13 nov 2010 | Lançamentos
Nova música de João Carreiro & Capataz não convence

A chegada do “Novo Sertanejo” trouxe, além de muito sucesso para algumas duplas, um grande problema para outras: o que fazer para se diferenciar de um mercado já completamente tomado por músicas e arranjos iguais?

Na busca pela resposta que vale um milhão de reais (ou mais), alguns artistas gastam o que tem e o que não tem. Convidam produtores da atualidade, procuram os melhores compositores e gastam verdadeiras fortunas com divulgação, tudo em busca de um grande sucesso. Mas, muito mais do que isso, é ainda o desejo de encontrar uma identidade própria, para marcar o público e nunca mais ser mais confundido com outros artistas.

Mesmo com todas as dificuldade acima apresentadas, João Carreiro & Capataz vinham fazendo um surpreendente trabalho e sem o apoio da grande mídia. Tudo culpa do grande traço de personalidade que a dupla carrega. Parecido com eles apenas Tião Carreiro, e como ninguém mais nesse país se parece com o mestre violeiro, estava aberto o caminho. Voz grave, modas de viola, músicas boas com letras agradáveis que juntavam o tradicional ao novo, tudo numa mistura interessante, que dava a João Carreiro & Capataz o status de dupla mais promissora desse “novo sertanejo”.

Dava, porque a nova música de trabalho, “Roqueirinha” não convenceu. Claro que não podemos balizar todo o trabalho feito pela dupla  até aqui, e principalmente o novo , que ainda está sendo preparado em cima apenas dessa canção, mas que chega a dar calafrios em pensar no que pode vir por aí, ah! isso dá. Não que a música não seja boa, é sim interessante, mas aquelas viradas aceleradíssimas de bateria que aparecem na música inteira, me deixam com a sensação de que ela é tudo, menos sertanejo. Definitivamente João Carreiro & Capataz não precisavam disso.

Pode ser implicância minha, que também não achei legal a “Fugidinha”, mas é que em partes estamos acostumados com o sertanejo misturado apenas com a vanera e forró. Quando aparece uma outra mistura, olhamos com desconfiança. Na verdade acho mesmo é que estou é ficando velho para algumas coisas (e olha que ouvi a “Roqueirinha” umas 20 vezes antes de comentar).

Ainda vai demorar para me acostumar,  mas se a Revista Veja já reclamava das guitarras estridentes do “Sertanejo Universitário”, imaginem quando ouvirem a nova música de João Carreiro & Capataz?

Não ouviu, então ouça abaixo e tire suas próprias conclusões:

76 comentários
  • Erin Greiner: (responder)
    14 de julho de 2013 às 17:34

    I just want to tell you that I’m very new to weblog and certainly enjoyed your web blog. Likely I’m likely to bookmark your blog post . You definitely come with tremendous writings. Thanks a lot for revealing your website.

  • go to this web-site: (responder)
    17 de julho de 2013 às 23:41

    I blog quite often and I truly thank you for your information. The article has really peaked my interest. I am going to take a note of your website and keep checking for new details about once per week. I opted in for your RSS feed too.

  • seo company: (responder)
    18 de julho de 2013 às 21:45

    I blog frequently and I really thank you for your content. Your article has truly peaked my interest. I’m going to book mark your website and keep checking for new information about once per week. I opted in for your Feed too.

  • additional reading: (responder)
    19 de julho de 2013 às 16:13

    Everything is very open with a very clear description of the issues. It was truly informative. Your site is useful. Many thanks for sharing!

  • like this: (responder)
    20 de julho de 2013 às 01:40

    An impressive share! I’ve just forwarded this onto a co-worker who has been conducting a little homework on this. And he actually bought me dinner due to the fact that I discovered it for him… lol. So let me reword this…. Thanks for the meal!! But yeah, thanx for spending the time to talk about this issue here on your site.

  • iphone app development: (responder)
    20 de julho de 2013 às 08:16

    Zune and iPod: Most people compare the Zune to the Touch, but after seeing how slim and surprisingly small and light it is, I consider it to be a rather unique hybrid that combines qualities of both the Touch and the Nano. It’s very colorful and lovely OLED screen is slightly smaller than the touch screen, but the player itself feels quite a bit smaller and lighter. It weighs about 2/3 as much, and is noticeably smaller in width and height, while being just a hair thicker.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.