09 set 2011 | Notícias,Top Five
TOP FIVE – considerações sobre o CAMARU 2011

Como já disse noutro texto recente do Blognejo, aconteceu aqui em Uberlândia entre os dias 27/08 e 07/09 o tradicional CAMARU, a maior feira de agronegócios da região. O propósito do Blognejo era trazer vários textos sobre o evento e suas peculiaridades, mas a nossa ausência da internet entre os dias 31/08 e 06/09 praticamente melou nossos planos. A festa acabou anteontem e eu consequentemente perdi o timing para escrever textos mais aprofundados sobre cada um dos aspectos concernentes à festa. Mas para não passar em branco, resolvi agrupar alguns dos temas que eu utilizaria nos textos que eu escreveria caso o Blognejo estivesse totalmente funcional e postar um TOP FIVE especial apenas sobre o CAMARU e os shows lá realizados. Seguem abaixo, portanto, as devidas considerações.

O POPULARESCO SEMPRE DÁ CERTO

Ano passado o recorde da festa tinha sido com uma apresentação do Eduardo Costa, que aqui em Uberlândia é uma estrela de primeira grandeza. Ele é muito querido pelo público da cidade. Óbvio que seus shows aqui sempre atraem muita gente. O próprio estava fazendo muita questão deste show, afinal ele sabe do carinho do público da cidade por ele. Não por menos, o seu camarim foi o mais disputado, com a maior quantidade de fãs que dividiam-se entre senhores distintos (poucos, na verdade) e moças com roupas coladíssimas ou micro-saias que eram logo depois chamadas por algum membro da equipe para uma conversa reservada que provavelmente renderia outras coisas logo depois do show, hehe. Foi o dia da festa que mais contou com a presença de mulheres nos bastidores. Foi o que eu notei, pelo menos. Para brindar de fato o gosto do povão pelo popularesco, além de Eduardo Costa no mesmo dia ainda cantaram Di Paullo & Paulino.

O DIA EM QUE EU FUI A ATRAÇÃO

Pela primeira vez eu também me apresentei no palco principal do CAMARU com minha dupla. O último dia de festa trouxe um show especial com vários artistas que são divulgados pelo Estação Paranaíba, programa da Paranaíba FM que dá espaço aos novos talentos. Mais de 17 atrações no decorrer da noite, cada uma cantando duas ou três músicas, e eu lá, apresentando algumas das canções do meu disco. Afinal, eu também tenho que aproveitar as oportunidades que a vida me oferece, né?

OS DOIS LADOS DO PROFISSIONALISMO

Esse CAMARU meio que me mostrou dois lados (negativo e positivo) da instituição chamada “profissionalismo”. O lado negativo ficou na verdade por minha conta. Como acontece constantemente comigo, tenho que conciliar uma agenda de apresentações musicais com os eventos que às vezes acontecem aqui na cidade. Esse ano, no entanto, eu fui praticamente castigado por ter que faltar ao CAMARU para cantar em algum outro lugar. Digo castigado porque perdi 4 dos melhores shows que a festa trouxe esse ano. Fora os meus amigos irmãos Marco & Mário, perdi no dia 27/08 o show da melhor dupla do universo, de quem sou absurdamente fã: Chrystian & Ralf. Como se não bastasse, ainda fui castigado de novo no dia 02/09 porque não pude comparecer a uma noite histórica da festa: shows de Milionário & José Rico e Chico Rey & Paraná no mesmo dia e no mesmo lugar. Um presente para quem gosta de música sertaneja de verdade.

O lado positivo do profissionalismo ficou por conta da dupla Henrique & Diego, que cantou no dia 01/09. Dependendo do ponto de vista, alguns podem encarar como sendo o lado negativo, mas eu vejo como positivo. Todos sabem que um artista precisa abrir mão de muita coisa e precisa transparecer sempre sua alegria em cima de um palco por maiores que sejam os problemas nos quais esteja envolvido naquele determinado momento. O Henrique veio a Uberlândia e realizou um grande show a pedido de sua própria mãe, que dias depois começaria uma quimioterapia para tratar um câncer. Ele, que é filho único e já nao tem mais o pai, chegou a pensar em dar um tempo enquanto a mãe estivesse doente, mas foi convencido pela própria a continuar normalmente sua carreira promissora, senão ela provavelmente ficaria mais doente com a “culpa” que sentiria por “adiar” os sonhos do filho. Um exemplo de artista e um exemplo de mãe. Lindo de verdade.

LENDAS E MISTÉRIOS, A CONSAGRAÇÃO DOS NOVATOS E UM GRANDE MAU ENTENDIDO

O show que provavelmente mais agradou o público foi, pelo que eu pude notar, o da dupla Fred & Gustavo, que dividiu a noite com a dupla Maria Cecília & Rodolfo. Como era de se esperar, a música “Lendas e Mistérios” foi cantada nada menos que 4 vezes. A ocasião do show das duas duplas aliás acabou gerando uma grande controvérsia por conta da anunciada porém não realizada participação da dupla Munhoz & Mariano. Não seria um show da dupla, mas uma participação dos dois em um ou nos dois shows da noite. Alguém (provavelmente de má-fé), no entanto, disse à equipe da dupla que eles não estariam sendo valorizados pela organização da festa e tal e coisa e coisa e tal, o que fez com que eles desistissem de participar. O que não foi dito, no entanto, é que a dupla, mesmo sendo apenas uma participação, foi anunciada praticamente como atração, com outdoors, música tocando na rádio, camarim exclusivo e tudo mais. Enfim, um grande mal entendido provocado por alguém que provavelmente queria apenas ver o circo pegar fogo e que acabou adiando um pouco a entrada triunfal da dupla Munhoz & Mariano no concorrido mercado de Uberlândia, o que eu acho que pode se resolver muito em breve, claro.

UM DIA DE CAMARU COMO NOS VELHOS TEMPOS

Há tempos eu não via o CAMARU cheio a ponto de não ter como andar lá dentro. Assim foi o dia das apresentações da Paula Fernandes e da dupla Victor & Leo, que obviamente dividiram o palco em dois momentos, primeiro no show de Victor & Leo e depois no da Paula. É claro que não chegou perto das já comentadas 95 mil pessoas que Bruno & Marrone colocaram lá um dia, o que hoje em dia é impensável e inclusive proibido pelo Ministério Público. Mas a festa chegou a lembrar os velhos tempos, com algo próximo de 37 mil pessoas (conforme dados divulgados), o que para os padrões de Uberlândia é altíssimo. Victor & Leo cantando em casa, com toda a família acompanhando, continuam no mesmo alto nível de qualidade e finesse com o público e com qualquer pessoa que tenham que atender, antes ou depois do show. A Paulinha, no entanto, já está se tornando conhecida por não gostar de atender muita gente. Mas de vez em quando aquele lado mineirinho e interiorano dela parece continuar falando mais alto. Ela retornou ao local da festa de madrugada, quando nada mais estava funcionando por lá, só para ver os animais em exposição. Fico imaginando a cara dos peões e demais profissionais que estavam por lá cuidando dos bichinhos na hora em que a Paula apareceu, de madrugada.

5 comentários

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.