01 fev 2012 | Notícias
Sertanejo Internacional: Utopia ou Possibilidade Concreta?

Virou um frenesi. A música “Ai e eu te pego” explodiu mundialmente e agora não apenas o Michel Teló como vários outros artistas tentam aproveitar o súbito interesse internacional na música sertaneja brasileira. Mas será que isso não é sonhar alto demais? Será que os sertanejos não estão começando a “pular o corguinho”? Ou realmente o destino mais provável da música sertaneja é a absoluta consagração internacional?

O estouro internacional de um artista podia se dar pelo caminho fácil ou pelo difícil. Qual o caminho fácil? Falar e cantar em inglês. Artistas americanos ou ingleses sempre tiveram uma facilidade maior de encontrar o caminho do sucesso internacional. O estouro internacional é quase instantâneo.

O caminho difícil é a via crúcis do sucesso degrau por degrau, isto é, primeiro no país de origem, depois nos países de mesmo idioma ou com cultura semelhante e, depois, uma preparação minuciosa do artista para entrar de cabeça no mercado americano. Esse caminho foi percorrido por diversos artistas latinos. Shakira, Ricky Martin e outros fizeram sucesso em seus países e na América Latina, inclusive no Brasil, para depois se arriscarem numa empreitada pelo mercado dos Estados Unidos, que é de fato o que define o real sucesso internacional.

Interessante, também, imaginar que geralmente isso se dá com artistas que cantam em espanhol, que hoje é segundo idioma mais falado nos Estados Unidos por conta dos imigrantes. O que reforça a tese de que o sucesso internacional só pode ser “carimbado” de forma definitiva depois que os americanos aceitam o artista postulante a esse sucesso. Os americanos infelizmente ainda mandam no que é consumido pelo resto do mundo, culturalmente falando. Achar que é possível conquistar uma sólida carreira internacional sem o apoio dos americanos é uma ilusão.

Fora que os americanos são preconceituosos, ignorantes e alienados, muuuuuito mais que os brasileiros. Para eles, falar inglês é obrigação para qualquer pessoa de origem estrangeira. Qualquer um que não o faça é ridicularizado, humilhado. Eles não se interessam pela cultura dos outros países, mas não aceitam que as pessoas de outros países não se interessem pela deles.

Os sertanejos enfrentam antes de mais nada esse problema. Cantam em português e mal sabem falar o inglês que aprenderam no primário, exceto por algumas raras exceções. A música “Ai Se eu te pego” não explodiu por causa da letra em português, mas sim por conta da linguagem universal que ela proferia: a da dança. A coreografia da música é que foi o ponto de partida para esta corrida pelo ouro travada por uma série de artistas. O Michel sabiamente está colhendo os louros (o louro colhendo os louros, ba dum tssss) do sucesso que a coreografia da música proporcionou a ela ao redor do globo. Mas o que vem a seguir ainda é uma incógnita.

Outro problema é o intenso regionalismo do trabalho dos sertanejos. As características são muito peculiares, pensadas para determinado tipo de público, com determinados tipos de instrumentos, o que afasta o interesse de pessoas de outras culturas. Alguém se lembra de algum artista que ficou mundialmente conhecido e conseguiu manter esse sucesso com músicas gravadas com sanfona e coisas do tipo? Para se dar bem lá fora, seria necessário uma completa adaptação, com o consequente abandono das principais características sertanejas. Será que os artistas do segmento estão preparados pra isso? Arriscar perder toda a credibilidade junto ao seu já firmado público brasileiro para tentar um sucesso internacional que historicamente é tão possível de se conquistar quanto uma visita à lua?

