03 fev 2011 | Reviews
REVIEW: Paula Fernandes – Ao Vivo

Primeiro review do ano. Mudaremos o nome da sessão porque eu não aguento mais o povo perguntando o que significa I.U.O. E a partir de agora, peço encarecidamente que esqueçam os reviews dos anos anteriores e baseiem-se apenas nos reviews desse ano de 2011 quando forem comparar as notas uns dos outros, já que muitos de vocês nem lêem o texto e já vão direto nas notas mesmo. E nada de pegar um artista não consagrado que por acaso ganhou uma boa nota para usarem como argumento para reclamar de uma nota ruim dada a alguém mais famoso apenas porque é mais famoso, como fizeram ano passado com um ou dois artistas que tiveram reviews postados aqui. E aviso: serei um pouco mais enérgico. Em 2010 fui mais tolerante nas postagens. Em 2011, vou agir diferente. Afinal há certas coisas que precisam ser ditas de vez em quando. E se o Blognejo é hoje o ÚNICO local da Internet onde estas coisas são ditas, que isso seja feito da forma correta. Se quiserem usar uma nota ruim recebida como desculpa para um tratamento inadequado num evento ou para a indiferença com relação à distribuição de informações, infelizmente não poderemos fazer nada. Essa é a linha que escolhemos desde que surgimos e esperamos sinceramente que a respeitem.

Quando a Paula Fernandes disse que pretendia gravar um DVD, a minha primeira sensação foi de apreensão. Afinal eu enxergava nela duas cantoras distintas: a do CD, com um trabalho absoluto, maravilhoso, enebriante, e a do show, com um trabalho de mercado, preocupado com agradar um público que nem sempre tinha a ver com o trabalho que ela fazia. Isso mesmo. O Show da Paula Fernandes sempre foi uma coisa completamente diferente do disco. Não que fosse ruim e tal, mas eu, que entrava em transe toda vez que botava o disco “Pássaro de Fogo” pra tocar e a voz dela começava a balbuciar aquela frase hipnotizante “vai se entregar pra mim”, não sentia a mesma coisa quando via o show dela. E vi umas duas ou três vezes já. É que, como eu disse, tratava-se de um show extremamente preocupado em agradar o público que pagou o ingresso da festa e pouco fiel ao disco. E a proposta de um DVD, na teoria, é sempre registrar em vídeo a performance de um artista num show ao vivo. Daí o meu medo: o de trazerem à tona a Paula Fernandes do show e esconderem a Paula Fernandes do CD.

Relatos de algumas pessoas que estiveram presentes à gravação do DVD, no entanto, davam conta de que o meu medo havia sido infundado. Algumas pessoas reclamaram do quanto a gravação foi chata, hehe, o que pra mim era um sinal de que haviam levado o DVD mais para o lado do CD do que para o do show. É que a Paula Fernandes faz parte de um pequeno grupo de artistas cujos álbuns precisam ser escutados com um pouco mais de preparação. Não dá pra ouvir esperando um mega hit comercial, mas sem dúvida é uma experiência diferente do que se escutar um disco sertanejo comercial comum. A voz, e que voz, é acachapante. As músicas são extremamente inteligentes. E as harmonias e arranjos das músicas são sempre melhor elaboradas que nas produções comuns do mercado. Ou seja, um disco da Paula Fernandes não costuma ser um disco normal. É requintado, inteligente. O que, convenhamos, afasta as pessoas de gosto mais popularesco.

O DVD seguiu a linha coerente: a de manter o bom gosto e não apelar para o exagero comercial. É necessário reconhecer que a Paula Fernandes é provavelmente a única artista feminina completa da música sertaneja. É de fato a mais bela voz do segmento, incluídas aqui inclusive as vozes masculinas. Como canta!!! É admirável. Sem exageros, com interpretação sempre absoluta. Tem quase o efeito de um “Boa Noite Cinderela”, isto é, faz com que a gente nem lembre direito do que aconteceu depois. Compõe absurdamente bem e ainda prioriza as próprias músicas em seus trabalhos. É uma instrumentista muito perspicaz, mesmo sendo canhota. Não faz solos nem nada, mas dedilha o violão como poucos. E de quebra ainda é linda, por mais que a mulherada (com dores agudas de cotovelo) reclame de seus figurinos ditos extravagantes.

Com um repertório pouco baseado no do disco “Pássaro de Fogo” (na verdade são só 6 ou 7 músicas deste disco, e mais uma nos extras), o DVD traz novas e maravilhosas composições da cantora, com destaque para as incríveis “Navegar em Mim”, “Sensações” (maravilhooooooosa), e uma parceria dela com o Zezé di Camargo intitulada “Pra Você”, que uniu o requinte da Paula com a pegada popularesca e metafórica das músicas compostas pelo Zezé. Entre as poucas regravações, algumas que ela já faz nos shows (“Amargurado”, “Apaixonado Por Você”, sucesso com Gino & Geno, “Tarde Demais”, do Chrystian e “Ainda ontem chorei de saudade”, do Moacyr Franco) e outras clássicas como “Tocando em frente” e “Índia” (as duas cantadas com a participação do Leonardo), além de  “Costumes” (do Roberto Carlos).

