22 jul 2009 | Reviews
I.U.O – Jorge & Mateus – O mundo é tão pequeno – Ao Vivo

jorge-e-mateus

Mesmo que César Menotti & Fabiano tenham, de certa forma, popularizado o segmento “universitário”, que tinha sido “criado” por João Bosco & Vinícius, se tem uma dupla que eu considero símbolo dessa geração, junto com os próprios João Bosco & Vinícius, essa dupla é Jorge & Mateus. Entendam: os caras são produzidos pelo Pinocchio, não possuem um talento vocal tão apurado, o que é compensado na sempre excelente escolha de repertório, entre regravações de peso e inéditas de mais peso ainda. Os dois compõem e fazem questão de gravar as próprias músicas. Um deles se mostra cada vez mais um grande instrumentista. São queridinhos da galera jovem onde quer que vão. Eles resumem todas as características das duplas “novatas”. Isso em apenas 3 ou 4 anos de dupla, se não me engano.

O fato de eles terem se tornado símbolo da nova geração é favorável apenas no trato com o público, porque os coitados apanham de todos os lados, com críticas e tudo mais. E não sei se vocês já notaram, mas a dupla Jorge & Mateus cresceu alheia ao apoio de qualquer outro artista “maior”. No início César Menotti & Fabiano deram uma força, mas foi só. Tudo o que os caras conquistaram até hoje foi por mérito próprio. Não teve ajudinha aqui ou ali. Assinaram um contrato com a Universal antes mesmo do lançamento do primeiro disco, o que é coisa raríssima. Despois de 2 anos trabalhando com um único disco, fez-se mais do necessária a gravação de um novo trabalho. Mas como proceder? Ousar com um trabalho de grande porte ou manter o mesmo esquema, íntimo e tals? Na dúvida, optaram praticamente pelas duas opções.

Como assim, duas opções? Ora, o DVD pra início de conversa é duplo. O disco 1 traz o show seco, sem extras. Os extras estão todos no disco 2. Essa foi a jogada mais genial desse DVD. É que os pirateiros de plantão simplesmente optaram por não copiar o disco 2, já que o “importante” de verdade estava só no disco 1. Ou seja, quem quisesse ver o making off, as entrevistas, as músicas do outro disco da dupla em versões inusitadas, o dueto com o Asa de Águia, teria que comprar o disco original. Nessa brincadeira, a dupla já abocanhou o DVD de ouro. E é no disco 2 que estão as coisas mais interessantes desse trabalho, que são a entrevista da dupla em Goiânia, com detalhes da carreira, e os trechos dos shows em alguns dos principais eventos do Brasil, como a pecuária de Goiânia e o Caldas Country Fest. Daí a opção DVD grandioso no segundo disco. Na verdade, foi só um registro de alguns shows da dupla, mas que valem pela iniciativa inusitada.

O “grosso” mesmo, o “mais importante”, o DVD “íntimo”, está tudo no 1º Disco. O show desse disco é praticamente uma continuação exata do trabalho desenvolvido no primeiro DVD. Como no primeiro trabalho, regravações com inéditas, todas de peso. O diferencial deste DVD é que as regravações inseridas foram buscadas, como o próprio empresário da dupla ressalta no making off, entre canções que quase não foram trabalhadas com os artistas originais, o que traz essa falsa idéia de ineditismo.

Entre essas regravações pouco trabalhadas com os originais, estão “Pra nunca dizer adeus” (Leandro & Leonardo), “Saudade” (João Paulo & Daniel) e “Fale um pouco comigo” (nem lembro quem gravou). Dentre as outras regravações do disco, que provavelmente serão divulgadas como inéditas, já que foram gravadas originalmente por artistas não muito conhecidos, o DVD traz “Espelho” (que foi gravada pela Valéria Costa), “Amor Covarde” (gravada pelo Leovander), “Tudo ou nada” (gravada por Luiz Guilherme & Daniel) e mais uma ou outra.

Entre as outras canções, repetições quase que literais das músicas dos outros discos. Este DVD traz uma no mesmo ritmo da canção “Fogueira”, chamada “Um dia te levo comigo”; várias no mesmo esquema das baladas “De tanto te querer” e “Querendo te amar”; três na exata levada de “Pode Chorar”, chamadas “Só Falta Você, “Voa, Beija-flor” e “Ana Carolina”; um pout pourrie de pagodes (que aliás mostra que “Vou tomar um pingão” é a campeã de regravações nesse ano) e um modão pra fechar o disco (“Violeiro Feliz de Goiás”).

Outra coisa acerca do repertório que soou meio forçado foi a inclusão de algumas canções do Pinocchio. Como compositor, o Pinocchio é um excelente produtor. É que eu considero as letras dele meio piegas. Parece que falta um toque final na letra das canções dele. Mesmo assim, a canção “Só eu sei”, de autoria dele, promete bastante nesse disco.Aliás, muitas das canções dele também vêm assinadas por Renato Barros. Uma curiosidade: todas as canções do Pinocchio estão na editora própria que ele montou, a Pinocchio Music. Esperteza pouca é bobagem, hehe.

