13 mar 2014 | Na Estrada
Na estrada – Thaeme & Thiago consolidam nova formação com DVD grandioso

Lá fomos nós de novo para mais um evento ao redor do Brasil. Desta vez, o evento foi a gravação do DVD da dupla Thaeme & Thiago, em nova formação, realizado no último sábado no Citibank Hall, em São Paulo. É óbvio que o DVD, que havia sido adiado devido ao anúncio da substituição do Thiago Servo pelo Thiago Bertoldo, veio no melhor momento possível, no qual a dupla precisa urgentemente consolidar uma nova imagem, já que a formação mudou.

Acontece que tudo o que envolveu este DVD nos leva a ver este projeto não apenas como uma consolidação da nova imagem, mas como uma oportunidade de colocar a dupla alguns degraus acima do patamar no qual se encontravam antes. Se eventualmente a dupla era vista como “intermediária”, a clara intenção deste projeto é apresentá-los como dupla do primeiro time.

Tudo começa pela escolha do local. Antes da entrada do Thiago Bertoldo, o DVD seria gravado num show no interior de São Paulo. De repente anunciaram a mais emblemática casa de shows do Brasil como palco da gravação, o Citibank Hall, que além de carregar toda essa importância, fica em São Paulo, capital. E o mercado tem aquela coisa toda de apenas aceitar DVDs gravados em São Paulo de artistas já consolidados no mercado, como se artistas menores não tivessem ainda cacife pra peitar um desafio desses.

Até questionei a dupla na entrevista que postei com eles na semana passada sobre a pressão de fazer o DVD na mais emblemática casa de shows da mais emblemática das cidades brasileiras. E os dois foram bem sinceros ao dizer que ainda tinham receio a respeito dessa decisão. No dia da gravação, inclusive, cheguei a pensar por algum tempo que aquela teria sido uma decisão errada. Na hora marcada para o começo da gravação, 22:00 hs, a casa ainda estava relativamente vazia. Mas pouco menos de uma hora depois, a casa já estava cheia. Um alívio e provavelmente um grande peso retirado das costas da dupla.

Outra coisa que denota a preocupação em mostrar a dupla num patamar maior foi a mega estrutura montada para o evento. A decoração grandiosa trouxe LEDs que se moviam como grandes portões, ou para o lado ou para cima. Em uma cena, um dos  painéis de LED levantou para que um carro pudesse entrar no palco. O mesmo aconteceu quando a dupla Fernando & Sorocaba entrou para participar. O conjunto de desenhos aplicados em cada música, inclusive, foi de muito bom gosto. A direção visual ficou a cargo do Catatau, aliás.

Um outro aspecto interessante do DVD foi a intensa participação da banda, seja em coreografias, seja na interação com a dupla. A produção musical do projeto ficou a cargo do Laércio da Costa, que já estava ligado a este DVD mesmo antes da saída do Thiago Servo.

O repertório, mesmo com todo o debate acerca das letras picantes nas músicas da dupla, motivo que teria causado a mudança de formação, não foi tão diferente do repertório que eles já vinham trabalhando. No geral, o repertório foi bem selecionado, exceto por uma música clone da “Tcha Tcha Tcha” intitulada “Ai ai ui ui”, a única bola fora. Mesmo assim, além das boas músicas do EP lançado recentemente, como “Aeroporto” e “Inseguros”, o DVD trouxe belíssimas canções românticas e ótimas dançantes, como “O que acontece na balada” e “Coração Apertado”, que traz uma pegada de pagode, com direito ao Thiago tocando cavaquinho.

A Thaeme ainda cantou uma música com potencial de se tornar um hino feminino, intitulada “Solteira, soltinha”, numa performance bem bacana tanto dela quanto da banda, com o Thiago na gaita ponto. O lado musicista do Thiago, aliás, foi bem explorado. Ele tocou cavaquinho, violão e gaita ponto do DVD.

No fim das contas, a lição de casa foi feita. Poucas vezes lembro de ter visto uma troca de formação tão bem administrada, desde o dia do anúncio até a gravação do primeiro grande projeto em vídeo. Na maioria dos casos, sempre testemunhamos um baque gigantesco. No caso de Thaeme & Thiago, a mudança foi natural e, pelo que pudemos ver no DVD, bastante positiva. O projeto muito provavelmente vai cumprir o papel a que se propôs, que é mostrar a mudança como uma coisa positiva e apresentar a dupla como um produto bem mais grandioso do que costumava ser.

Abaixo, algumas fotos da gravação.

As fotos abaixo são do Cadu Fernandes.

18 comentários
  • Daiana: (responder)
    14 de março de 2014 às 09:15

    Marcus, todas as músicas do EP entraram no DvD?

