Eles precisam mesmo ser melhores amigos?

Eles precisam mesmo ser melhores amigos?

Desde que a dupla Jorge & Mateus surgiu, boatos sobre uma possível separação os cercam. Às vezes com maior intensidade, às vezes com menor. Obviamente, os boatos nunca se confirmaram. A semana passada foi uma semana de maior intensidade desses boatos. O motivo foi uma matéria de um site (não me lembro qual) que dizia que Jorge & Mateus teriam acirrado a “briga já existente entre eles” durante o Brazilian Day, em Nova York, com o Jorge deixando o Mateus para trás e voltando ao Brasil sozinho em seu jatinho particular. Desde essa data eles não estariam se falando, segundo a tal matéria.

Desde então, como sempre acontece, começaram as perguntas dos fãs e as cobranças para que eu e outros veículos escrevêssemos algo a respeito. Como em todas as outras ocasiões nas quais os boatos sobre uma separação da dupla estavam se propagando, eu não escrevi nada. Se eu fosse escrever sobre os boatos de separação da dupla Jorge & Mateus, teria que montar um blog só pra isso, porque esses boatos existem desde sempre. O mais legal é que os propagadores destes boatos sempre têm a mais absoluta certeza de que se tratam de fatos reais.

Durante o Carnaval, entretanto, os boatos da semana passada se tornaram ainda mais intensos por conta de uma matéria postada no site Movimento Country, do meu brother Hedmilton, colega no portal R7 (abração, Hed, rs). Segundo a matéria, O Mateus estaria inclusive gravando um disco solo, o que de acordo com o texto “não era segredo pra ninguém”. Ainda de acordo com o texto eles teriam se apresentado no carnaval de Salvador brigados.

Pois bem, algumas horas depois o empresário da dupla, Wendell Vieira, que é quem geralmente responde por eles nas redes sociais, já que o Jorge não tem perfil oficial em nenhuma delas e o Mateus pelo jeito abandonou sua conta pessoal no Twitter (sem contar que a dupla não costuma fazer uso de notas oficiais por meio de assessorias de imprensa em casos como esse), usou sua conta no microblog para ironizar a notícia e desmentir todos os fatos apontados na nota, dizendo que o Jorge não tem jato particular, que o Mateus não está em estúdio gravando o CD e que eles não estão brigados. A dupla está inclusive preparando o próximo disco.

Esse episódio apenas expõe mais um capítulo dessa saga da “separação” da dupla Jorge & Mateus, que está para acontecer, segundo os boatos, há uns 4 anos, mas que nunca acontece. O fato é que a relação entre os dois difere e muito do que o público e os fãs de música sertaneja estão acostumados. A cultura da dupla de “irmãos”, difundida desde os primórdios da música sertaneja, mas evidenciada durante os anos 90 pelos AMIGOS, fez com que o público se acostumasse a enxergar as duplas sertanejas como dois caras absurdamente apaixonados um pelo outro, no sentido fraternal, óbvio. Se tornou praticamente uma obrigação o amor incondicional e escancarado entre parceiros de dupla. Se forem irmãos, melhor ainda. Qualquer coisa fora disso é interpretada como uma relação ruim e prestes a acabar.

O caso da dupla Jorge & Mateus é muito simples. Em várias entrevistas eles já disseram que se conheceram através de amigos em comum com o intuito de formarem uma dupla. Ou seja, Jorge e Mateus se conheceram apenas para formarem a dupla Jorge & Mateus. Não conviveram antes disso. Se conheceram com objetivos profissionais e assim formaram uma das duplas de maior sucesso dos últimos tempos. Ou seja, um modelo diferente do que o público está acostumado. Em teoria, pelo menos na cabeça do público, uma dupla tem que nascer de uma jornada sofrida na lavoura, na roça ou em alguma outra coisa parecida, passar por 10 ou 15 anos de provação nos bares, para só então passar a fazer sucesso.

Jorge & Mateus são de diferentes círculos de amizade. Cada um deles tem seu próprio grupo de amigos, cada um tem suas próprias vontades e cada um deles preza por viver a sua vida pessoal conforme eles próprios querem vivê-la. Nem o Jorge obriga o Mateus a ficar grudado nele e nem o Mateus obriga o Jorge a estar com ele o tempo todo. São pessoas de personalidades diferentes, que sabem respeitar o espaço um do outro. Até hoje, isso tem funcionado muito bem. O único entrave a este tipo de relacionamento entre os dois é a eterna propagação de boatos de separação.

Na própria história da música sertaneja, temos várias situações semelhantes. A mais clássica provavelmente é a da dupla Milionário & José Rico. A lenda de que ambos não se falam é difundida até hoje, mesmo após 40 anos de carreira da dupla. Mesmo assim, os dois continuam com uma agenda intensa de shows. Chegaram a passar um tempo separados, mas voltaram com a parceira e estão aí até hoje. Tião Carreiro & Pardinho chegaram a passar um bom tempo se apresentando um de costas para o outro, segundo reza outra lenda sertaneja. No caso deles, a separação acabou acontecendo não uma mas várias vezes, tanto que o Tião Carreiro faleceu enquanto mantinha uma dupla com o Praiano. Apesar disso, a dupla Tião Carreiro & Pardinho continua sendo a mais importante da carreira de ambos e uma das mais importantes da história da música sertaneja.

Na história recente do gênero, o caso que mais se assemelha ao da dupla Jorge & Mateus é o da dupla Bruno & Marrone. Eles também se conheceram por intermédio de um amigo em comum, no caso o Leonardo, se uniram apenas com o intuito de formarem uma dupla e aí estão, com mais de 20 anos de carreira. Cada um com sua vida pessoal totalmente independente.

Casos como esses apontados acima, que dizem respeito apenas a duplas de enorme sucesso, colocam em cheque o modelo com o qual o público infelizmente se acostumou. Todas as duplas citadas sofreram ou sofrem com eternos boatos de separação. Tudo isso porque o relacionamento entre ambos foge dos padrões fraternais difundidos por duplas como as da era AMIGOS. O sucesso de todas elas, entretanto, prova que esse padrão de relacionamento não é nem de longe obrigatório.

Parceiros de dupla não precisam necessariamente ser melhores amigos um do outro. É óbvio que os boatos não vão desaparecer. Pelo contrário. Toda vez que parceiros de dupla chegarem a um show em carros separados, com certeza vai ter alguém dizendo que aquilo é um sinal de que a relação não vai bem e que a dupla vai se separar. Algumas se separam, claro, mas isso não é regra. O modelo de relacionamento onde cada um dos parceiros têm a sua própria vida deveria ser tão normal quanto o modelo fraternal, no qual a dupla tem que ser formada por irmãos ou pelo menos por duas pessoas que se adoram. No fim de tudo, continua valendo apenas o resultado final: a música. E não, Jorge & Mateus não vão se separar. Fiquem tranquilos quanto a isso.