Na Estrada – A consagração de Henrique & Juliano na gravação do novo DVD

Na Estrada – A consagração de Henrique & Juliano na gravação do novo DVD

É fato que o projeto Henrique & Juliano foi um dos mais bem sucedidos de 2013. Com mais de um acerto em um DVD teoricamente barato e pelo menos um megahit no repertório, a dupla realizou um dos melhores trabalhos da última temporada, agradando radialistas, com músicas grudentas mas que fugiam do padrão “modinha” que dominou o primeiro semestre do ano passado, e contratantes, com uma alta média de público e receita. Enfim, dois fatores que nos dias de hoje são cada vez mais raros de serem encontrados em um único artista ou dupla.

O sucesso daquele projeto, gravado em novembro de 2012 (!!!), acabou adiando bastante a gravação de um novo disco. Nada mais justo, claro, já que o disco ainda tinha muito a oferecer, como de fato ofereceu. Em contrapartida, o projeto seguinte deveria fazer valer a pena todo esse tempo entre uma gravação e outra. Ainda mais levando em conta que a dupla não lançou nenhum single nesse meio tempo, trabalhando apenas as músicas do DVD.

Acontece que ao final da gravação realizada no dia 12/04, em Brasília, todas essas preocupações caíram por terra. O projeto gravado ali de cara já se mostrou um dos mais promissores desta temporada. Um destes DVDs onde tudo dá certo.

A dupla escolheu como local de gravação o anel interno do Estádio Nacional, popularmente conhecido como Estádio Mané Garrincha. O simbolismo que envolve o local (um estádio de Copa em ano de Copa) já vai ser, com certeza, uma propaganda e tanto, principalmente se o resultado dos jogos forem positivos. Pelas consequências políticas e econômicas da Copa talvez nem tanto, mas isso não é assunto pra esse post ou pra esse blog.

O espaço do anel interno do estádio destinado à gravação e a eventos como shows e etc já possui por si só uma decoração que cai bem no vídeo, com um dos lados todo espelhado e uma área em curva, com o palco meio escanteado, o que pode ser um dos grandes diferenciais do DVD. A quantidade de pessoas presentes à gravação também surpreendeu. Era tanta gente que o espaço para convidados acabou tendo que ser montado na área atrás do palco, com um telão ligado à PGM, que é aquela pré-edição já feita em tempo real do DVD, para que houvesse mais espaço para o público na frente do palco.

O comparecimento maciço do público brasiliense não condizia, entretanto, com o respeito de uma parcela deste mesmo público. A gravação foi interrompida dezenas de vezes por conta de algumas moças de péssima educação (e alguns homens, até) que insistiam em subir no palco, talvez para aparecer para as milhares de pessoas presentes à gravação, o que talvez desse mais certo com uma melancia pendurada no pescoço ou algo assim. Depois de certo tempo, a galera já vaiava as aparecidas. Fora isso, alguns outros idiotas ficavam jogando bombas (daquelas extremamente barulhentas e que produzem muita fumaça) no meio do público, assustando boa parte dos presentes e causando alguns contratempos. Mas mesmo com os atrasos provocados por estes episódios, a gravação correu normalmente. O cenário também promete ser um dos grandes diferenciais do projeto.

Com o palco escanteado, a decoração acabou ganhando um formato inusitado, com uma disposição à esquerda do vídeo. A direção de vídeo e do Fernando Trevisan, o Catatau. A parte musical, dirigida pelo Eduardo Pepato, obedece à boa e velha máxima de que “em time que está ganhando não se mexe”, seguindo o mesmo padrão bem sucedido do DVD anterior, também produzido por ele.

O repertório também foi um dos grandes prós. Quem ficou preocupado com a continuidade dos acertos por parte da dupla pode se surpreender com a quantidade de músicas com potencial de hit incluídas no repertório deste DVD. Em uma comparação rápida do repertório deste DVD com o do anterior, há mais músicas românticas no novo disco. Mesmo assim, as românticas incluídas aqui são do mais alto nível possível. E as agitadas, assim como no projeto anterior, mantiveram a mesma linha daquele DVD, com temas irreverentes e letras chiclete, mas inteligentes, como já se viu em “Não tô valendo nada” e “Tá namorando e me querendo”.

A gravação acabou sendo uma grande consagração para a dupla. Sucesso de público, repertório ótimo, cenário incrível, musicalmente impecável. Com dezenas de contratantes e radialistas presentes, testemunhas do sucesso do evento, é bem provável que a dupla continue nesse mesmo pique de crescimento constante que já os acompanhe desde o hit “Não tô valendo nada”. Engraçado, entretanto, que a dupla conquistou tudo isso sem o apoio da mídia e, mesmo já sendo uma realidade no mercado, essa mídia ainda não faz muita questão de enxergá-los. Alguns grandes veículos de imprensa convidados para o evento simplesmente declinaram do convite, alegando outros compromissos. A velha história do “se não tá na mídia, não faz sucesso”. Hehe, ainda bem que o Brasil é gigantesco, né? Henrique & Juliano que o digam. Se mesmo não tendo chegado à “grande mídia” os caras já são um dos maiores êxitos comerciais do atual mercado sertanejo, imagina quando chegarem.