26 set 2013 | Na Estrada
Na Estrada – Lu & Tchelo lançam CD e novo videoclipe em Belo Horizonte

Na última sexta-feira, fui até BH para acompanhar a festa de lançamento do novo CD e do novo clipe da dupla Lu & Tchelo. Isso acabou indo de encontro a um tema que será abordado em breve por aqui em uma postagem futura. É que recentemente já estive por lá para realizar uma entrevista com a alguns artistas sobre a cena sertaneja de BH e a dificuldade que eles enfrentam durante as tentativas de ampliar o trabalho nacionalmente. Logo logo vai pro ar.

Participar do show da dupla Lu & Tchelo serviu, portanto, para entender um pouco do mercado um tanto quanto fechado de BH. Lu & Tchelo são uma das poucas duplas de lá que realizam um trabalho com ambições nacionais. O disco, por exemplo, foi produzido pelo grande e lendário Luiz Carlos Maluly, que só na música sertaneja ajudou a alavancar a carreira de artistas como Bruno & Marrone, Edson & Hudson, Paula Fernandes, além de produzir os discos mais recentes da Roberta Miranda. A busca por um produtor de renome nacional e com história já demonstra bem essa intenção de expandir os trabalhos.

O novo disco de Lu & Tchelo já vinha sendo divulgado no mercado há alguns meses, mas o show oficial de lançamento na cidade da dupla ainda não havia sido realizado. A apresentação aconteceu na Caribbean, que junto com a Wood’s, o Alambique, o Observatório e algumas outras casas, compõe o circuito sertanejo de Belo Horizonte. Aliás, esse circuito sertanejo tem muito mais força dentro da cidade do que se costuma ver em outras regiões. Os artistas de BH que se apresentam nestas casas são os que de fato já estão expandindo seus trabalhos para outras regiões do Brasil.

O show da dupla Lu & Tchelo já trouxe um pouco do que o disco também destaca. A princípio o que mais chama a atenção é o fato da dupla cantar com as vozes alternadas. Em alguns momentos é o Lu quem faz a primeira. Em outros o Tchelo. E mesmo o disco tendo a marca do Maluly em evidência por conta da pegada mais suave e romântica, o show é baseado principalmente no repertório animado, seja o da própria dupla ou o de outros artistas.

O trabalho de divulgação da dupla, principalmente em BH, já vem obtendo resultados satisfatórios. Recentemente estive em BH para o Festeja em Contagem e ouvi diversas vezes as rádios da cidade executando a música de trabalho deles, “Depois a gente conversa”. Foi esta a música escolhida para a gravação de um clipe, realizada recentemente aqui em Uberlândia por intermédio deste que vos escreve, junto com a Âncora Filmes. A dupla já tinha lançado um clipe para a mesma música, gravado em estúdio e tals. Este, entretanto, vem mais completo por conta do roteiro e da produção, com destaque para as inusitadas locações escolhidas. Dá uma conferida aí:

É de praxe para duplas com trabalhos de divulgação ainda no começo incluir no repertório do show muito mais músicas de outros artistas do que músicas do próprio repertório. O show da dupla Lu & Tchelo segue essa mesma linha, com destaques para a música de trabalho e para a faixa “Vem que eu te explico”, uma das animadas do repertório deles. Eventualmente, a dupla vai acabar incluindo mais canções do novo disco, na medida em que o trabalho for ganhando mais espaço.

Nas minhas últimas incursões por BH, ciente das dificuldades que os artistas de lá encontram para romper as barreiras da cidade e obter destaque em outras regiões, o que observei é que talvez falte aos artistas de lá justamente buscar espaço fora por julgarem que BH por si só já se basta. Um erro comum, claro. Como eu disse mais acima, Lu & Tchelo já começam a se sobressair justamente por entenderem que BH por si só não é suficiente.

