Déjà vu – Zezé di Camargo & Luciano atacam novamente

zeze

Todo ano é a mesma coisa. Na ocasião do lançamento dos novos trabalhos, Zezé di Camargo & Luciano parecem esquecer que estão lançando um disco e resolve concentrar os assuntos das coletivas em fatores totalmente alheios aos trabalhos lançados.

Na ocasião da mais recente coletiva, Zezé aproveitou para dizer que pretende tirar satisfações com Dado Dolabela sobre as declarações que o ex-genro deu no programa “A Fazenda”, nas quais ele disse que conhece os podres da família Camargo.

Questionado sobre a ausência da música “É o amor” no disco, Zezé foi claro: “Deixamos de fora porque parece que não existe Zezé Di Camargo & Luciano sem ‘É O Amor’. É emblemática na nossa história, mas queremos mostrar que temos outros sucessos. Você pede para alguém cantar uma música nossa e já começam com ‘é o amoooor'”.

A dupla também salientou a vontade de lançar um disco a cada ano. Já estão programando para o início do ano que vem o lançamento do disco acústico, só com inéditas. Nas palavras do Zezé: “Estamos defasados. O mercado está muito rápido. Achamos por bem lançar um disco por ano”.

O problema veio, novamente, com declarações polêmicas da dupla (dessa vez partiram mais do Zezé) sobre a nova geração de cantores sertanejos. Eis algumas das frases ditas pelo cantor durante a coletiva:

“A impressão que passa é que esses meninos inventaram uma nova música. O que não é verdade. Eles cantam do mesmo jeito que a gente, as músicas têm a mesma linguagem, não tem nada intelectual para se denominar universitário. As duplas nem foram formadas nas universidades”.

“Eu sou contra essa mentira. Essa coisa falsa que vendem usando um rótulo para maquiar uma coisa que já era feita. Se você for ver o repertório deles, é tudo em cima do que a gente já canta. César Menotti e Fabiano, por exemplo, lançaram um disco com músicas que eles cantavam em botecos. Só minhas, devem ter umas quatro canções lá”.

“Isso não vai durar mais que dois anos. Se você for atrás de modismos você não cria raízes. Eu acho que artistas têm que criar raiz, têm que criar vínculo com o seu público”.

Questionados pela própria imprensa presente se o motivo das declarações não era o medo de perder público, Luciano fundamentou com estatísticas: “O nosso publico vai de A a Z. Foi feita uma pesquisa em 2004 com um público de 15 a 25 anos e deu Zezé Di Camargo e Luciano. Há dois anos o ‘Data Folha’ [instituto de pesquisa] fez o mesmo tipo de pesquisa e o resultado foi o mesmo”.

Em primeiro lugar, dessa vez não dá pra dizer que não falaram de César Menotti & Fabiano. A dupla foi citada diretamente. Pergunto a vocês, e espero respostas nos comentários: por que o Zezé age dessa forma? Será que não vê que, ainda que não cante como antigamente, ele ainda tem seu público, tem seu espaço, e ainda é capaz de emplacar mais de 200 mil cópias de um disco facilmente, coisa que quase ninguém consegue? Para que, então, repetir os vergonhosos atos do ano passado, e criticar uma geração que nada mais faz que louvá-lo o tempo todo pelo ídolo que é?

De novo, Zezé tira o foco do novo disco e transfere, de maneira trágica, para as declarações polêmicas. É esperar pra ver no que vão dar essas declarações. Porque, polêmicos ou não, todo mundo sabe que Zezé di Camargo & Luciano ainda vão continuar vendendo discos como poucos.