Reviews – Leonardo e Daniel

Olá, pessoal. Desculpem-me mais uma vez a grande demora em atualizar o blog. Prometo que vou tentar manter o blog sempre atualizado, e cada vez com uma freqüência menor.

Além disso, algumas novidades surgirão nos próximos posts. Sua participação é fundamental pra manter o blog sempre 100%.

Hoje, mais duas resenhas: Leonardo ““ Coração Bandido e Daniel ““ Difícil não falar de amor.

Leonardo ““ Coração Bandido

Ele voltou. O bom e velho Leonardo traz esse novo trabalho que, conforme ele mesmo declarou, tem a intenção de prestar uma homenagem ao saudoso Leandro. Ele até fez um estardalhaço só pelo fato de usar um chapéu na capa do disco, algo incomum vindo do Leonardo.

O disco segue, de fato, uma linha “mais sertaneja” que a seguida nos demais discos do cantor. César Augusto assina a produção, o que já aconteceu com praticamente todos os discos de Leonardo, inclusive na época do Leandro.

Fato é, no entanto, que nenhum dos medalhões da música sertaneja dos anos 90 tem mais o mesmo poder de fogo de antigamente. Não causam mais aquele furor quando da ocasião do lançamento de um novo trabalho. Leonardo age como se estivesse plenamente consciente disso. E não faz questão nenhuma de mudar. Ele sabe que não precisa mais correr atrás de vender discos. Pode até ser que eles não vendam mais como antigamente. E não vendem. Mas Leonardo é muito fiel ao seu público. Ele respeita muito o público que o consagrou e que o apoiou quando ele decidiu continuar o trabalho que desenvolvera com seu irmão, ainda que modificando drasticamente de estilo. Não é à toa que ele contabiliza mais de 30 milhões de discos vendidos (23 milhões só da época de dupla).

Por isso ele não arrisca. O novo CD é uma repetição dos seus últimos CDs. Regravações a rodo e pouca ousadia. De 14 canções, cerca de apenas 4 são totalmente inéditas. Todas as outras são regravações (Dois Passarinhos ““ Alan e Aladin; Cartas e Flores ““ René e Ronaldo; Rodo sem Borracha ““ Juliano César; Por favor reza pra nóis ““ João Neto e Frederico; Ta Rindo de quê ““ Milionário e José Rico; etc…). versões ou variações de músicas de sucesso (Pega Fogo Cabaré, por exemplo, tem o mesmo nome, mas é outra música!!!). César Augusto já não é mais o mesmo produtor de hits de antigamente. O mercado mudou e ele não acompanhou. O seu estilo de produzir já não atinge o público da mesma forma que antigamente. Ele ainda é excelente, sem sombra de dúvida, mas não conhece o “macete” pra atingir a moçada de hoje.

Leonardo é, enfim, um cara acomodado. Ele sabe que não precisa mais provar nada pra ninguém. Quem quiser gostar dele sabendo que ele não vai ficar correndo atrás pode gostar. Caso contrário, ele não está nem aí.

Nota: 7,0

Daniel ““ Difícil não falar de amor

Diferentemente do Leonardo, Daniel se mostra preocupado com as mudanças do mercado. O novo CD é claramente uma tentativa de voltar a figurar entre os mais vendidos. Seu público é tão fiel quanto o público de Leonardo. Ele, no entanto, tenta, com esse novo trabalho, buscar ovelhas desgarradas do rebanho e angariar algumas novas.

O CD tem 17 faixas (alta quantidade de músicas é tendência de mercado) e só tem duas regravações. Ou seja, são 15 músicas inéditas, o que já é um feito digno de congratulações.

Daniel entregou a produção do CD a um dos caras com a melhor visão do mercado sertanejo nos últimos anos: Rick, da dupla Rick e Renner. Por mais que muita gente torça o nariz ao ouvir falar dele, não dá pra negar que o cara manja muito. Excelente produtor, intérprete e compositor com no mínimo 700 músicas gravadas. O cara conhece, e muito, de música sertaneja.

O resultado da parceria entre Rick e Daniel é gratificante. O novo CD é jovem e agradável aos ouvidos. Com arranjos modernos, seguindo a linha semi-acústica, Rick ainda utilizou instrumentos incomuns no meio sertanejo, como violoncelos, o que deixou as canções ainda mais agradáveis e gostosas de se ouvir. A música de trabalho ““ Difícil na falar de amor ““ tem potencial pra se tornar hit, o que seria muito bom, pois a música é excelente.

Apesar de atirar pra todo lado (cinema, TV e outros), Daniel ainda mostra que tem bala na agulha pra continuar firme e forte como um dos líderes do mercado fonográfico. Parabéns a ele.

Nota: 9,0