Fred Liel celebra o próprio talento e a história recente do sertanejo no seu primeiro DVD solo

Fred Liel celebra o próprio talento e a história recente do sertanejo no seu primeiro DVD solo

Na minha jornada de 4 DVDs em 7 dias, acompanhei na terça passada a gravação do primeiro DVD solo de um dos maiores talentos da música sertaneja atual: Fred Liel. Gravado na Valley Acoustic Bar, em Campo Grande, o DVD trouxe o Fred no formato no qual as pessoas mais adoram vê-lo: acústico, com um violão na mão. É neste formato que todos os incríveis talentos desse fenômeno são melhor explorados, isto é, a interpretação, a composição e a habilidade no violão.

O DVD nasceu com uma brincadeira que caiu na web com o título “Acústico na Fazenda”, no qual o Fred Liel interpretava durante uma resenha só em voz e violão uma infinidade de clássicos do sertanejo e diversas canções inéditas e que acabou bombando principalmente junto ao público que gosta de ouví-lo cantando. O sucesso da brincadeira deu gás ao Euler Coelho, figura chave na história recente da música sertaneja, que peitou o projeto e ainda tocou violão no DVD. O “disco” havia sido gravado em sua fazenda.

Um outro aspecto interessante que esse DVD acabou ganhando foi o de registro histórico em homenagem ao começo do movimento universitário da música sertaneja. É que o Fred Liel tem mais importância nesse período do que alguns podem saber. Além de fazer parte da dupla Diego & Dillyel, ele chegou a tocar violão para uma dupla que estava começando a carreira em Itumbiara. Uns tais Jorge & Mateus. Fora que ele é um dos compositores da música “Sufoco”, inicialmente gravada pelo Luan Santana mas que foi considerada o marco inicial da mudança na sonoridade da música sertaneja quando gravada por João Bosco & Vinícius. Foi a primeira música produzida pelo Dudu Borges a ganhar destaque.

Ainda sobre o aspecto histórico, o DVD também reúne, em um mesmo projeto, diversos personagens importantes nesta fase contemporânea do sertanejo. Além do próprio Fred e do Euler Coelho, que compôs “Chora me Liga” e emplacou a dupla João Bosco & Vinícius (o que por si só já o torna essencial para o sertanejo nos últimos 11 ou 12 anos, pelo menos), o DVD traz as participações de Jorge & Mateus, Cesar Menotti & Fabiano e dos próprios João Bosco & Vinícius, simplesmente as três principais duplas da fase universitária do sertanejo. Sem falar da participação do Diego Damasceno, parceiro do Fred na dupla Diego & Dillyel e que também é responsável por diversos sucessos nos últimos anos como compositor, além de ser responsável por uma das editoras mais atuantes do mercado. Também participou do projeto a dupla Beto & Lenon.

A simplicidade do DVD acabou sendo uma de suas principais qualidades. A direção de arte aproveitou basicamente o já belo cenário da casa, que conta com uma decoração rústica e totalmente sertaneja. Para terminar de compor o cenário, foram acrescentados alguns elementos como discos de vinil antigos e outros que remetem à história da música sertaneja. E tudo o que vai ser ouvido na versão final do disco foi gravado ali, ao vivo. Não houve qualquer instrumento musical pré-gravado, como é de costume em 10 de cada 10 DVDs. E foram apenas os instrumentos básicos do formato acústico: bateria, 3 violões, sanfona e baixo.

Sobre o repertório, por conta do “Acústico na Fazenda” ficou a impressão que este seria um DVD basicamente de releituras, mas no fim das contas elas foram apenas uma pequena parte do projeto. Foram regravadas canções como “Faz mais uma vez comigo”, “Laço Aberto”, “Deus me Livre”, “Na hora H”, “Nem é bom lembrar”, entre outras. O disco acabou sendo principalmente de canções inéditas, o que também é motivo para celebrar, já que o talento do Fred Liel como compositor também é incontestável. Também foram incluídas músicas de outros compositores, mas a maioria das músicas são de autoria dele em parceria com a esposa Débora Xavier e com o Euler Coelho. Destaque para “Ladra de Corações”, “Camisola de Vento” e para a música gravada com Jorge & Mateus, cujo nome esqueci de anotar, hehe.

Um dos momentos mais emocionantes da gravação, principalmente para mim, que vivi essa época e acompanhei de perto, foi o revival da dupla Diego & Dillyel, com o Diego tocando gaita e a dupla interpretando “Por quanto tempo”, uma das músicas de maior sucesso da dupla na época. O Fred Liel ficou visivelmente emocionado ao fim da música.

Um projeto absolutamente simples, mas que faz jus ao artista incrível que o protagonizou. Ao permitir que o Fred explorasse seus principais talentos, o disco vai evitar a pressão do mercado de ser absolutamente comercial, como acontece na maioria dos casos. É claro que há canções comerciais, mas o projeto se destaca mesmo pela interpretação do Fred e pela enorme qualidade das suas composições, que são no fim das contas as suas duas principais armas e que fazem dele um dos mais completos e incríveis artistas da música sertaneja na atualidade. Vai agradar muito quem gosta de música boa e bem cantada.

Abaixo, algumas fotos da gravação, tiradas por Deivid Correia.

Deixe seu Comentário

seu endereço de e-mail não será publicado.