25 jan 2011 | Artigos
Por trás das cortinas – Bambico

A nação brasileira tem muitos mestres como referência. Há uma infinidade de nomes reverenciados por trabalhos que de alguma forma influenciam a vida das pessoas e deixam contornos eternos. Citando alguns temos Pelé, o cantor Roberto Carlos, Airton Senna, Tião Carreiro, dessas anacondas lendárias, muitos ainda vivos, os quais ninguém ousa contrariar seus “botes” de genialidade. Contudo, há ainda verdadeiros mitos que ninguém jamais ouviu falar, ou pouco se sabe.

O violeiro Bambico é um desses mitos, cheio de fatos e incertezas, fundamentais para o curso percorrido pelo trem da música sertaneja. Há um ou outro que já ouviu falar nas façanhas deste violeiro, mas garanto que são poucos. O caso é que realmente muito pouco se sabe sobre este moço.

Domingos Miguel dos Santos era paulista de Taciba. Há quem afirme que ele era natural de Umuarama no Paraná, mas recentes estudos mostraram que ele era mesmo do Estado de São Paulo. Formou dupla com João Mulato (sob pseudônimo de Douradinho), com Bambuê e teve importância fundamental na formação e propagação do ritmo “pagode” de viola. ““Douradinho” é meu nome de dupla com meu parceiro e “Bambico” é meu nome como solista de viola”, explicou o danado no vídeo abaixo.

De acordo com amigos como o Tião do Carro e outras personalidades que tiveram oportunidade de conviver com o tal violeiro, Bambico era uma figura querida. Firmou-se como músico de estúdio e facilmente se encontram discos instrumentais dele, tendo como grande estrela a viola caipira, como o “Brincando com a Viola”.

Bambico, no entanto, é parte fundamental de clássicos que todos conhecem bem. É dele, juntamente com João Mulato, a interpretação original da moda Meu Reino Encantado, entre outras. Mas não é a carreira como cantor que o coloca no hall das grandes estrelas: é o trabalho como violeiro mesmo.

Algo que ninguém imagina é que muitos dos famosos solos dos pagodes de Tião Carreiro foram criados por Bambico. As gravações também só aconteciam quando ele chegava. Ninguém imagina o velho e genial Tião dividindo as tarefas, mas é fato: Bambico era quem gravava e por vezes criava o solo das modas. Além de Tião Carreiro, Jacó e Jacózinho se valeram da habilidade de Bambico em suas gravações por diversas vezes, entre tantos outros artistas os quais ninguém imagina.

Aí eu pergunto: quantos mais não estão escondidos por trás das cortinas da música e ninguém faz idéia da importância que cada um deles tem no fim das contas? Para quem não viu ou quiser entender melhor do que é formada uma música muito além dos sons captados pelo seu aparelho auditivo, clique AQUI e leia.

18 comentários
  • Geraldo José Braga: (responder)
    19 de março de 2012 às 15:27

    O Bambico ou “Mestre Bambico”, realmente é uma pérola de nossa música “de raiz”. Espero de que daquí para o futuro, e que não seja tão distante, apareça outro Bambico, pois talentos como esse são muito raros.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.