No mais, o repertório foi, como era de se esperar, muito bem escolhido. Já é notória essa incrível capacidade de Jorge & Mateus de montar repertórios incríveis. O próprio Ivan Myiazato (“o japa de maior sucesso no Brasil”, como dizem alguns mailings que ando recebendo), responsável pela captação do áudio desse DVD, disse isso no making off. Claro que montaram o repertório com a ajuda de alguns dos melhores compositores da atualidade. Fora as 3 canções do Jorge e as duas do Mateus gravadas nesse disco, buscaram músicas com Dorgival Dantas (“Amor Covarde”), que fez “Pode Chorar”; Diego Damasceno (“Mistérios”), da antiga dupla Diego & Dilliel; Chrystian Lima (“Vou fazer pirraça”); Euler Coelho (“Voa Beija-flor”), que fez “Chora, me liga”. O destaque aqui vai para Priscilla Barucci, que emplacou duas modas nesse disco, o que vai ajudar muito a torná-la uma das compositoras mais tocadas do ano (foi ela que fez o dunderarium do Bruno e Marrone). Minhas apostas para as grandes “pancadas” desse disco vão para “Voa Beija-Flor” e “Se eu pedir Cê Volta” (Renato Barros), duas das melhores canções do disco. A canção que dá título ao disco, de autoria do Jorge, foi um tanto mal gravada, diga-se de passagem. Não custava nada ter repetido a gravação dela pra ter saído certinho. É que as vozes no fim do refrão dão uma desencontrada que não soou legal. Ficou meio amador.

Uma participação especial no disco trouxe um quê de novidade. Alexandre Peixe presenteou a dupla com um axé (“Não sai da minha vida”), que foi intensamente trabalhado no carnaval. Aliás, essa música serviu para dar um gostinho do principal diferencial que Jorge & Mateus inseriram na nova música sertaneja, que foi a mistura de sertanejo com axé, até com shows em trios elétricos, como na festa de Barretos e no Caldas Country Fest do ano passado. Esse ano só deu sertanejo no carnaval. E os principais responsáveis por isso foram Jorge & Mateus.

Na produção, também a exata continuação do outro disco. Arranjos acústicos, no acordeon, viola ou violão. A diferença é no executor dos arranjos. O Mateus mostra, com esse DVD, que é um grande instrumentista, afinal de contas. Executa praticamente todos os arranjos no violão e até um com a guitarra. Fácil esse da guitarra, aliás, mas é ele quem executa e é isso que importa. Aliás, a dupla participou ativamente da concepção dos arranjos do DVD, junto com o produtor Pinocchio. A dupla também canta em pé dessa vez. No outro, cantaram sentados. Mas até no cenário esse disco guarda intensa semelhança com o primeiro. Pouquíssimas coisas novas. A maior diferença no visual é na qualidade do vídeo, bem melhor dessa vez.

Talvez esse tenha sido um deslize deste DVD. A dupla já é consagrada em todo o centro-oeste, no Triângulo Mineiro e interior de São Paulo. Então era hora de mostrar um trabalho um pouco mais ousado, com um show aberto, pra um mooooonte de gente, no estilo do que César Menotti & Fabiano fizeram no último DVD. Seria muito mais eficaz pra mostrar que, mesmo sem o apoio da classe sertaneja, a dupla tem bala na agulha e o carinho do público. Mesmo assim, é um bom disco. Não tão bom e impactante quanto o primeiro, mas bom.

Nota: 8,0

8 comentários
  • Yadira Chesner: (responder)
    14 de julho de 2013 às 17:06

    I simply want to say I’m new to blogging and honestly enjoyed your website. Probably I’m planning to bookmark your blog . You certainly have wonderful writings. Bless you for revealing your web site.

  • Sang Vanalstyne: (responder)
    17 de julho de 2013 às 05:49

    Would you be interested in exchanging links?

  • click site: (responder)
    17 de julho de 2013 às 23:23

    Having read this I believed it was extremely enlightening. I appreciate you finding the time and energy to put this content together. I once again find myself spending a lot of time both reading and commenting. But so what, it was still worthwhile!

  • resource: (responder)
    19 de julho de 2013 às 19:49

    Wonderful article! We are linking to this great content on our website. Keep up the great writing.

  • kalamazoo gym membership: (responder)
    20 de julho de 2013 às 10:19

    Zune and iPod: Most people compare the Zune to the Touch, but after seeing how slim and surprisingly small and light it is, I consider it to be a rather unique hybrid that combines qualities of both the Touch and the Nano. It’s very colorful and lovely OLED screen is slightly smaller than the touch screen, but the player itself feels quite a bit smaller and lighter. It weighs about 2/3 as much, and is noticeably smaller in width and height, while being just a hair thicker.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.