O CD vinha sendo divulgado em várias outras regiões já há alguns meses e só agora teve um show de lançamento na cidade natal da dupla, só pra se ter uma ideia. E não acho que isso possa ser considerado um “descaso” com a própria cidade, como alguns, principalmente os cidadãos de lá, possam chegar a pensar. Pelo contrário. Trata-se justamente da intenção de expandir mercado. A julgar pelo trabalho que vem sendo realizado, creio que não vai demorar até que eles comecem de fato a mostrar as caras em outras partes do brasil.

Abaixo, uma galeria com fotos do show feitas por mim.

7 comentários
  • Felippe Said: (responder)
    27 de setembro de 2013 às 02:04

    Sou do interior de Minas, no triângulo mineiro, e moro em BH há 7 anos. Toco nos bares de BH e do interior há um tempo e posso te dizer com conhecimento de causa: BH é fechada para o sertanejo. Fora do circuito de casas noturnas, que o Marcão destacou, não é comum pegar alguém ouvindo o estilo pelas ruas. Inclusive, há uns 5 anos atrás, ao dizer que tocava sertanejo muita gente torcia o nariz. Aqui a música roda com mais dificuldade, ao contrário de Uberlândia, Patos de Minas, Uberaba que eu via as músicas fluindo com facilidade.

    Existem muitas duplas boas aqui e que se firmaram nesse circuito. Já conheço a dupla há um bom tempo aqui em BH e sei o quanto o trabalho deles é maduro.

    Boa sorte para Lu e Tchelo e que consigam vingar por esse Brasizão…

    Marcão, apareça por aqui mais vezes kkkk

  • artur: (responder)
    27 de setembro de 2013 às 07:55

    Marcao, ta dando certo isso? Vc ta vivendo bem só com o blog? Conseguiu manter o padrão de vida? Pq na boa, embora eu torça por vc, ta dificil cara. O nível das postagens do seu blog só piora. É muita coisa ruim postada. Ta parecendo um baixarsertanejo.com… Mta saudades do antigo blognejo, onde só apareciam os grandes, e os pequenos que realmente tinham qualidade.

    • Marcus Vinícius: (responder)
      27 de setembro de 2013 às 13:08

      Graças a Deus tem dado bem certo, parceiro, rsrs. Fazer o quê se me chamam pros eventos? Eu não posso deixar de ir porque a dupla é menos conhecida, amigo. Seria muito desrespeitoso da minha parte.

    • Marcus Vinícius: (responder)
      27 de setembro de 2013 às 13:10

      vc já conhece a dupla Lu & Tchelo? Chegou a baixar o CD? Viu que escrevi que quem produziu o disco foi o Luiz Carlos Maluly, que produzia Edson & Hudson, Paula Fernandes, Roberta Miranda, entre outros? Você tá insinuando que os caras não tem qualidade mas sequer ouviu, pelo jeito.

      • artur: (responder)
        27 de setembro de 2013 às 17:00

        Eu ouvi sim. Esses não são ruins. Mas sério, sou seu leitor e ja to ficando saturado. Entro no blog, aparece um bombadão maquiado e com batom na boca. Entro de novo, tem um pivete saindo de uma ferrari. Entro de novo, tem uma música chamada VAI NO CAVALIN. Entro de novo, tem um moreno do cabelo alisado, metido a galã, com um clipe tosco terrivelmente mal produzido. Tudo bem que é seu ganha pão, só estou deixando minha opinião.

        • Marcus Vinícius: (responder)
          27 de setembro de 2013 às 18:50

          É que ainda não entendo como algumas pessoas ainda não se acostumaram. Já tá assim há pelo menos um ano e meio. O blog agora é isso, cara. É como você disse, meu ganha-pão. Antes não. Mas hoje sim.

  • João: (responder)
    1 de outubro de 2013 às 01:52

    O que me desanima um pouco nos blogs são as postagens que por algum tipo de interesse não englobam ou esquecem de mencionar outros artistas. Espero que nessa referida matéria que irá tratar sobre a cena sertaneja de Belo Horizonte, seja feita uma verdadeira pesquisa que demonstre como de fato as coisas são por aqui e não mencionar apenas artistas que de certa forma “contribuem” para o blog.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.