Outro problema: a velocidade das informações hoje em dia. Se no Brasil as coisas já acontecem com uma velocidade absurda, se as pessoas aqui já se interessam por uma coisa na mesma velocidade com que se desinteressam meses, semanas ou até dias depois, imagina na Europa e, principalmente, nos EUA. O Michel demorou a se movimentar no intuito de aproveitar o sucesso na Europa. Mas ainda deu tempo. Tem participado de diversos programas de TV na Europa e sua agenda de shows já conta com apresentações marcadas em lugares fora do batido eixo percorrido pelos brasileiros, onde se toca quase que apenas para os brasileiros que moram por lá.

Mas e depois, como é que vai ser? “Oh, If I catch you” já começou a ser apresentada para o mercado americano, inclusive em veículos tradicionais como o portal Windows Media Guide. Mas ao contrário do que aconteceu com artistas como a Shakira e o Ricky Martin, citados mais acima, o Michel sequer teve tempo de passar por um período de preparo para enfrentar o ultra concorrido mercado dos Estados Unidos, assim como qualquer outro artista sertanejo que vislumbra esse público. Na verdade, talvez o Alexandre Pires tenha sido o único artista brasileiro a seguir a cartilha corretamente, mas ele interrompeu o processo para voltar ao Brasil, então…

Ironicamente, os próprios americanos sabem de todos os problemas que impedem os brasileiros que se consagrarem no exterior. A reportagem recente da Forbes a respeito do Michel e que ainda mencionava a Paula Fernandes explicou muito bem o quão difícil tudo isso é para um brasileiro. O que é mais estranho, no entanto, é que os próprios sertanejos não parecem estar se dando conta dessas dificuldades.

Falando de forma mais clara, os sertanejos parecem estar um pouco deslumbrados com a possibilidade de se consagrarem no exterior. Tudo bem querer aproveitar o bom momento e o interesse dos estrangeiros pelo estilo de música cantado pelo rapaz da dancinha do “Ai se eu te pego”. No exemplo mais recente desse deslumbramento, o Luan Santana disse no programa da Eliana que “não queria saber de fazer shows para brasileiros em boates pequenas”, o que já causou a revolta dos brasileiros que moram por lá. Vejam só:

O problema é que essa ainda é a realidade dos artistas sertanejos no exterior. Não é porque o Michel está se dando bem com uma música que funcionou muito mais por causa da dança do que da própria música que os artistas sertanejos vão explodir fora do Brasil. É necessário todo um planejamento, uma preparação, cartilha essa que parece estar sendo mais corretamente seguida no momento pela Paula Fernandes, que já gravou uma música com o Michael Bolton e outra com a Taylor Swift. E ainda vai gravar uma participação no DVD Acústico MTV do Juanes. Dentre os artistas sertanejos que estão visando o mercado internacional, a Paula Fernandes é a única com músicas em inglês no curriculum. Já gravou um disco inteiro em inglês, inclusive. Ela, aliás, canta bem em inglês, o que é crucial. Qualquer derrapadinha no sotaque, seja cantando ou falando, já é mal vista pelos americanos.

Com a copa e as Olimpíadas se aproximando, é provável que haja cada vez mais interesse estrangeiro no Brasil. Os sertanejos podem inclusive se beneficiar com isso. Talvez até lá ainda dê tempo de se preparar, de pavimentar de forma mais sólida o caminho da consagração no exterior. Estourar fora do Brasil já é dificílimo. Manter o sucesso lá fora, então, mais difícil ainda, pra não dizer impossível. E a base deve ser bem mais sólida. Por maior que a música “Ai se eu te pego” tenha se tornado, ela não pode sozinha segurar toda essa gente que quer porque quer estourar lá fora. E se o mercado sertanejo brasileiro já é multimilionário, imagina só o mercado da música internacional. Por mais gastões que os sertanejos da atualidade sejam, será que estão financeiramente preparados para essa empreitada?

