A volta dos acústicos?

Houve uma fase há não muito tempo na música sertaneja em que os trabalhos de grandes proporções, com investimentos milionários, estavam perdendo espaço para trabalhos gravados de forma amadora. Bruno & Marrone explodiram nacionalmente depois que uma apresentação acústica em uma rádio de Uberlândia foi distribuída em CD pelos pirateiros da época. Jorge & Mateus gravaram um disco em voz e violão plugando a mesa de som no notebook, tudo isso na garagem da casa do Mateus. João Bosco & Vinícius tiveram uma de suas apresentações nos bares de Campo Grande gravada e distribuída entre os universitários da época. César Menotti & Fabiano viram o mesmo acontecer com uma gravação de um de seus shows no Observatório, em BH. E Victor & Leo gravaram um DVD bem simplezinho com uma formação bem reduzida na banda e soltaram pra galera.

Todos esses artistas quebraram a barreira imposta na época pela megalomania e pelos gastos milionários e mostraram ser possível crescer de baixo. Todos se deram bem, as carreiras seguiram de vento em popa e aquela atitude de rebeldia, que servia de inspiração a tantos artistas em começo de carreira, acabou sendo abafada pelo mercado. Voltamos de novo à fase dos altíssimos investimentos. Hoje a guerra é pra ver quem gasta mais. Os trabalhos simples ficaram nos últimos anos relegados àquela fase inicial do sertanejo chamado “universitário”.

Bem, mas parece que o disco acústico, simplezinho, gravado ou de forma amadora ou com uma formação menor na banda, voltou a ficar em voga. Nos últimos meses, 4 artistas, entre duplas e cantores solo, soltaram na web, de forma independente, sem conexão com gravadoras, discos nesse formato: Gusttavo Lima, Israel & Rodolffo, Edson & Hudson e Kleo Dibah & Rafael.

A nova onda começou com Kleo Dibah & Rafael, que há alguns meses liberaram na web um disco gravado durante uma festinha na casa de amigos da dupla. No repertório, basicamente releituras de clássicos dos anos 90 ou anteriores. Destaque para a gravação da música “E agora”, a última composta pelo Airo. Quem ainda não baixou, EIS O LINK.

Depois, há algumas semanas, foi a vez de Israel & Rodolffo, que ousaram e lançaram um disco com um extenso repertório formado apenas por canções inéditas na linha “modão”. O disco, que foi lançado com exclusividade aqui no Blognejo, foi produzido pelo William Borjazz e levou apenas violão, baixo, percussão e acordeon na harmonia. Baixem AQUI.

Na semana passada, Edson & Hudson liberaram no Youtube fotomontagens com as músicas do novo disco, intitulado “Na hora do boteco”. O disco, também produzido em estúdio pela própria dupla, traz no repertório releituras de clássicos da música sertaneja, dos anos 90 pra trás. Na harmonia, apenas violão, baixo e alguns elementos de percussão. O diferencial vai para a pegada imprimida ao disco, mais suave, sem aquela agressividade instrumental comum a trabalhos nessa linha. Baixem AQUI.

E pra fechar a lista, caiu na web um disco do Gusttavo Lima gravado de forma amadora, bem naquele estilo botecão mesmo, também com várias releituras de clássicos da música sertaneja, com destaque a um pout pourri de músicas da dupla Lourenço & Lourival e à regravação de “Assino com X”, da dupla Gilberto & Gilmar. O disco, intitulado “Buteco do Gusttavo Lima”, traz a participação da dupla Washington Luiz & Fabiano em duas faixas. Baixem AQUI.

Parece haver uma movimentação, ainda que tímida, no intuito de trazer de volta esse formato de disco, abafado pelo mercado desde que as gravadoras começaram a perder o controle sobre quais artistas deveriam ou não estourar, rsrs. Por ser um formato que agrada MUITO ao público, é fácil fazer com que esse tipo de disco volte a bombar. Mas por desagradar rádios e principalmente gravadoras (exceto se elas forem as responsáveis pelo lançamento), a resistência pode ser grande. Resta a nós torcer para que o acústico volte, mas sem tanta esperança assim, só pra não se decepcionar muito depois.

Por falar no Gusttavo Lima e pra encerrar o post, vejam abaixo o clipe da música “Fui fiel”, liberado na web essa semana.