19 nov 2012 | Notícias
O Caldas Country e os problemas de um mega evento

Todo ano a mesma coisa. E a cada ano que se passa a intensidade das reclamações parece aumentar. O Caldas Country, maior evento de música sertaneja realizado no Brasil, numa cidade com menos de 70 mil habitantes, segundo o último censo do IBGE, acaba sendo considerado por muitas pessoas a causa da série de problemas ocorridos nas ruas da cidade durante os dias da festa, realizada sempre no feriado da proclamação da república. A culpa é de quem, afinal de contas?

Segundo os próprios organizadores do evento, este ano o Caldas Country recebeu cerca de 100 mil pessoas. Como eu disse no último parágrafo, a cidade tem cerca de 70 mil habitantes. É sabido que Caldas Novas sobrevive principalmente do seu turismo, o mais forte do estado de Goiás por causa da sua bacia de águas quentes. Inúmeros hotéis, pousadas e casas recebem os visitantes todos os fins de semana e aproveitam principalmente o feriado do Caldas Country para aumentar a receita. A festa é realizada para os turistas, principalmente, e não para os moradores da cidade. A cidade se localiza numa área estratégica, próxima de grandes cidades como Brasília, Goiânia, Anápolis, Uberlândia e diversas outras.

Com a absurda quantidade de pessoas que toma conta da cidade, uma série de problemas acontece, como era de se esperar. E a cada ano os problemas e reclamações parecem aumentar. Um blog divulgou este fim de semana um texto com uma série de imagens e relatos sobre os acontecimentos deste fim de semana. No caso mais absurdo, tiraram fotos de um casal fazendo sexo no meio da rua, sem nenhum tipo de pudor exceto o de não descer completamente as peças de roupa. Na imagem que ilustra este post, extraída do blog, rapazes se divertem em cima do telhado do que parece ser um posto da polícia. Leiam AQUI a postagem na íntegra.

Na última vez que participei, há dois anos, eu testemunhei a balbúrdia, baderna, barbárie que toma conta da cidade de Caldas Novas. Ruas e praças ficam tomadas de milhares de pessoas vestidas em trajes minúsculos, bebendo, com os sons dos carros no último volume possível, praticando uma série de delitos grotescos. Fora os casos de pessoas assaltadas, estupradas e mortas. Este ano, que eu soube, uma garota foi morta por uma bala perdida e um cantor local atingido por outra. Além de outro rapaz que morreu após um acidente por estar com o corpo colocado para fora do veículo.

Quando eu digo balbúrdia, baderna, barbárie, bagunça, não é exagero. É sério. A cidade se transforma na Sodoma ou Gomorra moderna. O mundo parece que vai acabar MESMO depois daquele fim de semana e as pessoas que lá estão parecem querer fazer tudo o que lhes for possível antes que isso aconteça. Curiosamente, esta foi uma das premissas da festa esse ano, o tal fim do mundo que se aproxima. A quantidade de bandidos e delinquentes que se aproveita desta ocasião para praticar crimes é absurda. Alugar uma casa em Caldas Novas durante o fim de semana do Caldas Country é praticamente pedir pra ser assaltado.

Mas e o evento em si? Ora, o Caldas Country é realizado numa área mais remota da cidade, próxima ao aeroporto (que só tem vôos às quintas e domingos). A área é toda cercada. O que se tem do lado de dentro dos portões é uma estrutura invejável, preparada durante meses. Ano passado eu cheguei inclusive a fazer uma matéria para os organizadores durante a montagem da estrutura, que acabou não sendo aproveitada na divulgação. Um primor de evento, de longe um dos melhores do Brasil, sem sombra de dúvida. Talvez o melhor, mais bem organizado e com a melhor programação possível, realizado por uma empresa idônea e extremamente respeitada, com sede aqui em Uberlândia. Dos portões para dentro, é isso que acontece. Mas e dos portões para fora?

Em nome daquela que teoricamente representa a principal receita anual da cidade com turismo, as autoridades de Caldas Novas parecem dar de ombros, virar as costas para todas aquelas palavras começadas com “ba” que eu citei acima. Ora, se a receita aumenta, por que o investimento do próprio governo municipal não aumenta pelo menos nessa época? Por que não se busca pelo menos nessa data um fortalecimento da parceria entre o município e o estado, para que pelos seja possível aumentar o policiamento, já que sempre que se fala de segurança pública para as autoridades municipais de qualquer cidade, elas jogam a culpa para o governo do estado, dizendo que a responsabilidade é deles?

É claro que hoje muita gente vai para o Caldas Country justamente por conta dessa balbúrdia. Mas será que os moradores da cidade precisam pagar o preço pelas atitudes grotescas e absurdas de uma cambada de playboys e patricinhas desocupados que enchem o rabo de drogas e álcool e de todos os bandidos que eles atraem consigo? E o evento, tem alguma coisa a ver com isso? NÃO, É ÓBVIO QUE NÃO!!! Seria como culpar as montadoras de veículos por todos os acidentes de trânsito que acontecem no mundo.

Se o evento beneficia tanto a cidade, se a receita trazida por ele é tão importante, é óbvio que a cidade precisa se preparar. Não dá para exigir dos organizadores do evento que invistam na infra-estrutura da cidade, ora essa! Isso é função das autoridades. Se as reclamações e os problemas aumentam ano após ano, não podemos duvidar que em algum tempo alguma atitude mais drástica será tomada. E aí a cidade acabará dando adeus à tão preciosa receita trazida pelo evento. Será que as autoridades estarão dispostas a abrir mão disso? Diante do óbvio fechar de olhos das próprias todo ano durante este fim de semana, creio que não estarão. E se a resposta é negativa, é melhor se preparar melhor para o evento do ano que vem.