Em tempo: parece que cancelaram a turnê que o Luan faria nos EUA essa semana. Por aí já se vê como andam as coisas…

33 comentários
  • Carlos: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 04:35

    Sinceramente a música Sertaneja só terá chances se encorporar cada vez mais elementos da música americana, ou POP como Luan Santana ou country como Fernando e Sorocaba. Pra mim, sou mil vezes mais os elementos country que tem muito mais à ver com a música Sertaneja. Pra mim quem realmente tem um repertório que poderia ser apresentado nos EUA é o Fernando e Sorocaba, eles sim possuem uma música que mesmo sendo em outro idioma poderia ser reconhecida nos EUA. Mas mesmo assim é difícil, já que temos muitas bandas de Rock no Brasil e a única que tem bastante sucesso é o Sepultura. Mesmo o Alexandre Pires não conseguiu o tipo de projeção de um POP-Star internacional, ele fez uma longa turne por vários países latinos na europa e na américa principalmente em Porto Rico. Porto Rico é um lugar importante por ser um país que na verdade é um estado dos Estados Unidos. É um país de lingua hispânica mas território americano. Acho que ele fez o certo em buscar parcerias por ali, mas mesmo assim ele não conseguiu invadir o mercado latino nos EUA, por um motivo muito simples: o Samba não dialoga com música de outros paíeses, diferente do Sertanejo. Lembrando que a Paula cantou com um porto-riquenho (muito famoso nos EUA parceiro do cubano PItbull ao qual o Teló fará parceria) no Grammy Latino, o nome dele é Romeu. Inclusive o vídeo dela cantando com o Romeu tem grande audiencia do público hispânico. Concordo com você em vários pontos, e algumas coisa eu disse por aqui e em outros lugares. Principalmente sobre o interesse estrangeiro sobre o Brasil por vários fatores, e não somente pela copa e olimpíada, mas também pelo protagonismo economico do Brasil. E aí a música Sertaneja tem um grande marketing: a música sertaneja é a expressão cultura da região que mais produz no Brasil. É a região do agronegócio, da soja, do café, do suco de laranja. É a música da região que quer locomover o mundo com combustível mais ecológico e renovável: o Etanol. E uma coisa que o mundo não sabe: a música Sertaneja è à mais de 20 anos a música mais popular do Brasil, e eles pensam que é o Samba, por conta é claro da Rede Globo que é quem escreve a história desse país à mais de 60 anos. A música Sertaneja precisa se agarrar à esses temas: agronegócio, etanol, country americano. Precisamos também de uma união entre os Sertanejos. Que tal os grandes escritórios se unirem para fazer um grande documentário sobre música Sertaneja para ser trasnmitido nos EUA? É dos EUA que a música se espalha pelo Mundo. Sem dúvida os EUA são o país mais nacionalista que existe, mas tenho certeza que a comunidade estrangeira que os americanos mais gostam são a brasileira, por um motivo: a comunidade brasileira não se isola, pelo contrário ela se integra aos costumes e à cultura americana. Hoje está na moda nos EUA ter uma namorada ou namorado brasileiro. Está mesmo. Tenho amigos nos EUA e logo poderei estar indo pra lá por uns tempos. Olha o exemplo da Shakira, a música dela era totalmente caribenha e andina. Gostava mais dela na fase inicial da carreira, mas ela só conseguiu projeção quando se tornou mais POP. Ela já era POP mas só quando acrescentou elementos de música eletronica na música é que ela atingiu o grande público. Sem falar que a participação fenomenal dela na abertura da Copa da África foi crucial para uma dominação ainda mais forte com aquela performance sensacional de dança. Mais uma vez digo que Fernado e Sorocaba estão na frente, pois são de longe os que mais entretem o público em seus shows, são mais do que música, são espetáculo. Coisa que a Paula Fernandes prece estar caminhando também(aliaz foi ridícula a crítica que o R7 fez à ela, mas acho que é porque eles estão tentando forçar a banda Rebeldes dentro o circuito sertanejo abrindo espaços entre os artistas que competem com a banda, que são Gustavo Lima e Luan Santana, e o atual show da Paula que reclamaram o ano inteiro que era parado parece estar mudando para uma dinâmica muito mais acelerada, um country muito gostoso, principalmente nas músicas dela que já eram mais POP). Sobre um comentário de uma outra jovem sobre o que parece ser uma má vontade da imprensa com a Paula, eu repondo pra ela que ela tem razão e que o motivo disso é uma coisa que aoncteceu com a Paula Fernandes na rádio trasamérica de São Paulo. Não vou dizer o que foi, só vou dizer que fizeram uma proposta para ela(que tinha 5 meses de projeção nacional) que à colocaria de antagonista de Luan Santana e Ivete Sangalo. Muito boa a proposta não é mesmo? A menina começando a ganhar seu espaço e querem colocá-la contra uma cantora com 18 anos de consagração e um cantor com mais de 1000 fã-clubs no Brasil. Foi muito boazinha a rádio transamérica de São Paulo, que até onde sei nem toca música Sertaneja. Depois disso coisas começaram a acontecer com a Paula. Querem pregar a peça de antipática nela. Eu poderia citar um outro grade risco que a Paula está correndo que é o Político, mas esse eu nem dou idéia. Esse é muito perigoso mesmo. A Paula é muito importante para a música Sertaneja e cape aos Sertanejos defende-la. Ela está muito esposta. Mesmo os que não gostam da música dela deveriam defende-la ela é importantíssima pra música Sertaeja. Bom, finalizando é o que penso, a música Sertaneja tem que incorporar elementos do Country ou do POP para ganhar espaço no exterior. Mas se for, não podem deixar as costas desguarnecida, ou tentarem introduzir sambistas no roteiro sertanejo como o Sorocaba está fazendo. Esse é um grande desserviço para a música Sertaneja que só prosperou por ter enfrentado tantas barreiras, entre elas o preconceito. Viva a música Sertaneja!!!!!

