As mazelas do analfabetismo funcional

Segundo a Wikipedia, analfabeto funcional é a denominação dada à pessoa que, mesmo com a capacidade de decodificar minimamente as letras, geralmente frases, sentenças, textos curtos e os números, não desenvolve a habilidade de interpretação de textos. ”Pô, Marcão, o que isso lá tem a ver com o Blognejo?’. Ora, meus queridos leitores, há tempos venho querendo me manifestar a respeito da dificuldade que muita gente que aqui entra tem de compreender exatamente o que está escrito nos textos. Ou lêem uma coisa e entendem outra ou abrem o texto, vêem o tamanho e simplesmente não lêem, tudo por conta da preguiça.

Eu estava esperando justamente uma época mais neutra, sem um texto que despertasse o analfabeto funcional que existe numa boa parcela dos leitores, para poder escrever este texto da forma mais clara possível. Afinal não quero que pareça uma ofensa aos meus estimados leitores, mas sim um alerta aos mesmos mediante a dificuldade que muitos têm de compreender o que está escrito aqui. Creio que este texto pode muito bem ser extendido a todo e qualquer blogueiro, jornalista ou profissional do gênero que padece da mesma labuta diária: lidar com analfabetos funcionais em potencial.

Em primeiro lugar, faz-se necessário parar com o pensamento de que um blog deve obrigatoriamente seguir um padrão pré-definido. Afinal de contas cada site tem uma estrutura própria. Não é porque este ou aquele possuem uma estrutura mais enxuta que o Blognejo tem que seguir obrigatoriamente o mesmo esquema. Os leitores mais antigos, aliás, são testemunhas da longevidade desse padrão do Blognejo que inclui textos longos, aprofundados, com o objetivo de justamente levantar questões mais interessantes acerca dos elementos da música sertaneja.

Vez ou outra aparece aqui no Blognejo um desavisado reclamando do tamanho dos textos e às vezes exigindo textos menores, sob a ameaça de deixar de acompanhar as atualizações. Assumo que muito provavelmente o número de visitas do blog seria maior se eu tivesse optado lá no início por um formato mais ameno e mais direto, com notícias bobinhas e fúteis, ao invés de ter escolhido a opção de tentar elevar o nível da discussão sobre  o segmento. Mas será que o Blognejo teria realmente o prestígio que tem hoje (sim, crianças, o Blognejo tem prestígio) se tivesse optado por essa estrutura? Ficamos conhecidos justamente por estimular o debate. E não vejo outra forma de estimulá-lo senão lançando e esmiuçando idéias.

A preguiça de ler um texto grande também dificulta muitas vezes a exposição das idéias. Nos reviews sobre os novos discos lançados, por exemplo, é enorme o número de pessoas que pula todos os parágrafos e vai direto para a nota dada para o disco. Já pensei até em abandonar a distribuição das notas justamente pra estimular a leitura integral do texto e assim poder me fazer compreender. Afinal o foco desse tipo de texto não é a nota, mas sim os motivos que levaram o disco a receber tal nota. O mesmo vale para o TOP FIVE. Tem gente que lê apenas os títulos dos tópicos das listas e se esquece dos motivos pelos quais tais coisas foram elencadas.

Outra dificuldade de alguns leitores diz respeito às críticas que às vezes são postadas aqui. Em muitas ocasiões, já dediquei diversos parágrafos a determinado assunto mas tive que aturar uma legião de fãs enfurecidos com uma única frase postada no texto. Como eu disse no parágrafo acima, um texto do Blognejo não é escrito à toa. Todos os parágrafos tem sua razão de ser. Uma frase apenas não quer dizer nada, afinal de contas. O contexto em que ela foi escrita é que dá a ela sua verdadeira importância. A crítica não é apenas uma crítica. Ela tem motivação. A cegueira que o ódio por conta de uma mera frase provoca é tanta que às vezes a galera cria tempestade em copo d’água e se esquece até dos possíveis elogios contidos no mesmo texto e ataca o autor, na maioria das vezes eu, hehe, por conta das partes negativas.

Não sei qual foi e não tenho o direito de julgar a educação que cada um dos leitores que se enquadram entre os possíveis analfabetos funcionais recebeu. Mas não deixa de ser decepcionante ver a mesma pessoa que tem a iniciativa de acessar um blog sobre um assunto que lhe interessa reclamando do tamanho dos textos ou lendo os referidos textos e interpretando-os de forma totalmente absurda. O objetivo do Blognejo sempre foi provar que a música sertaneja pode sim ser um assunto de conversas cultas e bem fundamentadas. Cada vez que vejo alguém interpretando errado um texto, ou se focando em apenas uma frase do mesmo, ou ainda reclamando do tamanho, sinto que esse objetivo está cada vez mais longe de ser atingido. Entendam de uma vez por todas, prezados leitores, que o importante não é o texto, mas o contexto. E para conhecer o contexto é necessário ler e interpretar corretamente, sem colocar chifre em cabeça de cavalo e sem ler ABCD onde está escrito WXYZ. Exercitem a leitura. Sempre. Não tem como isso ser uma coisa ruim.

E antes que algum engraçadinho me encha o saco, eu sei que o problema do analfabetismo funcional é mais específico do que parece. Trata-se de uma doença séria. A idéia do texto, no entanto, é justamente alertar os que provavelmente tenham os referidos sintomas para evitar problemas futuros com a má interpretação do que lêem ou com a falta de interesse em ler realmente.

UPDATE:

Não sei por que cargas d’água os comentários estavam desativados para esta postagem. O problema já foi corrigido. Comentem à vontade.