14 comentários
  • Pablo Henrique: (responder)
    19 de novembro de 2012 às 08:04

    Tente preparar um copo de 300 ml para receber um litro de água. Sabe o que acontece? Não dá certo. Você não pode preparar uma cidade de 70mil habitante para receber mais do que 100% de habitantes que já possuem…

    O problema é o que você falou, os playboys e patricinhas esquecem que o evento é Caldas Country e pensam que Caldas Novas em si é a própria festa.

    Esquecem da ética e educação que tiveram em casa (se é que tiveram) e tentam ser donos do mundo, durante 3 dias.

    Moro aqui desde que nasci e esta cidade é uma maravilha o ano todo, exceto no caldas Country, em que a cidade vira uma prévia do Inferno.

    A questão será mesmo a cidade? Vemos país à fora eventos ao ar livre que comportam fácil uma grandíssima quantidade de pessoas e nada disto.

    Não vamos tão longe, no Brasil mesmo há diversos shows, com por exemplo 85 mil pessoas (não são 100 mil, mas convenhamos que ainda sim são muitas pessoas) e ainda sim é paz e tranquilidade.

  • André: (responder)
    19 de novembro de 2012 às 20:55

    O que acontece é simples, é o que disse o amigo morador de caldas…Uma cidade de 70 mil habitantes não comporta 100 mil turistas e moradores que da um total de 170mil pessoas…ai a policia despreparada não da conta do recado!
    E outra pode ser q o evento caldas country lota…mais conheço mta gente mas mta gente q vai por causa da festa na rua e não dos shows em si…DAI JA VIU ACONTECE mer**, e sabe o q é pior o nome da festa q eh mto boa por sinal fica manchado prq o q deu de noticia ruim de morte, tiro e putaria nas ruas so afasta ou atrai kkkk mais gente.

  • Michael: (responder)
    19 de novembro de 2012 às 22:58

    O site está protegido por senha, então não deu ler nada…

  • Teco: (responder)
    20 de novembro de 2012 às 10:27

    Uai sô é só fazer igual barretos uai vai lá ver se tem baderna agora !!!

  • Victor235: (responder)
    23 de novembro de 2012 às 00:30

    Por acaso o blog vendeu as imagens? Pra que senha? Manda aí pra nós Marcão.

  • Marijleite: (responder)
    23 de novembro de 2012 às 09:38

    Li no Yahoo um post de um blogueiro muito implicante e chato falando sobre esse evento e fiquei em dúvida se deveria ou não dar credibilidade a ele. Uma pena que a bagunça que vira a cidade manche o nome do Caldas Country e pareça que a culpa é do evento e consequentemente da música sertaneja (como disse o cara do Yahoo). Espero que a cidade se organize melhor ou a festa vai acabar.
    Na minha minúscula cidadezinha também recebemos muita gente durante uma festa religiosa e grande parte vem pela festa de rua e não pela parte religiosa, mas aqui o número de pessoas é bem menor e não temos tantos problemas, acho que por que já estamos acostumado com a festa e cada um tenta fazer o possível para ajudar a cidade.

  • Carlos Gonçalves: (responder)
    3 de dezembro de 2012 às 11:47

    Tem que acabar com esse evento, um lugar familiar se tornou um lugar de prostituição e vandalos, assassinos, biscates e tudo de porcariada. Só atraiu as piores espécies da região.

  • Kenyatta Bronsky: (responder)
    14 de julho de 2013 às 16:24

    I simply want to tell you that I am new to blogs and truly savored this web-site. Most likely I’m likely to bookmark your site . You definitely have great posts. With thanks for revealing your blog.

  • read india tours: (responder)
    20 de julho de 2013 às 09:59

    This is getting a bit more subjective, but I much prefer the Zune Marketplace. The interface is colorful, has more flair, and some cool features like ‘Mixview’ that let you quickly see related albums, songs, or other users related to what you’re listening to. Clicking on one of those will center on that item, and another set of “neighbors” will come into view, allowing you to navigate around exploring by similar artists, songs, or users. Speaking of users, the Zune “Social” is also great fun, letting you find others with shared tastes and becoming friends with them. You then can listen to a playlist created based on an amalgamation of what all your friends are listening to, which is also enjoyable. Those concerned with privacy will be relieved to know you can prevent the public from seeing your personal listening habits if you so choose.

  • refillable leather sketchbook: (responder)
    20 de julho de 2013 às 10:36

    Between me and my husband we’ve owned more MP3 players over the years than I can count, including Sansas, iRivers, iPods (classic & touch), the Ibiza Rhapsody, etc. But, the last few years I’ve settled down to one line of players. Why? Because I was happy to discover how well-designed and fun to use the underappreciated (and widely mocked) Zunes are.

  • organizational development tools: (responder)
    20 de julho de 2013 às 10:48

    If you’re still on the fence: grab your favorite earphones, head down to a Best Buy and ask to plug them into a Zune then an iPod and see which one sounds better to you, and which interface makes you smile more. Then you’ll know which is right for you.

  • Lidiane: (responder)
    5 de março de 2014 às 12:48

    A cidade se transforma em um inferninho, por conta que a segurança pública não existe e diante disso, as pessoas querem fazer tudo e mais um pouco! Mas, se existisse policiamento, tenho certeza que não seria tão bagunçada! Fui no evento em 2011, realmente, uma loucura. Mas, onde estava a polícia? Não vi nenhum nas ruas. No ano em que fui, era muita bebida e farra. Em 2012 é que deve ter sido o pior ano (por causa de cenas de sexo / mortes / etc). A cidade de Caldas vive exclusivamente dos turistas, por isso, os governantes tem que tomarem providencias para segurança de todos. Mas tirando isso, o evento é maravilhooso!

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.