  • @ariomester: (responder)
    14 de março de 2014 às 10:34

    Legal, quem fez a produção musical foi o Fernando Zor?
    Eu gosto da dupla, espero que dê certo. Só fico ainda arredio com essa onda de gravar DVD em estúdio e ir dublar ao vivo. Não sei se foi o caso, mas é o caso de praticamente 100% das produções brasileiras do segmento. Acho que ao vivo tem que ser ao vivo mesmo. Se a banda não dá conta, troque a banda por uma que dê. Se o cantor ou cantora não dá conta, invista mais no treinamento musical e vocal deles. e tem dinheiro pra mil painéis de LED, contratar bons produtores e técnicos para gravar ao vivo é moleza. É simples assim e acho que o mercado só tem a ganhar quando os ao vivo voltarem a ser de fato ao vivo e discos de estúdio voltarem a ser pensados como tal, mesmo que sejam EPs ou singles para o iTunes e YouTube. Até acho legal a idéia de fazer um clipe com imagens ao vivo e outras fora do palco para divulgar as músicas de trabalho, mas registro de show ao vivo eu acho que deveria ser sempre ao vivo, senão fica muito morno, que é o que tem acontecido com os ao vivo sertanejos de uns anos pra cá. Minha opinião.

    • @ariomester: (responder)
      14 de março de 2014 às 11:00

      Agora que eu vi. Produção musical foi do Laércio da Costa. Falha minha.

  • Dubio: (responder)
    14 de março de 2014 às 12:02

    O que acontece com essas duplas e cantores? O sertanejo tá em decadência ou a mesmice tomou conta do cenário?

  • Romário Santos: (responder)
    14 de março de 2014 às 12:37

    Eu realmente acho a Thaeme a grande revelação feminina dos últimos anos, e não entendam isso como coisa de fã, coisa que eu não sou, é simplesmente pq ela calou a boca de muita gnt ( como eu) que dizia que como ela não tem uma história sertaneja consolidada ela nunca iria agradar o público… Aí é que está Sergio Reis cantava blues, um rock dos anos 60, e virou o quê? O maior cantor solo sertanejo do país… Almir Sater sempre cantou sertanejo? O que ele cantava era sertanejo só pq as letras tinham uma temática rural e ele usava chapéu? Ou o ritmo mtas vezes apenas acústico também era rural?
    O que mta galera conservadora não engoliu é o fato do caipira ter saído do mato pra cidade…Estudem Geografia, existe o Êxodo Rural e o Êxodo Urbano, os dois estão intimamente ligados. Estava mais do que na hora de ritmos da cidade invadirem zonas rurais, e também do campo invadir e dominar o Brasil. Essa história de colocar a culpa toda na letra que o sertanejo tem colocado em suas composições é besteira…Uma das maiores cantoras caipira por exemplo se consagrou com uma música que falava da “Marvada Pinga que eu me atrapaio”, a saudosa Inezita Barroso. E convenhamos, o que existe no Brasil e em grande tamanho na parcela conservadora é o preconceito, quer ver?
    -Cite 10 cantoras femininas de grande importância pra música sertaneja em dez segundos (de preferencia populares, que é o que realmente importa no fundo);
    -Cite 10 artistas negros de grande importância pra música sertaneja em dez segundos (de preferencia populares, que é o que realmente importa no fundo);
    -Cite 10 artistas nordestinos de grande importância pra música sertaneja em dez segundos (de preferencia populares, que é o que realmente importa no fundo);
    -Cite 5 estilos musicais do Nordeste que se tornaram indispensáveis para a música sertaneja no decorrer dos anos, em dez segundos ( vale qualquer um).
    Olhe quem está errado no fundo galera… Thaeme é umas das poucas cantoras que se sobressaíram nos últimos anos, desde que Maria Cecília conseguiu recolocar a mulher no cenário sertanejo, e não importa os métodos, a verdade é que ela tem uma voz incrível digna de quem ganhou um reality show dificílimo. Um dia essas poucas mulheres que se sobressaíram no sertanejo ainda serão alvo de pesquisa e estudo para o feminismo podem apostar.

    • Nicolas Peracchi: (responder)
      14 de março de 2014 às 15:23

      ótimo comentário existe uma galera que se recusa á aceitar que o sertanejo hj é o Pop, e que isso é ótimo pra nosso ritmo.Perdemos muito é claro com letras vazias e estilos semelhantes, mas era inevitável isso acontecer.O Pop em todo mundo é relacionado com músicas sobre álcool, bebida e sobretudo, o amor. Mas é o que o povo gosta, se identifica talvez ele tenha cansado de escutar que sertanejo era música de corno e hj prefere escutar sobre sexo, bebida e festas, coisas do cotidiano que recusamos a aceitar que gostamos.

    • MICHELE LEAL: (responder)
      14 de março de 2014 às 15:29

      O melhor comentário em anos.
      Me emocionei, e pensei bastante.
      Parabéns

    • Aline DF: (responder)
      14 de março de 2014 às 16:40

      A questão não é engolir que o mato foi pra cidade. E não aceitar porcaria mesmo. Rimas pobres, batidas iguais… E as letras? Pouts, é preconceito não gostar de música que fala de quantas beijou, da namorada que traiu, de quantos combos bebeu? Isso realmente é música pop que reflete os valores morais pobres de quem gosta!