    • Leon: (responder)
      1 de fevereiro de 2012 às 12:15

      Eu ia responder, mas o companheiro aí mandou super bem.

      • Anônimo: (responder)
        1 de fevereiro de 2012 às 15:38

        cara concordo plenamente acho que os unicos que tem assim uns arranjos meio americando é fernando e sorocaba que tem muito a Steel Guitar arranjinhos de country , pop mais falar que dá para sair daqui e ir lá é outra coisa , mais mesmo assim acho que Fernando e Sorocaba ainda podem conseguir alguma coisinha por lá com as jogadas do Sorocaba

        • Lucas: (responder)
          1 de fevereiro de 2012 às 16:06

          acho que o sertanejo invadiu o Brasil
          por que o Brasil é carente do Pop
          sim que eu me lembre nunca teve Cantores de POP forte dentre o páis teve Rock,Samba e etc mais dizer que tinha um POP music dentro do Brasil não teve e o sertanejo foi invadindo esse espaço do Pop de pouquinho e o que ajudou um pouco foi os antepassados por ex meus pais sempre escutarão sertanejo mais eu não por que era brega depois que começarão a popuralizar colocar letrás mais Pop e composicões com Gírias tipo Paga Pau Viradas de Baterias aceleradas , Guitarras , violão aço , até Sanfona teclado enfim
          essa mistura deixou o sertanejo um Popnejo ou nosso POP Brasileiro uma coisa diferente assim como os nossos gosto musical sempre foi diferente do restante do mundo , mais por que não pensar em algo internacional já que o Brasil tem crescido tanto economicamente para nois é legal mais para EUA diferente mais como diz o Sorocaba Luan Santana era um projeto muito diferente , tudo que é diferente pode vim para estourar ou para não fazer nada por que não podemos pensar assim tambem do sertanejo a nivel nacional é diferente mais pode dar certo por que vai ser uma coisa nova pro mundo e que é novo pode vim para somar tipo ja pensou um Tô Passando mal em inglês ilário mais quem sabe poderia da certo contry ou pop como querem dizer no exeterior mais com um jeito Brasileiro mais ainda sou da sua opinião Carlos F&S são os mais preparados Férias em Salvador , 6 de Janeiro de 2003 roupagens ótimas Fernando e Sorocaba estão em Las Végas quem sabe sai alguma coisa dessa viajem deles ao EUA

