!

  • Nilson Junior: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 02:48

    Parabéns Marcão, sem dúvidas uma belíssima entrevista, descontraída alegre e vc conseguiu tirar o máximo da dupla Guilherme e Santiago. Só fiquei muito curioso e esperei até o último minuto mas não fiquei sabendo….Quem produziu essa jóia de arranjo da música “Jogado na Rua” Alguém poderia me ajudar….gostei demais. Abçssss

    • Nilson Junior: (responder)
      26 de fevereiro de 2014 às 11:49

      Brigado Elder valeu…. Eu acho incrível os caras falaram até o nome de todo mundo até do “papa” rs e não falam quem produziu a música.. Eta mundo…

  • Elder: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 08:22

    Quem produziu Jogado Na Rua foi o Giuliano Matheus (ex Luiz Cláudio)

  • Boré Loureiro: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 11:12

    Sou muito fã da dupla, mas essa história do João Neto não me convenceu.
    -O Fulano, vou gravar sua música tá bom!!??
    -Tá bom, grava lá sem problemas!
    -Avisa lá o outro compositor que eu to gravando ela!
    -Dexa pra mim!

  • Nilson Junior: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 11:49

    Brigado Elder valeu…. Eu acho incrível os caras falaram até o nome de todo mundo até do “papa” rs e não falam quem produziu a música.. Eta mundo…

  • Renato Murakawa: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 12:13

    Para quem não sabe, fui o primeiro blogueiro da dupla JNeF. Em 2007, criei um blogzinho simples dessa dupla que eu nem conhecia.

    E justamente criei o blog, para tentar ajudar a divulgar a nova dupla que surgia e estavam sendo muito prejudicados por terem suas duas músicas de trabalho regravadas justamente por Guilherme e Santiago.

    E essa história de que eles deram um tempo, pura conversa. O DVD de Quirinopolis JNeF… aquele Acustico Ao Vivo, foi gravado em janeiro de 2007. O lançamento foi por volta de abril, maio. Em junho Guilherme e Santiago me soltam as duas músicas… Tinham a mídia a seu favor (já que estavam toda sexta a noite no ar pelo Terra NAtiva). E os dois coitados JNeF que já tinham perdido a gravacao do DVD de Rio Verde, levam outro baque, ao ver uma dupla GRANDE, pegar suas duas principais músicas.

    Ninguém precisa acreditar em minha versão. Não é a intenção ficar remoendo passado. Até pq isso foi pra justiça, e ela foi feita.

    Deus é maravilhoso e contorna todas injustiças desse mundo. Enfim, agradeço a GeS, pois foi através da sacanagem deles, que firmou meu blog e pude conhecer essa dupla que hj defendo e tenho orgulho em dizer que sou amigo!

    Abraço a todos!

    • Paulo Ricardo: (responder)
      26 de fevereiro de 2014 às 13:14

      O mais engraçado foi o Guilherme dizendo q daí surguiu uma amizade. Na outra entrevista o Jãoneto não pareceu ser tão amigo deles assim. Sou fã das duas duplas, e achei ótima essa entrevista, ri muito. Mas nessa das regravações G&S cagaram na picada.

  • Reinaldo: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 18:44

    Com relação `música: “Jogado na rua”- pra mim música boa mais um artista capaz de dar uma boa interpretação para ela- não tem o que discutir! Para mim não ser comercial é uma péssima desculpa para não gravá-la ( artista que só pensa no dinheiro é fogo! Pior que eles devem ter POUCO DINHEIRO né?). Mas enfim, Deus ajudou e “Jogado na rua” foi gravada.

    Pelo menos 60% do repertório deles deveria ser daquele estilo romântico que eles faziam antigamente. Nos CDs do ” E daí” e “Bolo doido” de 15 músicas umas 3 eram românticas para mimm é muito pouco. Nesse último álbum para mim ficou melhor uns 50% eram românticas. Não sou contra as músicas agitadas mas acho que eles estavam exagerando!

    Outra coisa que eu queria ressaltar é o uso exagerado de sanfona, poxa usa-se sanfona em todas as músicas. As músicas parecem ser todas iguais! E esse é um dos motivos de eu não gostar de Jorge & Mateus e cia em meados de 2009. Depois que eles começaram a usar outros instrumentos, eles ( “universitários” ) ganharam o meu respeito!

  • Reinaldo: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 18:58

    – Sanfona e aquele violão desafinado!

    – Destaco que eles são muito bons apresentadores!

    – Na minha opinião eles não precisam gravar um disco de modão.

    – Eles não precisam ficar DESESPERADOS com o mercado eles são bons demais.

