23 mai 2010 | Lançamentos
Ivan Myiazato na Revista Época

ivan-miyazato

Enfim a imprensa começa a se render aos novos rumos da música sertaneja. Exceto pela insistente utilização do termo “universitário”, que teimam em imprimir nas reportagens sobre o assunto, mesmo após mais de 5 anos do começo dessa “renovação”.

A Revista Época trouxe uma reportagem interessante sobre um dos nomes que mais têm ajudado a transformar a música sertaneja e a deixá-la com a pegada moderna que hoje domina o mercado e atrai o público jovem de maniera tão intensa. Ivan Miyazato é um dos produtores mais aclamados do momento eao que parece, a revista Época soube reconhecer isso. Pelo menos não foi como a revista Veja e suas guitarras barulhentas, hehehe. Leiam abaixo a íntegra da matéria de Fernanda Colavitti, descaradamente copiada e colada por mim aqui no Blognejo:

O japonês que renovou o sertanejo

Ivan Miyazato é um dos criadores do novo gênero que faz sucesso com universitários

Quando tinha 18 anos, o estudante de ciências contábeis Ivan Miyazato, que tocava música sertaneja desde os 15 nos bailes de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, montou um miniestúdio de gravação com dois amigos, dentro do quarto de um deles. A ideia do trio era gravar as próprias músicas e as de duplas que faziam sucesso nas festas universitárias na cidade, mas não tinham acesso aos estúdios de São Paulo – onde só havia espaço para nomes consagrados da música sertaneja, como Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo e Luciano.

Como faltava estrutura musical de apoio, os três improvisavam arranjos mais simples do que aqueles usados nas músicas das duplas de sucesso da época. A gravação era basicamente de voz e violão. Mesmo assim, deu certo. O estúdio cresceu e se transformou na primeira gravadora do Estado, a Pantannal, especializada em talentos regionais. Ivan desistiu da faculdade e abraçou a carreira de produtor musical. O sucesso de estúdio veio junto com o de uma das duplas que ajudou a lançar: João Bosco & Vinícius. Não reconheceu os nomes? O.k., mas você já deve ter ouvido “Chora me liga”, o hit de maior sucesso da dupla. Foi a segunda música mais tocada nas rádios no ano passado, atrás apenas de “Halo”, de Beyoncé. Entre as nacionais, foi a mais ouvida.

João Bosco & Vinícius tornaram-se conhecidos com um disco apoiado apenas em voz e violão e são precursores do chamado sertanejo universitário. O nome (com o qual nem todos os artistas concordam) é uma referência à origem da maioria das novas duplas de sucesso, que começaram tocando em festas e bares frequentados por universitários. Hoje em dia esse estilo de música se tornou onipresente no interior do país e, surpreendentemente, conquistou os jovens de classe média das grandes cidades, que antes pareciam totalmente hipnotizados pelos ritmos eletrônicos.

O novo gênero tem seus segredos. O ritmo é mais dançante que o sertanejo habitual. Mistura batidas de rock, country, axé e, em alguns casos, até forró. As letras usam uma linguagem moderna, repleta de gírias, e contam histórias urbanas e alegres. Não é música de dor de cotovelo. O resultado dessas mudanças é que a nova vertente sertaneja deixou de ser vista pelo jovens como música de caipira. Além de João Bosco & Vinícius, duplas como Maria Cecília & Rodolfo, Fernando e Sorocaba e o cantor Luan Santana – todos eles ligados de alguma forma a Miyazato – tornaram-se os novos ídolos musicais da juventude abastada.

Universitários como a paulistana Beatriz Pereira, de 23 anos, não têm mais vergonha de assumir que curtem música sertaneja. Fã da dupla Fernando e Sorocaba, a estudante de medicina estava na noite de quinta-feira entre 500 jovens que pagaram de R$ 20 a R$ 40 para dançar e cantar a plenos pulmões hits sertanejos no bar Mercearia São Roque, em São Paulo, frequentado por jovens da elite paulistana. Por insistência dos clientes, desde o ano passado a casa dedica duas noites ao sertanejo universitário. Não é a única. Desde junho do ano passado, no também paulistano Café de la Music, o público jovem de classe alta paga de R$ 40 a R$ 80 pela entrada para dançar música sertaneja nas noites de terça-feira e domingo.

Tradicionalmente menos afeitos à música sertaneja do que os paulistas, os cariocas também começam a se render ao novo ritmo. No ano passado, as casas noturnas Namaste, localizada na Gávea, e Lapa 40o, na Lapa, participaram do Festival Rio Sertanejo, evento cujo objetivo foi difundir o som das duplas na cidade. Os 8.500 ingressos disponíveis para o show que o cantor Luan Santana fez na cidade no começo deste ano, no Citibank Hall, na Barra da Tijuca, esgotaram-se.