        • diogo: (responder)
          1 de fevereiro de 2012 às 16:29

          Sorocaba tem q nascer de novo pra isso…

          O cara q escreve “meteoro da paixão” achar
          que lá as merda vinga…ta muito louco

    • Victor235: (responder)
      2 de fevereiro de 2012 às 02:03

      Marcão, chama esse Carlos pra sessão de textos dos leitores

  • Fábio Roque: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 09:24

    Éh, esse lance de sertanejo lá fora é perigoso.
    Acho que o que não pode acontecer, é todo mundo ficar pensando no mercado externo e deixar o brasileiro de lado.
    Isso pode, apesar do sertanejo estar vivendo uma boa fase em matéria de popularidade, enfraquecer o seguimento.
    O que resta é desejar aos que tem melhores chances como a Paula Fernandes e o Michel boa sorte.

  • Leonardo - Bill Moura e Leonardo: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 10:20

    O SERTANEJO VAI DOMINAR O MUNDOOOOOOOOO…… QUE VENHA A GRINGAIADAAAAAAAAAAA….

  • leandro: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 11:03

    num tem um review pra nois nao???
    sei la…pode ser ate de universitario ,da nada nao…

  • Thiago Elias: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 11:24

    Acho que o sertanejo tem mercado lá fora sim! Porém um sertanejo diferente do que nós aqui queremos pra nós, brasileiros. Somos acostumados ao sertanejo de conteúdo mais apurado, mais romântico, e porque não dizer, mais convencional !!

    E na minha opinião, o sertanejo que tem espaço lá fora (se é que vai ter depois dessa febre) é um sertanejo mais dançante, com um apelo maior para a musicalidade da canção. Vejam que até a Paula, no duetto com a Taylor, fez algo nos padrões da Taylor, e não da Paula. Claro que todos dirão que se trata de uma participação da Paula Fernandes na música da Taylor Swift. Sim, concordo. Mas acho que, se a Paula pudesse fazer, faria algo mais no padrão dela e não seguiria a tendência “americanizada” da coisa. Lá é Country. Aqui é sertanejo. Apesar das referências, e tudo o mais, são duas coisas diferentes. Pode ser que o Country seja para o Americano como o Sertanejo é para o Brasileiro. Porém são duas coisas distintas.

    Concordo com a opinião acima sobre o Fernando e Sorocaba. Porém, até para eles, o repertório teria que ser mais puxado ainda do que já é. E mesmo assim, algumas canções não tocariam.

    Vejam o Teló, por exemplo. O que pegou lá foi a musicalidade da “Ai se eu te pego”. Músicas como “Só você e eu”, excelente música do DVD na Balada, ou “Coincidência”, por exemplo, dificilmente terão vida por lá. A menos que o guri seja realmente um novo fenômeno interplanetário. Não é impossível que se transforme nisso. Porém ainda não é a realidade.

    Abraço Marcóvisk.

  • SILVIO: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 11:55

    pode ser q eu esteja errado mais eu acho que é utopia total..escreve ae…

  • Daniel Assis: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 12:16

    Tbm axo que apesar do Michel Teló ter explodido lá fora quem está afzendo uma carreira mai solida internacionalmente é a Paula Fernandes!

    Dificilmente o Michel conseguirá emplacar uma musica ao nivel de Ai Se Eu Te Pego coisa que a Paula tem condições!

