DIÁRIO DE UM CANTOR SERTANEJO – MULHERES

A fama de pegadores persegue os cantores sertanejos desde o início dos tempos. Hoje resolvi falar um pouco dessa história, contando alguns episódios que provavelmente ajudarão a elucidar a questão e mostrar que pode ou não ser assim. Ah, e pra mostrar também a importância disso.

Na medida em que você vai aparecendo para o público, torna-se crescente o número de mulheres caindo em cima de você. Tem casos, inclusive, em que grupos de amigas passam a acompanhar os shows apenas para “fazer a roda” com você e o pessoal da banda. Entendam que o fato de você estar cantando ou tocando para as pessoas é, sim, um afrodisíaco. As mulheres, não sei por que, se sentem atraidas por cantores e músicos. É claro que o grau de atração, bem como o nível de “gostosura” das mulheres interessadas, aumentam proporcionalmente ao sucesso. Quanto mais sucesso, mais mulheres darão em cima e aumentará também o número de mulheres bonitas praticando tal ato.

Alguns jovens cantores costumam se deslumbrar facilmente com isso. Tem gente, aliás, que canta apenas pra poder “pegar mulher” mais facilmente. Não só no meio sertanejo. É meio que geral. Só que os sertanejos são mais machões que os outros e, talvez por isso, atraiam mais a atenção das mulheres. Exceto pelos pagodeiros, mas são mulheres diferentes pra cada um dos segmentos.

Às vezes quando se está em cima de um palco, é fácil perceber olhares interessados. E olha que eu não sou tão bonito assim, hehehe. Sem querer apelar para a “viadagem”, mas meu irmão é mais bonito que eu e atrai muito mais a atenção das mulheres. Até os rapazes da minha banda fazem mais sucesso com as mulheres que este que vos fala. Não que isso queira dizer que as garotas não queiram. Como eu disse, basta estar cantando. Isso já é por si só um ponto a seu favor. Se você quiser mesmo, é só aproveitar a primeira oportunidade.

Por que estou falando tanta coisa aparentemente sem sentido? Pra chegar ao X da questão: faz parte do processo. É importantíssimo para um cantor sertanejo que queira se destacar fazer sucesso com o público feminino. Se agradar as mulheres, já é um grande passo. Cabe ao artista saber coordenar o flerte de forma a lembrar-se que existe uma vida além dos palcos. Caso tenha namorada, noiva, esposa, ela tem que entender. Se já começar desde cedo com as crises de ciúme, nem adianta continuar cantando. Ou termina o namoro ou abandona a carreira.

Entendam que não estou dizendo que é necessário trair. Muito pelo contrário, eu sou contra traição de qualquer natureza, mesmo que sem importância. O que estou dizendo é que um músico deve saber o limite. Ele pode flertar, pode atiçar, sem sombra de dúvida. Mas existe uma linha que só pode ser cruzada se não for prejudicar ninguém, isto é, apenas se o músico for solteiro, livre e desempedido. O cara que corta na cara dura as mulheres interessadas, perde pontos com o público feminino. Aquelas que acompanham os shows podem sumir de uma hora pra outra. E isso não é interessante para os artistas. Resumindo, o cara tem que ser um mestre na arte do “botar fogo e fugir na hora do vamuvê”. Se o cara acabar sucumbindo à tentação, ele o deve fazer de modo a ninguém ficar sabendo. O maior exemplo disso é o Zezé di Camargo. Ele mesmo já disse uma vez: “se eu disser que nunca traí a Zilú, vocês não vão acreditar, então não me preocupo mais”.

Acho que uma das únicas coisas que não mudou em toda a história da música sertaneja foi o interesse das mulheres pelos artistas. O que demonstra, então, que o público feminino é importantíssimo para o sucesso do segmento. Cabe aos profissionais do ramo saber lidar com elas.