Mais uma perda irreparável: Inezita Barroso morre aos 90 anos em São Paulo

Mais uma perda irreparável: Inezita Barroso morre aos 90 anos em São Paulo

No dia internacional da mulher, e menos de uma semana após a morte do mito Zé Rico, a música sertaneja e caipira sofre mais um baque irreparável: a cantora e apresentadora Inezita Barroso faleceu na noite de domingo no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde estava internada há alguns dias por conta de uma infecção urinária.

Há mais de 30 anos ocupando o honroso posto de apresentadora do Viola Minha Viola, o mais importante programa voltado à música caipira, Inezita Barroso era conhecida também por canções como “Marvada Pinga” e pela opinião forte quando o assunto era a “nova música sertaneja”, que ela criticava desde os anos 90.

A morte de Inezita acontece numa data marcante, o dia internacional da mulher. Nada mais digno, já que estamos falando da mais importante mulher da cultura caipira. E poucos dias após ela completar 90 anos.

Em uma semana, a música sertaneja perdeu dois grandes expoentes de seus respectivos gêneros, considerados por muitos os maiores nas respectivas áreas. Esta semana eu posto algo mais detalhado a respeito, como cada um deles merece.