  • Edinho: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 12:17

    As duplas sertanejas encontram dificuldades mesmo nas regionalidades brasileiras, quanto mais fora de nossas divisas. Quantas duplas sertanejas que nao conseguem destaque senão em alguns estados ou regiões brasileiras?
    Estive pela europa no ano passado e nao ouvi tocar sertanejo em nenhuma oportunidade.
    Tudo bem que foi antes da explosão “ai se eu te pego”, mas penso que assim como ocorre com o paladar, comparativamente, a preferencia musical de alguns países nao serão modificados facilmente. CULTURAS consolidadas, patriotismos, preconceitos…
    Uma comparação, talvez nao muito apropriada, ainda tomando o paladar como exemplo: o fato de um europeu gostar de ter experimentado uma feijoada carioca, nao quer dizer que ele vai querer feijoada sempre.
    Acredito que só o tempo poderá confirmar se o “sertanejo internacional” se consolidara. Tomara que sim!

    • Thiago Elias: (responder)
      1 de fevereiro de 2012 às 13:56

      Sou teu fã. Mandou bem demais.

  • Sergio de Marco: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 13:23

    Roberto Carlos tentou, foi ridicularizado pelos americanos que o consideraram mais um clone mal nutrido de Elvis.

    Sergio Mendes tem uma carreira construída nos EUA.

    Voltando aos nossos aspirantes a Pop Star:

    Chitãozinho & Xororó estourados no Brasil tiveram que mudar o nome para adaptar-se ao mercado…não conseguiram.

    Quem não lembra do estouro de ” Pense Em Mim “, com Leandro & Leonardo? Ia fazer sucesso nos EUA também, certo? Errado!

    Mais uma vez, fracasso!

    E o que dizer da dupla que representa o que há de melhor em termos de arranjos, melodias e afinação vocal nos últimos 10, 20, 30 anos,e que tem linguagem universal, Victor & Léo?
    A sua ” Butterfly ” , ou ” Mariposas ” em Espanhol, versão para
    a grande explosão em nível nacional ” Borboletas ” passou batido.

    Já debatido a exaustão aqui mesmo, ” Ah, Se Eu Te Pego ” caiu nas graças dos europeus devido a ligação com o futebol( Ver Copa do Mundo 2014 ), mais
    precisamente, pelo santista Neymar, que usava a coreografia em suas comemorações de gol, já que o Real Madrid e outros clubes estavam interessados em contratá-lo, as suas jogadas ficaram mais evidentes e logo foi imitado pelo Cristiano Ronaldo e zzzzzzzzz…deu sono.

    Paula Fernandes?

    O que resta? Brazilian Day e pequenos clubes e boates somente com brasileiros saudosos de arranjos tupiniquins e alguns chicanos e norte-americanos curiosos.

    • Leo: (responder)
      1 de fevereiro de 2012 às 21:00

      Só uma correção! Victor e Leo fizeram muito sucesso lá fora cantando em castelhano com o álbum “Nada es Normal”.

      Ao contrário de muitos artistas, eles não quiseram dar continuidade por achar desgastante demais, preferem só cantar no Brasil, e alguns shows no exterior para brasileiros.

      Lembro na época a imprensa brasileira não deu muita importância, pois naquela época ainda tinham uma certa resistência da imprensa sertaneja. Até hoje dupla recebe convites de cantar lá fora. Hoje não aceitariam, mas disseram que há uma possibilidade no futuro.

  • Thiago: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 14:57

    Em terra de Michael Jackson, Celine Dion, Extreme, Shania, Elvis… Querem entrar com ai seu eu te pego?! Ah faça me o favo neh…

  • diogo: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 16:34

    Nossa musica sertaneja é foda…

    Mas essa geração ai nun tem condições não…
    Lá fora os artistas são fodas, todos são musicos,
    aqui não, o cara nasce e fala quer ser cantor,
    chega o empresario e banca tudo e pronto, explode…

    Aqui o moleque cada meteoro da paixão e ja se acha
    o DEUS, pera ai né…se organiza.