Com a participação do Maestro que produziu o disco “Pássaro de Fogo” no violino, o Marcus Vianna (aquele das novelas da Globo), ela gravou novamente a música “Quando a Chuva Passar”, que tinha sido incluída numa edição especial do último disco depois de ter entrado na abertura da novela “Escrito nas Estrelas”. E resgatou também de um de seus discos anteriores a música “Não Precisa”, composta pelo Victor Chaves, e que contou com a participação do próprio e do irmão Leo, claro. A participação do Almir Sater ficou apenas nos extras do disco, num clipe da música “Jeito de Mato”. Ela ainda resgatou outra canção de seus trabalhos anteriores: “Seio de Minas”, em homenagem ao estado em que nasceu.

A influência country no trabalho da Paula Fernandes também é sempre bastante evidente. A utilização do pedal steel acentua ainda mais essa influência. E a semelhança dela com a Shania Twain é de fato incrível. Tanto que ela regravou “Man, I Feel like a woman”, que ela já faz nos shows, para este DVD (nos extras). Uma das vantagens de se fazer um DVD ao vivo no caso da Paula é que a voz dela está mais natural que nos CDs. Não entendo porque, mas no disco “Pássaro de Fogo”, por exemplo, duplicaram a voz dela em diversas músicas (como se houvessem outras pessoas cantando ao mesmo tempo), o que quase tirava o brilho de sua interpretação. Neste DVD, esta tática foi pouquíssimo usada, ou seja, a voz dela ficou ainda mais marcante.

Para o cenário e iluminação, quiseram remeter a uma paisagem mais bucólica e incluíram até uma árvore cenográfica. Mas em contrapartida aproveitaram muito pouco o fundo do palco, se preocupando apenas com mudar as cores em cada canção, mas sem a utilização de uma cortina temática, ou de algo que complementasse a árvore, como algo que remetesse a estrelas ou mais ainda ao campo. Por conta disso, o cenário parece incompleto.

O trabalho da Paula Fernandes é um dos mais originais e incríveis da atual música sertaneja. O problema é que ela parece ter caído na armadilha da fácil divulgação. Inventaram um boato de que ela estaria namorando com o Rei Roberto Carlos e ela instantaneamente foi rotulada como “a musa do rei”. Ontem mesmo eu li um texto no portal Terra que, apesar de ser um dos primeiros textos de um carioca sobre música sertaneja que não são cobertos do natural preconceito com o segmento sertanejo, a exalta apenas por esse novo rótulo. Justo ela que em uma recente entrevista disse que preferia não ser rotulada nem como “cantora sertaneja”, agora acabou sendo rotulada como a “namorada do Roberto Carlos”. Deu até entrevista no Fantástico apenas para comentar esse boato. Quem conhece e admira o trabalho dela sabe muito bem que ela merece muito mais que apenas o rótulo de “namoradinha do Roberto”. Ela tem mais é que passar longe desse tipo de fofoquinha e se preocupar em divulgar o maravilhoso trabalho que ela sempre executa. Afinal de contas, o que fica para a longevidade é o bom trabalho de um artista e não as fofoquinhas. E o trabalho da Paula Fernandes tem grandes chances de entrar para a posteridade num lugar de destaque.

Nota: 9,5

35 comentários
  • Freddie Ideue: (responder)
    14 de julho de 2013 às 16:40

    I just want to say I’m new to blogging and seriously savored this page. Likely I’m likely to bookmark your blog post . You actually come with fantastic articles. Cheers for sharing your web page.

  • Cliff Natsis: (responder)
    17 de julho de 2013 às 07:08

    This is getting a bit more subjective, but I much prefer the Zune Marketplace. The interface is colorful, has more flair, and some cool features like ‘Mixview’ that let you quickly see related albums, songs, or other users related to what you’re listening to. Clicking on one of those will center on that item, and another set of “neighbors” will come into view, allowing you to navigate around exploring by similar artists, songs, or users. Speaking of users, the Zune “Social” is also great fun, letting you find others with shared tastes and becoming friends with them. You then can listen to a playlist created based on an amalgamation of what all your friends are listening to, which is also enjoyable. Those concerned with privacy will be relieved to know you can prevent the public from seeing your personal listening habits if you so choose.

  • visit your url: (responder)
    18 de julho de 2013 às 01:32

    Some truly great information, Gladiolus I discovered this.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.