Então tá, vamos falar de Fred & Gustavo…

O que esperar da música sertaneja quando a melhor dupla da nova geração se separa? Bem, essa frase até que serviria para o título deste texto, mas achei muito direta. Mesmo assim, é essa a pergunta que eu pretendo fazer depois de dissertar a respeito durante os próximos parágrafos. Se a maior reclamação quanto ao gênero hoje é sobre a falta de qualidade da maioria das músicas e dos artistas, o que pensar do futuro do gênero quando a dupla que mais se afasta disso atualmente simplesmente resolve deixar de trabalhar junta?

Fred & Gustavo sempre foram uma das maiores apostas dos admiradores e profissionais de música sertaneja nos últimos tempos, desde o começo da dupla. Um cantor e compositor espetacular, aliado a um dos melhores segundeiros imagináveis. Rapidamente a dupla acabou se tornando referência de qualidade no segmento. Mas sempre com aquela pontinha de indignação do mercado que acompanha a sempre célebre frase “mas por que ainda não estouraram?”, frase esta que costuma vir atrelada a boa parte dos artistas de altíssima qualidade que ainda não alcançaram o TOP 5, como era o caso de Fred & Gustavo.

Essa preocupação em alcançar o que o mercado sempre esperou deles acabou fazendo com que a dupla trocasse de escritório a certa altura da carreira, o que causou inclusive uma certa demora no lançamento do disco mais recente. Saíram de um grande escritório (Clube do Cowboy) insatisfeitos com o tratamento que recebiam em comparação aos artistas carros-chefes de lá. Mas em contrapartida saíram fortalecidos depois de um DVD elogiadíssimo.

Aliás, foi por conta deste DVD que estreitaram laços com o produtor Ivan Miyazato e com o compositor Marco Aurélio, que passaram inclusive a fazer parte da sociedade a partir de então. Após o rompimento com o Clube do Cowboy e diversas especulações quanto ao próximo destino (praticamente todos os grandes escritórios do Brasil demonstraram interesse no passe), seguiram o que era mais previsível e fecharam com a Western Produções, da dupla Munhoz & Mariano, de cujo projeto Ivan Miyazato e Marco Aurélio também são sócios.

Mas como é de praxe com qualquer artista durante uma troca de escritórios, demorou até que a dupla lançasse um novo disco depois do DVD. O disco acabou saindo este ano, mas apenas em caráter promocional, já que a negociação com possíveis gravadoras para a distribuição ainda estava acontecendo. Mesmo assim, o disco trouxe à tona dois lados de Fred & Gustavo, mostrando uma preocupação em não parecer tão alheio ao mercado, mas sem perder as características que fizeram deles a referência que haviam se tornado.

Ao que parece, entretanto, a disparidade entre estes dois lados foi o estopim para o que estava para acontecer algum tempo depois. De um lado o Fred, que queria permanecer numa linha mais tradicional, contando com o apoio da parcela campograndense da sociedade. Do outro o Gustavo, com o apoio da parcela goiana que está no projeto desde o começo, que queria tornar o projeto um pouco mais comercial e, teoricamente, mais vendável. O consenso entre as partes deu origem a um disco com dois lados completamente opostos: 12 faixas, sendo 6 na linha comercial atual do gênero sertanejo e 6 mais tradicionais. Enfim, um disco que mais pareceu dois discos drasticamente diferentes. Nem por isso um disco ruim, diga-se de passagem. Pelo contrário, um ótimo disco, como vocês conferiram em review recente aqui do Blognejo.

Pouco tempo depois, no entanto, a disparidade que o disco trouxe à tona começou a ser demonstrada também na administração e ao que parece até em aspectos da vida particular dos dois membros da dupla, com o Diliel revendo suas prioridades após o seu casamento, celebrado recentemente. Tudo isso culminou na saída dele do projeto, anunciada na sexta-feira, meses depois do Ivan e do Marco Aurélio também saírem por discordar da linha de trabalho adotada. O próprio Diliel escreveu em seu perfil no Instagram a seguinte declaração:

