DIÁRIO DE UM CANTOR SERTANEJO – MAIS DE 12 HORAS CANTANDO

Vou contar mais uma história que mostra como é dura a vida de quem, como nós, não tem produtor, técnico de som, transporte apropriado….

Dia desses, eu recebi várias ligações querendo marcar show. Bom demais, se não fosse por um probleminha: todas no mesmo dia!!! Já meio desanimado em ter que deixar passar alguma delas, procurei saber o horário. A primeira seria das 13:00 às 17:00, a segunda das 17:30 às 20:30 e a terceira das 21:00 às 01:30. Resumindo, com um pouco de esforço, daria pra cantar nos três locais.

Meio ressabiado, marquei com os três contratantes e passei a torcer pra nada dar errado. Se alguma coisa acontecesse em um dos shows, correríamos o risco de estragar os outros. Passei a tentar providenciar um equipamento de som pra cada um dos locais. Como eu só tenho quatro caixas acústicas (eu precisava de seis) e duas mesas de som (só uma é amplificada), eu tinha que providenciar mais uma mesa de som, uma potência, quatro pedestais de caixa e duas caixas acústicas.

Se eu fosse alugar esse equipamento, o cachê do dia já estaria perdido. Por sorte, ou por interferência divina, consegui pegar tudo emprestado numa loja de instrumentos daqui (merchan, clique aqui, hehehe). Então, ao chegar o dia, saí cedo de casa pra deixar tudo preparado. Montei o que precisava ser montado em cada um dos locais e fui pra casa me arrumar pra tocar.

Fomos para a primeira festa e já avisamos ao contratante que infelizmente não poderíamos alongar o horário caso ele pedisse. Ou seja, assim que acabasse, a gente recolheria tudo correndo, jogaria na caçamba do carro e iríamos correndo para a outra festa. Aconteceu conforme eu previa: ao terminarmos a apresentação (quatro horas depois), o pessoal quis que a gente continuasse. Ofereceram até um “abono” para ficarmos mais uma hora. Infelizmente não podíamos. Felizmente, eles foram compreensivos e entenderam que precisávamos honrar nosso compromisso.

Pegamos as coisas e saímos correndo para a outra festa. O som já estava montado. Então foi só conectar os instrumentos e os microfones e começarmos a cantar. Três horas depois, missão cumprida. Acontece que o contratante dessa festa queria que a gente deixasse o som lá para ele poder continuar a festa com o DJ. Ainda bem que a gente tinha conseguido o som emprestado, senão não poderíamos deixar.

Fomos para o terceiro local, uma choperia. Cantamos das 21:00 às 01:30, com um intervalo de meia hora apenas. Graças a Deus, conseguimos nos apresentar sem nenhum contratempo. Depois do show, tivemos que recolher as coisas e ainda voltar ao local da segunda festa para pegarmos o som que deixamos por lá. No fim das contas chegamos em casa por volta das 04:00 hs.

Saldo no final do dia: cerca de 18 horas de trabalho, incluindo passagem do som, locomoção e intervalos), três contratantes satisfeitos e NENHUM problema, graças a Deus. Fora a quantidade de CDs que eu vendi nos intervalos das apresentações para o público que nos assistia (semana que vem eu falo sobre a importância de se ter um CD pra vender durante os shows) Nessas horas eu vejo que alguém lá em cima conspira a favor de quem realiza um trabalho sério.