Gusttavo Lima e sua quase aposentadoria

Gusttavo Lima e sua quase aposentadoria

Na semana passada o assunto nos Trending Topics Sertanejos, rs, foi uma declaração inesperada do Gusttavo Lima durante um show em Iporé-SP, na qual ele alegava que estaria cansado e que aquele provavelmente seria seu último show. Alguém filmou a tal declaração e postou no Youtube e na segunda-feira o vídeo pipocou nas redes sociais e, consequentemente, nos principais veículos de imprensa, sertanejos ou não. Para quem não viu o tal vídeo, ei-lo:

Como era de se esperar, essa declaração causou rebuliço. Aliás, sem querer fazer comparações com episódios recentes mas já fazendo, tudo isso só mostra mais uma vez o quanto o público é impressionável e o quanto a imprensa é sensacionalista. O público por pura inocência, a imprensa por puro oportunismo. Bastou um pequeno desabafo de um jovem artista provavelmente esgotado por conta de sua agenda de mais de 20 shows mensais, sem férias há sei lá quanto tempo, que todo mundo já começa a acreditar ou fazer os outros acreditarem que o que foi dito por ele realmente ia acontecer.

Para apaziguar os ânimos, pouco tempo depois da divulgação do vídeo o Gusttavo Lima emitiu uma declaração através de sua página oficial no Facebook, dizendo o seguinte:

gusttavo

Não me manifestei na semana passada porque estava esperando para ver até onde iria a repercussão do caso, já que na quinta-feira o Gusttavo Lima faria dois shows em São Paulo, um deles no Credicard Hall, com imprensa presente em peso. Obviamente esse assunto seria abordado em entrevistas, como de fato foi, e tudo seria devidamente esclarecido. Cobraram de mim uma opinião a respeito do assunto através do Twitter. Pois bem. Cá estamos nós.

Batendo novamente na tecla da inocência do público e no oportunismo sensacionalista da imprensa, faço a vocês leitores uma pergunta, sem entrar em nenhuma teoria conspiratória: será que o Gusttavo Lima deixaria mesmo de cantar assim de um dia para o outro? Será mesmo que ele simplesmente entrou no palco aquele dia resolvido a fazer seu último show? Será que ele simplesmente deixaria de honrar todos os compromissos marcados para depois daquela data? A meu ver, nenhum artista cometeria um erro tão grande assim sem pelo menos tomar as devidas precauções.

É uma questão de lógica, ora bolas. Se essa declaração fosse fruto de uma decisão muito bem analisada e não apenas de um desabafo momentâneo feito por conta de uma possível estafa, é óbvio que as coisas aconteceriam de forma diferente. Não é simplesmente subir no palco e dizer: “a partir de amanhã não canto mais”. Ainda que a imprensa tenha resolvido pintar o fato como se assim fosse.

Gusttavo Lima é um artista muito jovem, ainda mais se comparado aos veteranos do sertanejo. E, mesmo jovem, ele acumula nada menos que 14 anos de carreira. Recentemente, perdeu uma irmã. Não vê a família tanto quanto gostaria. Por mais bobo e demagogo que pareça, por trás da carapaça do artista, do produto da mídia, existe uma pessoa, um filho, um irmão. Uma hora ou outra, essa vontade de levar uma vida um pouco mais tranquila, mais próxima dos entes realmente queridos, longe dos bajuladores que o próprio Gusttavo Lima já declarou abominar em recentes declarações no Twitter, pode simplesmente bater um pouco mais forte. O único erro, se é que isso pode ser considerado um erro, foi ter falado sobre isso durante um show, perante um grande público.

Imagina o quão ruim para um artista deve ser assistir ou ler veículos da imprensa marrom toda semana dizendo coisas ou mostrando fatos que jamais existiram, ou, se existiram, que não significaram absolutamente nada, apenas porque o cara atrai audiência. É um tal de “Gusttavo Lima está chateado com a noiva porque ela tirou fotos sensuais”, “Gusttavo Lima fuma cigarrinho suspeito”, “Gusttavo Lima está brigado com Jorge & Mateus”, “Ex-affair de Gusttavo Lima mostra mensagens enviadas pelo cantor e garante que ficou com ele”, etc, etc, etc e etc. Infelizmente, a área da “fofoca” na imprensa brasileira está cada vez mais próxima da americana.

Até pouco tempo atrás, ainda havia um certo respeito à intimidade do artista. Agora, a ordem é dissecar a imagem de quem está em alta na mídia até que nada mais possa ser sugado dali. E se o artista ousar em reclamar, os veículos de fofoca passam da noite para o dia a queimar a imagem do mesmo numa espécie de vingança ou simples demonstração de força. “Se não nos deixar falar de você da forma como queremos, a gente acaba com a sua carreira“. Isso já acontece há tempos nos Estados Unidos. Por isso vemos princesinhas do pop ficando loucas a ponte de rasparem a cabeça, só para citar um exemplo.

O Gusttavo Lima cresceu na mesma região onde a minha família foi criada, nos arredores de Patos de Minas. Um de seus empresários, inclusive, que é da mesma região que ele, foi aluno do meu pai, vejam só. Essa região, assim como diversas outras do Brasil, é uma região de gente extremamente simples, humilde. Imagina só como é para um garoto criado na roça sair de um ambiente assim para se tornar assunto nas revistas de fofoca e coisas do gênero. Juntemos isso à quantidade de shows que ele faz por mês e ao fato de que a sua equipe não tira férias há um tempinho razoável. Seria necessária uma equipe de psicólogos acompanhando o artista e sua trupe na estrada para que ele pudesse lidar com tamanha exposição e intensa rotina de trabalho sem se deixar abater. Fora as milhares de teorias conspiratórias que surgem cada vez que um episódio como esse pipoca na mídia. É, de fato, muito difícil lidar com a fama. Principalmente quando se é jovem.

Para uma coisa, pelo menos, serviu esse desabafo do Gusttavo Lima. Ele já declarou que a partir de agora fará questão que pelo menos uma pessoa de sua família esteja presente durante sua turnê. E daqui a algum tempo pretende diminuir o ritmo de shows. Não agora, afinal de contas mesmo com o cansaço, o stress e o abalo emocional, ele e não apenas seus empresários sabe que o momento positivo da carreira de ser muito bem aproveitado. Pode ser que um dia chegue mesmo a hora de parar ou de pelo menos dar uma pisada no freio. Só não é agora.