07 nov 2010 | Lançamentos
Marcão, o Campeão

Eu não gosto muito e nem costumo falar aqui no Blognejo das minhas outras atividades extra-blog, a não ser quando choramingo sobre a falta de tempo para manter o site do jeito que ele merece. Mas desta vez vou abrir uma excessão e compartilhar com vocês uma maravilhosa experiência que ocorreu na última sexta-feira. Pela primeira vez, aliás, vou estar juntando em um texto minhas 3 atividades principais: Músico, Funcionário Público e Blogueiro (porque estou postando aqui hehehe).

Para os que não sabem ainda, eu sou servidor do Departamento Municipal de Água e Esgoto da cidade de Uberlândia. Periodicamente, a prefeitura promove um festival de música para seus mais de 7000 servidores, o Servmusic. Desde que entrei na empresa, tenho participado de todos os festivais que a prefeitura promove. Esse ano, aconteceu o 10º Servmusic. É o 4º do qual participo. São sempre 3 as categorias do festival: “Intérprete Amador”, para os que não cantam profissionalmente, “Intérprete Profissional”, para os que trabalham com música, e “Música Inédita”, para composições que nunca foram gravadas.

Na primeira vez que participei, concorri na categoria “Intérprete Amador” e na “Música Inédita”. Fui premiado com o 3º lugar na categoria “amador”. Na 2ª vez que participei, concorri como profissional (porque eu já cantava na noite, o que ainda não acontecia na minha primeira participação) e com outra música inédita. Desta vez não ganhei nada. A partir daí, fui entendendo as preferências dos jurados (que quase todo ano são os mesmos). Percebi que se continuasse cantando músicas sertanejas mais “comerciais”, nunca ganharia nada. Decidi então concorrer apenas com músicas sertanejas de raiz.

No último festival, ano passado, participei em dupla com um colega de trabalho. Também nas categorias “Intérprete Profissional”, com a música “Cabocla Tereza”, e “Música Inédita”, com a canção “O Fracasso de um pai”, composição minha (uma moda de viola) gravada no último CD da minha dupla anterior e que muita gente já conhece, aliás. A tática de seguir apenas a linha raiz começou a dar frutos. Ficamos em 3º lugar como intérpretes e em 2º na categoria “música inédita”.

Para este ano, voltei a concorrer sozinho. Na verdade eu nem estava botando muita fé que poderia ganhar alguma coisa, afinal eu julgava que tinha sido premiado ano passado por conta da minha participação em dupla com outra pessoa. Para a categoria “Intérprete Profissional”, escolhi a música “Fogão de Lenha”, da dupla Chitãozinho & Xororó, que é uma das minhas cinco canções favoritas, tanto pra ouvir como pra cantar. Mudei a harmonia e o arranjo inicial da música e pedi que apenas o piano executasse a primeira parte. Vejam abaixo como foi a minha apresentação:

Para a categoria “Canção Inédita”, eu acabei deixando para a última hora a composição de uma música na linha que eu achava que tinha chance de ganhar alguma coisa. É que entre minhas composições inéditas só tinham canções de caráter mais comercial. Nenhuma de raiz. No última dia antes do término das inscrições, pensei num tema que eu julgava interessante (o preconceito contra a música sertaneja) e fiz uma canção. Gravei a guia e fiz a inscrição sem botar muita fé na música, já que ela tinha sido feita meio às pressas. O nome dela é “Alma Sertaneja”. Vejam abaixo como foi a apresentação da música:

Para assistir em HD, cliquem no vídeo para ir direto para o Youtube e escolher uma resolução mais alta. Os dois vídeos acima foram feitos já na final do festival, que aconteceu na última sexta, depois de uma eliminatória para cada categoria.

Não sei se o nível do festival é que estava baixo esse ano, ou se os jurados estavam um pouco embriagados, ou se realmente eu estava excelente, mas o fato é que este ano conquistei pela primeira vez o primeiro lugar. E nas duas categorias nas quais eu estava concorrendo. Fui o Campeão das categorias “Música Inédita” (com uma música que eu nem botava fé) e “Intérprete Profissional” (na qual fui o único sertanejo a ter chegado na final). Pela primeira vez na história do festival, uma mesma pessoa venceu as duas categorias principais. Pela primeira vez na história do festival, um sertanejo ficou em primeiro lugar. Pela primeira vez na história do festival, o campeão tocou viola nas suas canções. E o prêmio foi o mais alto de todas as edições já realizadas. R$ 6000,00 (seis mil reais) no total. 3 mil para cada categoria.

Como hoje é domingo, resolvi compartilhar com vocês essa experiência, para mostrar e tentar fazer o pessoal entender que não é só do Blog que eu vivo, hehe. E, às vezes, minhas outras atividades também me trazem algumas alegrias. Tudo bem que alegria de pobre dura a velocidade de um peido, já que logo depois de sair do festival tive o carro rebocado pela polícia por não estar portando o licenciamento de 2010. Mas enfim, a alegria pela vitória histórica no festival vai ficar pelo resto da vida. O dinheiro é que vai um pouco para pagar as despesas do carro, hehehe.

38 comentários

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.