O que explica esse sucesso? Para a advogada paulistana Taís Rodrigues, de 30 anos, fã das duplas Jorge e Mateus, Fernando e Sorocaba e do cantor Luan Santana, é a combinação do ritmo alegre com os temas das letras. “Elas falam sobre relacionamentos, mas sem ser de uma maneira triste”, diz ela. A explicação é parecida com a de Daniel Rigon, coordenador de shows da Som Livre, gravadora que lançou os CDs de Maria Cecília & Rodolfo e Luan Santana, entre outros. “Se você for a uma festa sertaneja, vai notar que o clima é de festa, quase uma micareta”, afirma ele. “A linguagem reflete o cotidiano desses jovens.”

Do ponto de vista estritamente musical, no entanto, o sertanejo universitário não é tão diferente daquele cantado pelas duplas que fizeram sucesso na década de 90. “O grande lance de qualquer música sertaneja é que qualquer pessoa que aprende violão consegue tocar. Os arranjos e as melodias são simples”, diz o cantor João Bosco, da dupla João Bosco & Vinícius. Ele explica que as duplas de sertanejo universitário usam os mesmos instrumentos que as duplas mais antigas. A diferença está nos arranjos, que ficaram mais acelerados. Também não há vozes de apoio (chamadas de backing vocal) nem violinos. Com exceção de Luan Santana, que canta sozinho, a maioria dos cantores atua em dupla. Mas as vozes já não precisam ser tão finas e altas. “As músicas sertanejas mais antigas exploravam muito a voz aguda”, diz Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba. “Hoje, os dois cantores podem trabalhar uma faixa de voz mais grave.” O visual das duplas também se modernizou. Em vez de se vestirem como caubóis, eles estão mais parecidos com astros da música pop e do rock. O chapéu ainda está presente, mas a camisa xadrez foi trocada pela camiseta básica, as calças de couro pelo jeans e a bota de bico fino por tênis ou sapato social. As mudanças na música e no estilo da nova geração de cantores são aprovadas por veteranos como Chitãozinho, da dupla sertaneja Chitãozinho & Xororó, a primeira a tocar nas rádios FM do Brasil, na década de 80. “Essa moçada está transmitindo a música sertaneja para a nova geração, assim como fizemos na nossa época”, afirma.

Nos bastidores dessa renovação, está Ivan Miyazato, que agora tem 32 anos. Ele seguiu a trajetória das duplas que ajudou a gravar em Campo Grande e moveu-se para São Paulo, onde está o grande mercado. A camaradagem de jovens iniciantes se transformou em negócio rentável de adultos. Seu estúdio de gravação agora está instalado em Alphaville, Barueri, na região metropolitana de São Paulo. Ele também mora na cidade com a mulher e a filha de 1 ano e 8 meses. Em parceria com Pinocchio, um veterano produtor de música sertaneja, ele produz áudio, vídeo e faz mixagens para a maioria das novas duplas de sertanejo universitário. Nascido em uma família de classe média baixa – os pais, japoneses, eram feirantes -, ele diz que em Campo Grande cobrava cerca de R$ 20 mil para produzir um disco. Agora cobra R$ 100 mil. Mas jura que continua morando de aluguel (em uma casa maior) e que, ao contrário das duplas com as quais trabalha, ainda não ficou rico. Nem usa chapéu de vaqueiro: “Minha marca registrada é ser japonês”.

Cliquem AQUI para ler a rerportagem no site da revista.

6 comentários
  • Otis Noe: (responder)
    14 de julho de 2013 às 16:26

    I just want to say I’m newbie to blogging and site-building and seriously loved your web blog. Likely I’m planning to bookmark your site . You certainly have good article content. Thanks for sharing with us your web-site.

  • Nola Lunday: (responder)
    17 de julho de 2013 às 06:27

    my friend sent me this GTA V game, it works great, thank you fury very much

  • tenancy cleaners: (responder)
    20 de julho de 2013 às 08:28

    This is getting a bit more subjective, but I much prefer the Zune Marketplace. The interface is colorful, has more flair, and some cool features like ‘Mixview’ that let you quickly see related albums, songs, or other users related to what you’re listening to. Clicking on one of those will center on that item, and another set of “neighbors” will come into view, allowing you to navigate around exploring by similar artists, songs, or users. Speaking of users, the Zune “Social” is also great fun, letting you find others with shared tastes and becoming friends with them. You then can listen to a playlist created based on an amalgamation of what all your friends are listening to, which is also enjoyable. Those concerned with privacy will be relieved to know you can prevent the public from seeing your personal listening habits if you so choose.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.