02 out 2008 | Lançamentos
TOP FIVE – CARREIRA INTERNACIONAL
Toda essa história de Victor & Léo em espanhol me deu uma idéia de um Top Five. Os principais artistas sertanejos que lançaram projetos em outros idiomas, sem sucesso.

CHITÃOZINHO & XORORÓ

Eles chegaram a lançar 3 discos em espanhol. O primeiros disco que eles lançaram, aliás, parecia ser o mais promissor, pois era intimamente inspirado na música mexicana tradicional. Neste primeiro disco, eles gravaram inclusive uma versão em espanhol do clássico “É o amor”, do Zezé di Camargo e várias músicas inéditas. Fizeram clipe e tudo. Uma curiosidade: em todos os discos lançados, Chitãozinho & Xororó não usaram o consagrado nome da dupla. Eles tentaram se lançar na América Latina usando o nome de batismo: José & Durval.

ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO

O primeiro disco em espanhol da dupla, com o nome de “Camargo & Luciano”, foi lançado de forma quase simultânea com o vol. III da dupla, que tinha canções como “Saudade Bandida”, “Eu só penso em você”, com Willie Nelson e outras pérolas da música sertaneja. O disco trazia versões em espanhol de canções dos dois primeiros discos da dupla e algumas canções do terceiro, em português mesmo. Era natural que se esperasse um grande êxito, afinal a dupla vinha de dois discos recordistas de vendas. Só que isso não aconteceu, e Zezé di Camargo & Luciano experimentaram pela primeira vez o amargo gosto do fracasso. Ainda bem que isso não os abateu e eles seguiram firmes e fortes no Brasil. Chegaram a lançar mais outro disco em espanhol, em meados de 2002, se não me engano. Este disco trazia versões em espanhol até de músicas inesquecíveis do Roupa Nova, como “Volta pra mim”. Também não vingou.

LEANDRO & LEONARDO

A dupla com maior média de discos vendidos a cada lançamento (25 milhões de discos vendidos em apenas 9 anos de dupla) também não logrou sucesso na carreira internacional. Lançaram dois discos em espanhol, sempre com versões das próprias canções. O país em que eles mais fizeram sucesso fora o Brasil acabou sendo outro, que teoricamente não tem nada a ver com a América Latina: o Japão.


DANIEL

Em 2001, Daniel lançou um CD com versões de grandes sucessos de sua carreira solo e de algumas canções da dupla João Paulo & Daniel, como “Minha Estrela Perdida”. O CD ficou muito bom, diga-se de passagem, mas não alcançou o sucesso esperado.

RALF

Na fase de hiato da dupla Chrystian & Ralf, a separação que não prevaleceu (graças a Deus), cada um lançou um disco solo. O Chrystian lançou um disco com várias canções inéditas tentando permanecer no mercado sertanejo. O Ralf, por sua vez, lançou um projeto inusitado: um disco em italiano, com versões de grandes canções sertanejas, como “Temporal de amor”, “É o amor”, “São tantas coisas”, “De igual pra igual”, “Só lembranças”, “Evidências”, e muitas outras… Ah, eu tenho o CD atutografado, hehehe.

O mais estranho é que os artistas que chegaram a alcançar algum prestígio internacional o conseguiram por acaso. Foi o que aconteceu com Leandro & Leonardo no Japão e Milionário & José Rico na China. Nada planejado, apenas aconteceu.

1 comentário

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.