19 jul 2013 | Top Five
TOP FIVE – Músicas de duplo sentido involuntário

Semaninha agitada na música sertaneja. Diliel deixando a dupla Fred & Gustavo, Luan Santana entrando em atrito com seu empresário (estou aguardando um posicionamento oficial de ambas as partes para poder escrever a respeito), e diversos outros boatos pipocando nos bastidores. Então, pra sair um pouco desse clima tenso que tomou conta do nosso segmento, hoje eu resolvi escrever um postzinho só pra descontrair, num tom mais, digamos, ameno. Bem, talvez algumas pessoas se sintam ofendidas, mas é tudo brincadeira, claro.

Um TOP FIVE à moda antiga, brincando com algumas curiosidades da história da nossa música. Hoje, brincaremos com as músicas de duplo sentido. Mas não aquelas assumidamente ambíguas. Nada disso. A nossa lista hoje traz músicas clássicas do segmento sertanejo que contam com alguns versos nos quais provavelmente os respectivos compositores não perceberam o tom malicioso das palavras escolhidas, caso os versos sejam analisados fora do contexto da música. Enfim, uma brincadeirinha inocente. Provavelmente esse duplo sentido só tenha sido percebido até hoje por pessoas de mente poluída, como é o meu caso, hehehe. Confiram abaixo:

DORMI NA PRAÇA (ELIAS MUNIZ / FÁTIM ALEÃO) – BRUNO & MARRONE

A música é a mais importante da carreira da dupla Bruno & Marrone. Mas ela conta com um determinado conjunto de palavras no refrão que já virou piada até em shows de humor stand up. Relembrando: “seu guarda, eu não sou vagabundo, eu não sou delinquente, sou um cara carente. Eu dormi na praça pensando nela“. Bem, agora é que vem a parte maliciosa, hehe. “Seu guarda, seja meu amigo, ME BATA, ME PRENDA, FAÇA TUDO COMIGO“. Levando apenas esse verso em conta, aparentemente ocorria naquele momento algum tipo de ritual sadomasoquista. Né? Relembrem a música abaixo:

CHICO MINEIRO (FRANCISCO RIBEIRO / TONICO) – TONICO & TINOCO

Um dos maiores clássicos da música sertaneja também esconde um verso de conteúdo um tanto quanto malicioso. Para quem não recorda a história da música, eu ajudo: Um homem convivia com o amigo Chico Mineiro numa comitiva de transporte de gado. Durante uma parada em Ouro Fino, os amigos foram a uma festa, onde aconteceu uma tragédia e o Chico Mineiro foi baleado por um homem desconhecido. Bem, depois de um lamento do protagonista da música sobre a morte do pobre Chico, vem o tal verso malicioso: “quando eu vi seus documentos…“. Bom só esse já é um tanto quanto ambíguo. Se continuarmos a frase, então, aí ele se torna uma piadinha quanto ao tamanho do “documento” do Chico Mineiro: “…me cortou o coração“. Lembrando que a estrofe anterior ainda contém o verso “Mataram meu companheiro“. Meio “Brokeback Mountain”, né, rsrs? Relembre a música logo abaixo:

ASA DELTA (EDINHO DA MATTA / CEZAR) – CEZAR & PAULINHO

Uma das melhores músicas da carreira da dupla Cezar & Paulinho, e que inclusive está presente também no disco mais recente. A música inteira em si não tem nada de mais, claro, e fala de um caboclo que se imagina voando de asa delta procurando pela sua amada. O problema, no entanto, é o segundo verso da música. “Vejo voar no céu, sobre o oceano, UM HOMEM ERETO PRESO A UMA ASA DE PANO”. Bem, só a expressão “homem ereto” é bem capciosa, mas ainda tem o complemento da “asa de pano”, o que remete a uma cueca. Um homem ereto preso a uma… cueca? Como não pensar maldade? Ainda bem que é só um versinho da música, hehe. Relembrem abaixo:

AMOR A TRÊS (DARCI ROSSI / MARCIANO) – CHITÃOZINHO & XORORÓ

Esta música, diferente das outras citadas nesta lista, é quase toda formada por trechos carregados de duplo sentido, hehe. Ou os grandes compositores da canção (os mesmos de “Fio de Cabelo”) são muito inocentes, assim como os intérpretes, ou não ligaram muito para a dupla interpretação que poderia haver da letra da moda. Se bem que naquela época o pessoal talvez não fosse tão depravado quanto é hoje, hehehe. Vamos a alguns dos versos mais ambíguos: “Seria esquisito você me dizendo: ‘agora, querido, chegou sua vez’“, “Não, querida, não, amor a três assim não consigo“, “Uma mulher e dois homens é impossível…“. Bem, se você que está lendo ainda não entendeu a piada, procure no Google o significado da expressão “Ménage à Trois“. Bem, esse é o mais leve sinônimo que posso escrever aqui. Curiosamente, a própria dupla hoje evita cantar essa canção, provavelmente por causa desse caráter ambíguo, que ficou mais explícito com o passar dos anos, coisa que provavelmente não era na época da gravação. Ela foi regravada no mais recente disco da dupla Bruno & Marrone. Relembre a música logo abaixo:

MÚSICA DA SAUDADE (GILMAR / OSWALDO GALHARDI) – GILBERTO & GILMAR

Essa música tem uma frase tão ambígua que ela acabou sendo até modificada depois de alguns anos pela própria dupla em interpretações mais recentes. A música fala do amor do rapaz pela mulher embalado por uma canção instrumental clássica que todo mundo conhece mas cujo nome ninguém lembra, nem eu. Ela segue muito bem até que no último verso incluíram na versão original a seguinte palavra: “Como ela machuca, PENETRA em mim já começo a chorar“. Isso mesmo, “PENETRA”. Se procurarmos versões mais recentes da mesma música, essa palavra foi trocada pelo termo “toca”. Ainda bem, né? Aliás, o que será que machuca tanto assim que quando penetra o caboclo começa até a chorar, hein, rsrsrs? Relembrem abaixo:

E aí, divertido pra uma sexta-feira? Espero que tenham gostado. Se vocês lembrarem de mais alguma música de duplo sentido involuntário, escrevam aí nos comentários. Quem sabe não rende mais um post desses.

E para os que se ofendem com pouca coisa, por favor tomem um chá de camomila antes de comentarem.

5 comentários
  • Teco: (responder)
    19 de julho de 2013 às 14:59

    Afff …nossa… rsrsrs

  • Cesar: (responder)
    19 de julho de 2013 às 15:00

    kkkkkkkkk…quanta imaginação Marcão! Rachei de rir.

  • Luiz Fernando: (responder)
    19 de julho de 2013 às 19:26

    Eu sempre percebo versos com duplo sentido em modas antigas, mas a letra e a melodia é tão triste e séria que eu nem tenho coragem de comentar com ninguém, heheh.

    Eu gosto daquela do Marciano que diz: “Não da mais pra fazer amor sozinho”, heheh. Não é nem duplo sentido, fica bem claro do que se trata.

  • Edilson: (responder)
    19 de julho de 2013 às 19:37

    kkkkkk muito bom Marcão

  • Caroline Gresik: (responder)
    22 de julho de 2013 às 13:01

    Marcão, só você mesmo….. adorei o post.. ri muito aqui…tadinhos do meu BeM!!!!

Redes sociais
Sobre o autor
Marcus Bernardes é bacharel em direito e entusiasta da música sertaneja. Criou o Blognejo com o intuito de falar de maneira séria e digna sobre o segmento. Hoje é o veículo mais respeitado do meio, sendo referência em coberturas de eventos, lançamentos, entrevistas e análise de mercado.