“A TODOS OS FÃS, AMIGOS, CONTRATANTES, RADIALISTAS, IMPRENSA E PROFISSIONAIS DA MÚSICA. POR RESPEITO A TODOS VOCÊS, ESTOU ME RETRATANDO SOBRE A MATÉRIA QUE SAIU EM TODOS OS BLOGS E DEMAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOBRE A SEPARAÇÃO DA DUPLA FRED E GUSTAVO. HÁ TEMPOS VENHO ANALISANDO QUE MINHA CARREIRA COMO CANTOR, MÚSICO E COMPOSITOR ESTAVA TOMANDO UM RUMO NO QUAL NÃO É A MINHA VERDADE E A MINHA ESSÊNCIA MUSICAL. ESTOU, SIM, INSATISFEITO E INFELIZ COM ISSO. MAS AFIRMO A TODOS VOCÊS QUE ESTAVA FAZENDO A MINHA PARTE, ABRI MÃO DE UM GOSTO MUSICAL PARTICULAR, DE MUITAS OUTRAS COISAS, LUTEI COM TODAS AS FORÇAS PARA CONDUZIR E LEVAR A DUPLA FRED E GUSTAVO AO SUCESSO, E QUE COMO MUITOS CITARAM, ESTÁVAMOS CHEGANDO PERTO DESSE OBJETIVO, GRAÇAS TAMBÉM A FORÇA DE GRANDES PARCEIROS E AMIGOS. MAS, INFELIZMENTE DE UNS TEMPOS PRA CÁ FIQUEI MUITO DECEPCIONADO E INSATISFEITO COM O GERENCIAMENTO E CONDUÇÃO DA DUPLA POR PARTE DO MEU EMPRESÁRIO E MEU PARCEIRO GUSTAVO (DANIEL) E TAMBÉM COMO TUDO MUDOU DESDE QUANDO TOMEI UMA DECISÃO ESSE ANO DE ME CASAR E DE CONSTITUIR UMA FAMÍLIA, MAIS UM FORTE MOTIVO PRA TOMAR UMA DECISÃO. MINHA DECISÃO NÃO É NESSE MOMENTO SEGUIR CARREIRA SOLO, EU ESTAVA TENTANDO CONDUZIR DA MELHOR FORMA PARAR COM MINHA CARREIRA, MAS FUI PEGO DE SURPRESA POIS DE ALGUMA FORMA ISSO VEIO À TONA, NA HORA ERRADA, CONTRA MINHA VONTADE E MUITO MENOS DA FORMA QUE EU NÃO GOSTARIA QUE ACONTECESSE POR RESPEITO À TODOS. VOU ME DEDICAR POR UM BOM TEMPO ÀS COMPOSIÇÕES, À MINHA FAMÍLIA, À MINHA SAÚDE E NÃO TENHO CONDIÇÕES EMOCIONAIS DE SEGUIR ALGUM TIPO DE CARREIRA COMO CANTOR NO MOMENTO, ESTOU SOFRENDO GRANDES PRESSÕES E ESTAMOS EU E MINHA ESPOSA SOZINHOS NESSA! PEÇO PERDÃO À TODOS, COM TODO O RESPEITO, MAS DIGO QUE SOMENTE DEUS, EU E MINHA ESPOSA SABEMOS REALMENTE DA MINHA VERDADE! SÓ O TEMPO MOSTRARÁ. OBRIGADO E UM GRANDE ABRAÇO! ADLIEL (FRED)”.

O que assustou nisso tudo foi a rapidez com que os boatos tomaram forma e se mostraram verdadeiros. Até algum tempo atrás, ninguém esperava a saída de um dos dois do projeto. Foram pouquíssimos meses desde o começo do agravamento da discordância entre as partes até a saída do Diliel desta que muitos consideram a melhor dupla da nova geração sertaneja. Digo “agravamento” porque uma discordância é natural a qualquer dupla sertaneja, principalmente as que contam com vários sócios. Isso, por si só, não representa perigo, exceto se crescer a tal ponto que torne a convivência insuportável. Lembrando uma das mais velhas frases relacionadas às duplas sertanejas, “é como um casamento”. O problema é que as partes discordaram, discutiram, mas ninguém cedeu. Ambos se mantiveram firmes em seus respectivos posicionamentos, o que é respeitável mas mesmo assim acabou representando o fim da parceria. O Diliel deixou a dupla, que continua com o Gustavo e o Fredinho, que pretendem dar seguimento com outra pessoa no lugar do Diliel. Fredinho é o empresário original, detentor da marca.

Aí vem a tal da pergunta lá do começo. Se a dupla que era tida por muitos como o futuro do gênero, os caras que iam carregar o sertanejo nas costas daqui a dois ou três anos, que salvariam a nossa música deste que muitos consideram o nosso pior momento em termos de qualidade, se separa, o que será que sobra para o gênero sertanejo? Aliás, a separação de Fred & Gustavo é a materialização extrema da rixa entre o sertanejo tradicional e o sertanejo comercial. É o melhor exemplo até agora do momento que vivemos. E se a dupla se separou, será que o comercial ao extremo venceu? Ora, se perdemos a dupla que até então era aquela que teoricamente ia melhor se contrapor a isso, é até compreensível que enxerguemos nisso uma derrota do sertanejo mais tradicional.

Para mim, que acompanho a dupla desde que ainda cantavam em duplas diferentes (cheguei a assistir a um show da dupla Dablio & Daniel com a participação de Diego & Diliel aqui em Uberlândia e lembro que fiquei abismado com a qualidade do segundeiro Daniel naquela ocasião, sem falar que a dupla Diego & Diliel era respeitadíssima aqui na região), é um baque. Uma decepção, um tiro de escopeta numa crença pessoal de que a dupla seria a maior do Brasil algum dia, pra ser mais incisivo. Fico ainda mais triste quando lembro que na história da música sertaneja não temos muitos exemplos de duplas que funcionaram depois da saída de um dos membros originais ou de cantores solo que deram certo depois de abandonar a dupla da qual faziam parte se esta dupla já era bastante conhecida pelo mercado, apesar de que o próprio Diliel disse na declaração que postei acima que não pretende seguir carreira solo por enquanto. mesmo assim, a probabilidade de que tanto o Diliel quanto a dupla Fred & Gustavo (já com o novo Fred) entrem nestas estatísticas é grande. Eu, obviamente, torcerei para que isto não aconteça e para que ambos obtenham sucesso em suas respectivas empreitadas. E acima de tudo, que a futura dupla Fred & Gustavo consiga se manter fiel ao legado respeitabilíssimo conquistado pela dupla original.