28 set 2010 | Reviews
I.U.O. Marco & Mário – Segredo

Inicio agora mais uma postagem daquelas que geram muitas controvérsias. De um lado, leitores que acreditam que só devo falar de artistas estourados e que quando falo de artistas que ainda não estouraram para todo o Brasil, significa que recebi jabá. De outro lado, leitores que acham que devo falar também de artistas em ascensão e não apenas de artistas estourados mas que possuem uma certa lista de preferências e acham que se falo de uma dupla ou artista que não está nesta referida lista, também significa que recebi jabá. Enfim, de todo jeito eu perco. Então vamos de uma vez à postagem.

Já contei essa história uma pá de vezes, mas gosto de repetí-la sempre. Conheci a dupla Marco & Mário quando ainda cantavam nas boates da cidade. de Uberlândia Entrei em contato com eles para ganhar uns convites de um evento que fariam num certa ocasião e me trataram com extremo carinho e humildade. Virei fã dos caras diante da atitude. Dali em diante, passei a ficar atento ao trabalho deles, ainda que estivessem começando a jornada na música sertaneja. Depois do CD inaugural, numa linha mais romântica, e de um acústico do tipo “barzinho”, gravaram o disco que deu notoriedade à carreira. O primeiro DVD, só para convidados, foi lançado há uns 2 anos e trazia uma sonoridade inovadora para os padrões sertanejos na época.

Graças a esse disco, conquistaram um considerável público na região e acabaram por fechar um contrato com a Sony Music, mesma gravadora das duplas Zezé di Camargo & Luciano, Victor & Léo. Talvez por pressão da gravadora, receosa em lançar aquele primeiro disco para todo o Brasil, gravaram um novo disco, aparentemente mais comercial que o primeiro. É que aquele primeiro DVD foi inteiramente feito por profissionais de Uberlândia. Todos os músicos da cidade, toda a equipe de produção e filmagem, tudo de Uberlândia. Ele tinha totais condições de ser lançado em nível nacional. Talvez por ser uma produção totalmente local, a gravadora não enxergava nele grandes chances de se tornar um grande sucesso. Mas quem teve a oportunidade de assistir aquele disco sabe, assim como eu, que aquele seria um dos raros casos de “lançar e estourar” para todo o Brasil quase de forma imediata.

O primeiro disco oficial lançado junto à Sony Music, o “Flecha do Cupido – Ao Vivo”, realmente era mais grandioso. Profissionais de renome nacional como Santiago Ferraz estavam envolvidos no projeto. Era mais comercial e menos arriscado que o primeiro DVD, sem sombra de dúvida. Mas seja por destino, ou inexperiência do escritório com artistas sertanejos, Marco & Mário ainda não haviam conseguido com aquele disco o destaque que muita gente poderosa achava que eles mereciam (e ainda acham).

Quando um trabalho não surte o resultado esperado, o que se faz? Muda-se a estratégia, claro. Os discos anteriores foram produzidos pela própria dupla em parceria com os produtores e músicos de sua banda Ricardo e Otávio. Para o novo disco, “Segredos”, convocaram um dos principais produtores da atualidade: Dudu Borges. Para a linguagem adotada por Marco & Mário desde o início da carreira, Dudu Borges realmente era o mais indicado. Afinal de contas Marco & Mário sempre tiveram essa linguagem pop que o Dudu Borges sabe reproduzir com maestria.

Para os leitores saberem e entenderem a colocação, Marco & Mário já fizeram parte de uma banda de rock gospel (Sonhos & Visões) e chegaram até a conduzir um projeto de uma banda cover do U2. São grandes instrumentistas. O Marco, grande percussionista, e o Mário, grande baterista (de estúdio, inclusive). A preferência pelo Dudu Borges é praticamente imediata, portanto. Fora que o ano é do cara, sem dúvida. A maior parte dos trabalhos sertanejos de sucesso no ano de 2010 foram produzidos por ele.

Para o disco, mais bons exemplos do retorno renovado dos teclados ao segmento sertanejo. A introdução da música “Sem Você” traz uma pegada do teclado aliada a uma bateria crescente que não lembro de ter visto antes de forma tão ousada, ainda que simples, em uma canção sertaneja. Fora isso, violões em boa parte das introduções. Nada de “imitando refrões”, como era bem comum até bem pouco tempo atrás.

Para a seleção de repertório, boa parte das músicas, claro, de autoria dos próprios. Sabe-se que, hoje, o Mário é um dos compositores mais promissores da nova geração. Bruno & Marrone e Jorge & Mateus já gravaram músicas compostas por ele. Ele consegue escrever daquela forma inteligente que a música sertaneja tem consagrado ultimamente nas letras. “Sem Você”, a faixa 03 do disco, é uma das melhores músicas já feitas por ele. Marco & Mário sempre tomam o cuidado, aliás, de selecionar músicas que falem a linguagem do público. Até na música “Marvada Pinga”, novamente gravada neste disco, nota-se uma preocupação em utilizar uma linguagem próxima do jeito que o povão gosta de conversar. Palavras que por serem muito informais não costumam ser utilizadas com frequência em canções sertanejas, como se nota também na música de trabalho “Vem ni mim”. Além disso, os dois são capazes de dar oportunidade a quem eles julgam que merece. A faixa 01 do disco, “Chove não molha”, é uma composição de uma jovem dupla (jovem mesmo, tipo 18 e 17 ou algo assim) daqui de Uberlândia chamada Pedro Henrique & Tiago que, não por acaso, agora são apadrinhados pelos próprios Marco & Mário.  Outra excelente faixa do disco é “Em suas mãos” (também conhecida como “Sexto Sentido”), que conta com a participação da Janaynna (que melhorou demais, diga-se de passagem).

A estratégia adotada a partir de agora, com o lançamento desse disco, parece ser a mais sensata possível. Produção com o profissional mais elogiado do momento, músicas jovens, numa linguagem ainda mais próxima do público que pretendem atingir, e o começo de uma independência maior no trabalho de bastidores (coisa, aliás, que eu nem sei se podia dizer aqui, hehe). Eu ainda acredito muito no trabalho deles. Desde que lançaram o primeiro DVD, que não chegou a ser distribuído ao grande público, eu já os enxergava como “uma das próximas duplas a estourar”. Porque eles definitivamente têm tudo o que é preciso: talento, competência, profissionalismo e, acima de qualquer coisa, humildade.

“Ah, Marcão, mas você puxa demais o saco desses caras; você tá recebendo jabá deles e do Dudu Borges, só pode; você é um vendido.” Já estou esperando todo tipo de comentários nesse sentido. Digam o que quiserem, mas Marco & Mário são sim tudo isso que eu sempre disse que eles são. E se você que está lendo esse texto é um desses que só acredita no que está indo no programa do Faustão ou tem música em trilha de novela, um conselho: pesquise um pouco mais. Assim como o Marco & Mário, tenho certeza que a música sertaneja tem um bocado de gente só esperando uma oportunidade para mostrar ao público a grandeza de seu excelente trabalho. Eu sei que é difícil achar alguém assim, mas tenho certeza que existe.

Nota: 9,0

38 comentários

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.