      • Luciana: (responder)
        14 de março de 2014 às 23:01

        Eu comungo da sua opinião, Aline! E como o Brasil de hoje talvez seja o maior fruto de miscigenação racial do mundo, então eu penso que, em se tratando de música, não importa se é magro, gordo, preto, branco, smurf ou ET de Varginha. O que tem realmente importância são apenas três questões básicas: voz do cantor, entonação e a música (composição) propriamente dita. Eu me considero conservadora na questão música sertaneja, porque pra mim, este estilo se resume a vaneiras e raqueados, polcas, guarânias, boleros rancheiros, toadas e pagodes de viola. E o “X” da questão é que, normalmente, dupla de cantores é automaticamente taxada no mercado como sertanejo (o que em 80% dos casos, não é), e como a palavra sertanejo está em alta no mercado musical em se tratando de eventos e rádios, tem muito gente oportunista se aproveitando deste termo… . E vamos ser sensatos: tudo bem, “Marvada Pinga” é uma música que fala de bebida, mas não há como comparar NENHUMA música da atualidade com ela no quesito letra. A música conta uma história de uma forma brilhante, com rimas interessantes, simples e que não estão saturadas. E daí eu pergunto: é fácil fazer isso? Não, não é, mas com um pouquinho de boa vontade, acredito que até compositores medianos o fariam. O que não dá é engolir um monte de monossílabos e ainda acreditar que isso é bom (talvez seja, quando construirmos uma máquina do tempo e viajarmos ao passado para apresentá-las aos os nossos antepassados neandertais). Quanto a Thaeme, considero-a uma boa cantora, com identidade (pois quando se ouve a música no rádio, consegue-se saber que é ela quem está cantando) e entonação e, apesar de não ser fã da dupla, acredito que a melhor coisa que ela fez foi realmente se desligar do Thiago Servo.

  • rafael: (responder)
    14 de março de 2014 às 14:07

    Mais armado e artificial que essa dupla não existe. O engraçado é o comentarista de cima querer jogar nas costas dos conservadores a não aceitação dessa musiquinha xexelenta, de sanfoninha ordinária. É música ruim e PONTO. Sertanejo Universitário é evolução? Então onde esta o artista negro aí? Quanto mais a cena artística se distanciou das raízes mais os negros foram excluídos dos palcos. A exclusão do negro nessa história é a prova de que não existe nada de progresso nesse mercado é única e exclusivamente DINHEIRO. Cada um canta o que quer da forma que quiser, mas não vai livrar-se do questionamento: é música ruim ou é música boa?! No sertanejo universitário é 99,99% música ruim.

    • Natalia Arrais: (responder)
      14 de março de 2014 às 15:17

      Defina música ruim?
      Por que 99%, é automaticamente um generalismo e todo generalismo é burro.
      Você tem cara de artista frustrado . Convido vc a sair do anonimato e comentar com o Facebook abaixo se identificando.

    • rodrigão: (responder)
      14 de março de 2014 às 20:48

      Também acho essa dupla artificial da mesma forma que já achava a antiga formação com o outro Thiago.

  • conradoserpa: (responder)
    14 de março de 2014 às 14:38

    Sou fã da dupla e já assisti praticamente todos os vídeos no Youtube do DVD. O novo DVD da dupla vem com músicas românticas excelentes e músicas pra balada também excelentes.

    Quem não gosta de Thaeme e Thiago, sem brincadeira, é por birra ou pq simplesmente não curte muito o estilo da dupla – daí eu aceito. A música que a Thaeme faz tem qualidade e vai de encontro com o público dela, então tá ótimo.

  • Sidney Aguiar: (responder)
    14 de março de 2014 às 15:01

    Marcao espero que vc possa atualizar os dados e ver certinho quem produziu
    o cenário , toda produção visual dos DVDs Thaeme e Thiago e novo DVD Fernando e Sorocaba, obrigado pela atenção , a minha luta diária que tem muita gente boa que estão por trás desses eventos que nem são sitados, sucesso abraços ..tamo junto.

  • Aline DF: (responder)
    14 de março de 2014 às 16:42

    A Thaeme tem uma voz incrível, é linda… Mas não convence.

  • Samuel: (responder)
    15 de março de 2014 às 21:33

    Estive presente na gravação do DVD e o que pude acompanhar foi o resultado de muito talento. A quem ainda não “convence”, precisa conhecer melhor a dupla, entender e gostar de sertanejo e o resto deixar por conta deles!

    Ouço críticas ao ritmo por pessoas com os mais diversos gostos por música e respeito mas, também tenho minha opinião para diversos deles porém, não vou expor aqui.

  • Samuel: (responder)
    15 de março de 2014 às 21:35

    Aliás, alguém já sabe a data de lançamento do DVD novos tempos?
    Obrigado.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.