    Como o thiago ai em cima falou, em terra de michael jackson,
    elvis, alan jackson e garth brooks, john mayer e etc…

    O cara quer ter carreira lá ??? O cara ter sucesso no brasil
    ja é um abuso…ahahahah

  • tata: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 19:35

    Acho que nenhum brasileiro ira fazer sucesso verdadeiramente la fora , sonho e sonho todo mundo tem direito
    Michel telo não esta tendo destaque por seu trabalho apenas sua misica so que ele esta tentando fixar sua imagem la fora , daqui a dois meses as pessoas vão ate dançar sua musica mas não vão lembrar mais quem e que canta.
    A Paula fernandes so esta sendo estas participações por interferencia de sua gravadora fora isso ela não teria toda essa moral com esses artistas, fora que ela tem que ser mais original antes imitava a Shania agora esta imitando a taylor
    foi ridicula a apresentação dela no festival de verao cantando a musica do clip, parecia a cover da taylor

  • Lauro: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 21:33

    Marcao, acompanho seu blog ha algum tempo e sempre gostei muito, mas sinto falta de uma coisa: seus videos no youtube. Desistiu do projeto? Eram bons demais

    • Fábio Roque: (responder)
      2 de fevereiro de 2012 às 06:32

      Tá faltando também aquelas entrevistas bem cheias de conteúdo.

  • Leo: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 21:34

    Marcão fui fazer uma busca no youtube, apareceu você no topo da lista rsrs….

    http://www.youtube.com/watch?v=dKcwifKSiKk

  • Victor Mello: (responder)
    1 de fevereiro de 2012 às 22:30

    Luan ta certo…Tem que pensar grande msm!!!

    E msm assim acho que ele ja devia partir logo pra musica internacional…Ele tem 20 anos e ja fez td que tinha pra fazer no Brasil…jaja ele ta entrando em depressao aki!

  • Jão: (responder)
    2 de fevereiro de 2012 às 01:17

    utopia

  • lucas: (responder)
    2 de fevereiro de 2012 às 11:33

    cara todo mundo falando que o sertanejo não ia virar no que virou hoje dentro do Brasil e aconteceu , claro não se compara Brasil com EUA mais quando é para ser acontece as barreiras se abrem é divino , acho que a Dupla hoje com mais roupagem Americana é Fernando e Sorocaba , eles pretendem gravar algo em Inglês quem sabe né não custar o sertanejos tentarem
    geralmente quando as barreiras são grandes o susseco vem maior

    • Thiago: (responder)
      3 de fevereiro de 2012 às 02:39

      Os gringos dao risadas das nossas gravaçoes, principalmente country… e o sorocaba tentando falar ingles ainda nem sei fala! hahahaha

  • bruna: (responder)
    31 de março de 2012 às 19:44

    Paula para de imita a taylor ve se se toca

  • Nikia Baray: (responder)
    14 de julho de 2013 às 19:36

    I simply want to say I am just new to blogs and actually savored your blog site. Almost certainly I’m planning to bookmark your site . You certainly have superb articles and reviews. Many thanks for sharing your website page.

  • see here: (responder)
    17 de julho de 2013 às 22:39

    I discovered your blog site on google and check a number of of your early posts. Continue to keep up the very good operate. I simply additional up your RSS feed to my MSN Information Reader. Looking for forward to studying extra from you afterward!…

  • the original source: (responder)
    18 de julho de 2013 às 00:21

    Way cool! Some extremely valid points! I appreciate you penning this post plus the rest of the website is really good.

  • uk seo companies: (responder)
    19 de julho de 2013 às 04:59

    Good article. I definitely love this site. Continue the good work!

  • end of tenancy cleaning london: (responder)
    20 de julho de 2013 às 09:48

    Between me and my husband we’ve owned more MP3 players over the years than I can count, including Sansas, iRivers, iPods (classic & touch), the Ibiza Rhapsody, etc. But, the last few years I’ve settled down to one line of players. Why? Because I was happy to discover how well-designed and fun to use the underappreciated (and widely mocked) Zunes are.

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.