    – Queria mudar de assunto e falar um pouco de certos artistas que já foram as entrevistas ( vcs devem estar pensando que eu sou louco! ):
    Laís: Marcão continue se puder postando vídeos dela, apesar de eu não ter aprovado a interpretação dela em algumas músicas eu ainda queria dar mais chances para ela- sei lá eu queria ver ela cantando uma música em um tom mais baixo e outra que explorasse mais tons altos ( em português ). Gostei muito dela cantando ” O ipê e o prisioneiro”.
    João Neto & Frederico: todo mundo inclusive artistas falam muito bem deles, que são uma grande dupla eu sinceramente não vejo graça nenhuma neles, acho o som deles muito sem graça, muito comum, eu queria ver eles cantando músicas com um som mais pesado e/ou que explorasse mais a qualidade vocal deles.
    Fernando & Sorocaba: ficam muito bem cantando músicas como ” Livre”, e não sou um grande fã deles também, por enquanto.

    Obs: no começo eu não gostava de Edson & Hudson até eles deixarem mais evidente a influência do rock neles, e músicas que exploram a interpretação do Edson. Hoje tenho eles como uma das minhas duplas favoritas.

  • LUCIANO SILVA: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 20:52

    “…apesar de eu não ter aprovado a interpretação dela em algumas músicas eu ainda queria dar mais chances para ela- sei lá…”

    WHAT?

    • Paulo Ricardo: (responder)
      26 de fevereiro de 2014 às 21:20

      A carreira dela depende disso. HAHAHA

      • Reinaldo: (responder)
        26 de fevereiro de 2014 às 21:53

        É… vejam o making off do DVD do Gian & Giovani na hora que o Pinóchio fala sobre a mudança da forma do Giovani cantar.

        Para mim Laís é o mesmo caso deles.

        Não acho que com uma mera dica de um fã do sertanejo como eu vá ajudar o suficiente, mas com uma boa orientação assim como o Pinóchio fez com Gian & Giovani aí sim acho que ela vai melhorar, ou melhor decolar, vejo a Laís como uma cantora com muitíssimo potencial, que precisa de um empurrãozinho assim como Gian & Giovani.
        Ahhh Victor & Leo também tem uma história parecida e hoje eles arrebentam!
        A Laís é como o Rick fala do Gino & Geno, um diamante que só precisa ser lapidado.

        Vejo um outro ponto positivo na Laís- ela não fica gravando modinhas que o mercado pede ela sabe o que quer!

        • Phaell Cesar: (responder)
          26 de fevereiro de 2014 às 23:48

          Ainda bem que ela não grava modinhas, e nem combinaria com ela, veja só aquela tal de Nayara aquilo é um pavor, voltando ao papo Guilherme & Santiago como eu disse em termos de repertorio eles foram ótimos até 2007, o álbum de 2007 é bom, o 2008 não teve novidades além de 3 inéditas, o de 2009 não é o que eu gosto, mas não é tão baladeiro, só teve uma linguagem atual mas é agradável, agora aquele do Trio Elétrico e o Até O Fim esses são muito ruins, gravando esses álbuns eles se rebaixaram demais, e agora com esse álbum de 2013 não me empolguei muito não, sinceramente eu gostei de 4 musicas desse album “Jogado Na Rua”, “Seu Amor Sou Eu”, “Amor Pra Dois” e “Tudo Pra Você”, eu esperava algo mais, mas eu torço pra eles voltarem a gravar mais musicas que valorize mais a qualidade vocal deles, e com arranjos bem mais incrementados.

  • Reinaldo: (responder)
    26 de fevereiro de 2014 às 21:39

    Laís- Tem algumas músicas e trechos de algumas músicas que ela canta muito com o nariz e isso faz eu não curtir tanto ela ( parece que é esse o problema ).

    Mas tem músicas que ela se solta e aí me convence mesmo!

    É isso!

  • Elaine Frizelli: (responder)
    27 de fevereiro de 2014 às 15:59

    Primeiramente parabens..maravilhosa a entrevista sou fa n 1 deles e de toda a banda e que Deus abençoe mais esse lindo trabalho …..sao de uma humildade por isso cada vez mais merecem o sucesso…

  • Fábio Roque: (responder)
    28 de fevereiro de 2014 às 15:07

    Top, nem precisa falar!!!

  • Daniele Oliveira: (responder)
    2 de março de 2014 às 19:35

    Gente do céu,estou sem estruturas desde o momento que vi essa entrevista!!!
    Cara,esses dois são demais!!! Arrasam muito!
    Por isso que os amo muito,mais a cada dia! Os amo,admiro e respeito muito!!!!

    Entrevista nota mil!!!
    Beijos.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.