Fui expulso do camarim do Luan

Sim. Expulso.

A história começa há alguns dias. Como alguns devem saber, essa semana teve início em Uberlândia o CAMARU, tradicional festa agropecuária organizada pelo Sindicato Rural da cidade. A exemplo do ano passado, solicitei credenciais para acompanhar o evento e falar sobre o referido aqui no Blognejo, afinal de contas o calendário de shows esse ano deixa no chinelo muitas festas importantes que acontecem ao redor do Brasil. Seria interessante para os leitores do Blognejo acompanharem a rotina e as matérias que porventura fossem postadas por aqui.

Acontece que esse ano o esquema para atendimento à imprensa e para credenciamento de veículos como o Blognejo estava um pouco diferenciado. Para ser credenciado, o site teria que fazer uma propaganda prévia do evento. Se não fizesse propaganda, nada de credencial. E para atendimento no camarim, houve um sorteio no qual os artistas atenderiam apenas determinados veículos. Ou seja, cada site poderia falar apenas com o artista para o qual foi sorteado. Sério. O motivo para essas determinações é algo que ainda busco entender.

Eu simplesmente não havia atendido a nenhuma das determinações. Primeiro porque propaganda tem que ser paga, em qualquer veículo que seja. Não dá para fazer propaganda de um evento para receber como pagamento o direito de fazer uma cobertura do mesmo. O interesse é deles, oras. Também não enviei meus dados para sorteio de atendimento no camarim. Imagina se eu fosse sorteado para um dia de show de pagode. Ia adiantar alguma coisa para o Blognejo? Como resultado desse meu posicionamento contrário às determinações, acabei não sendo credenciado para o evento num primeiro momento. Alegaram que eu não preenchia os requisitos. Por intermédio da Paranaíba FM, no entanto, acabei conseguindo o credenciamento. Quando liguei para a assessoria de imprensa do evento, fizeram até uma piadinha com o fato: “acabou conseguindo, hein”.

Munido das credenciais, comecei a acompanhar os shows. Ontem aconteceu o primeiro: Zezé di Camargo & Luciano. Fiquei na porta do camarim um bom tempo para conseguir um possível atendimento, mas não tive sucesso. E o pior é que nenhum dos veículos que estavam lá na mesma situação conseguiram. Mais tarde, vi a assessora de imprensa do evento chamando uma moça de um site que tbem estava lá trabalhando. E foi só ela que conseguiu, mais ninguém.

Hoje, show com Luan Santana. Por intemédio novamente da Paranaíba FM, consegui entrar na área dos camarins. Fiquei junto com outros veículos de imprensa aguardando o atendimento. A equipe do artista permitiu apenas que os veículos presentes fizessem imagens de cima do palco durante algumas canções do show. E só isso. Nada de atendimento dentro do camarim. Só fãs. Consegui falar inclusive com a assessora de imprensa do próprio Luan Santana, que informou que esse era um procedimento utilizado por eles em todos os eventos, mas que nos seria permitido fazer algumas imagens de cima do palco.

Passados alguns minutos, o segurança da equipe informou que nem as fotos seriam mais permitidas. Apenas veículos de rádio e TV teriam o acesso permitido ao palco. Nada de sites. A assessoria do evento solicitou então que se retirassem dali os profissionais de site, alegando que eles seriam convocados novamente dali a alguns instantes. Acontece que, nesse momento, não vi ninguém arredando o pé. E outra: se eu saísse era óbvio que não entraria de novo.

Qual a postura que adotei? Me posicionei feito uma planta e ali fiquei. Dali eu não sairia a menos que me fosse apresentado um bom motivo. Isso foi o suficiente para que a assessora de imprensa do evento já se exaltasse e começasse a falar comigo num tom alterado de voz. Detalhe: era a mesma assessora que me negou as credenciais no primeiro momento e que fez piadinha quando eu consegui as mesmas. Para evitar mais contratempos, fui para a porta do camarim, mas não do lado de fora. Fiquei aguardando para ver se realmente chamariam os sites para fazer as imagens que precisassem. Eu já nem queria saber de falar com Luan Santana nem nada.

Nesse momento, eis que vejo junto aos veículos de rádio e TV uma pessoa que trabalhava para um site e não para uma rádio ou emissora de televisão. A mesma que havia conseguido ser atendida no dia anterior pela dupla Zezé & Luciano. Isso foi o bastante para eu voltar para o mesmo lugar de antes e atiçar ainda mais a raiva da assessora de imprensa do evento. Tudo o que eu queria, afinal, era trabalhar em condições de igualdade com os outros veículos que, teoricamente, estavam na mesma situação que eu. Ora, se um site poderia fazer o serviço, porque outro não poderia? Não queria nada a mais que ninguém, eu queria apenas igualdade de condições.

A assessora do evento disse, então, que eu não seria mais atendido em hipótese nenhuma porque não cumpri o que havia sido determinado, ou seja, não saí do local quando mandaram que eu saísse. Diante da minha continuada recusa em sair do local, e utilizando novamente o nome da Dagmar (assessora do Luan), a assessora do evento convocou o segurança da equipe do artista, que pediu reforço policial e veio até mim para me conduzir de vez para fora do local.

Antes que eu fosse educadamente escoltado para fora da área de camarins, diante dos olhares abismados dos outros profissionais de imprensa ali presentes e obviamente humilhado, saquei a câmera e tirei fotos dos policias que me escoltaram e do segurança da equipe, que tapou a cara, hehe. Já do lado de fora da referida área, acompanhei o show.

Ficou ali a dúvida quanto ao real motivo da humilhação que sofri. Será que foi culpa da assessoria do Luan Santana? Será que foi por causa DISSO AQUI? Ou DISSO AQUI? Ou será que foi um boicote da assessoria de imprensa do evento, que infelizmente não conhece o trabalho desenvolvido aqui no Blognejo? O que fica é a dúvida e a incompreensão quanto ao exagero na abordagem, que acabou culminando na minha expulsão do referido local. Será que realmente minha atitude diante da evidente injustiça que estava sendo cometida justificava uma expulsão com a utilização até de policiais militares? E o saco de quem eu teria que ter puxado para ser atendido com educação?