Na Estrada – Janaynna retorna com pompa e grandes participações em novo DVD

Na Estrada – Janaynna retorna com pompa e grandes participações em novo DVD

Não é exagero e nem indelicadeza dizer que a Janaynna andou sumida dos holofotes. Desde a canção “A carne é fraca”, que ela gravou com Jorge & Mateus e que foi bem trabalhada nacionalmente, não houve muita atenção voltada a ela. Não tanto quanto na época do lançamento do seu trabalho, com a música “Sacanagem Tua” e uma certa expectativa em torno de uma continuidade do projeto.

Muita gente que já dava o projeto dela por encerrado (já que na música sertaneja boa parte das pessoas acham que se sumiu da mídia nacional a carreira acabou) com certeza tomou um susto, no entanto, quando foi anunciada a gravação do seu novo DVD. Ancorada pela equipe responsável pelo gerenciamento das carreiras de grandes nomes do pagode como Raça Negra e Pixote e por uma grande casa de shows da cidade de São Paulo, a “Coração Sertanejo”, a própria Janaynna parecia bastante aliviada ao dizer, numa das primeiras frases que ela soltou durante a gravação do DVD, uma frase que resume bem esse momento: “eu voltei”.

Realmente, é um retorno e tanto. Na verdade, mesmo com tudo o que envolvia aquela fase anterior da sua carreira, esse parece ser um momento ainda melhor. Ainda com o marido Carlos Dias, da antiga formação do Tradição, como braço direito, Janaynna parece contar, agora, com uma estrutura ainda melhor do que a que já contava, e com uma equipe já muito bem quista no circuito musical, mesmo não tendo ainda tanta experiência no segmento sertanejo.

Prova disso é a quantidade e o nível das participações especiais neste novo projeto. Fora o jovem cantor Éder Brandão, outra aposta do mesmo escritório, o DVD contou com nomes de peso como Eduardo Costa, Léo Magalhães e Cristiano Araújo, além do Luiz Carlos, vocalista do Raça Negra. O DVD também serviu para consolidar a casa “Coração Sertanejo”, que recebeu o evento, no circuito de casas temáticas. Mês que vem tem show da Paula Fernandes por lá, vejam só.

Feitas as devidas observações quanto ao caráter administrativo desta nova empreitada da Janaynna, passemos à parte musical. Se em uma fase anterior a Janaynna ainda tinha resquícios da era universitária da música sertaneja, desta vez a ideia parece ser trazê-la para uma realidade mais contemporânea, com o “brega” em alta. Reparem bem nas aspas, afinal faltam adjetivos para definir melhor o atual momento do sertanejo, com o arrocha nordestino e a bachata cada vez mais em alta. O “brega”, numa conotação nada perjorativa, parece ser a melhor definição.

A participação do Léo Magalhães e do Eduardo Costa, dois dos maiores ícones do sertanejo “de periferia”, e do Cristiano Araújo, que mesmo sendo mais eclético flerta muito com essa vertente da música sertaneja, só reforça essa tese. Apesar de eu não ter ficado até o final da gravação, o que eu pude ver e ouvir até aquele momento foi uma Janaynna muito mais voltada ao povão, à classe C, do que outrora. Mesmo assim, ainda houveram alguns momentos que remetiam à Janaynna de antes, com músicas numa levada mais pop e juvenil. Mas o rumo era obviamente mais para o brega.

Entre os músicos, diversos remanescentes de diversas formações do Tradição, como Carlos Dias, Jeffinho e Anderson Nogueira, revezando na bateria com o Wlájones, que assinou a produção do disco, o que garantiu uma pegada mais swingada às músicas. A direção visual do Anselmo Troncoso talvez tenha pecado somente na concepção do cenário, que muita gente observou ser bastante parecido com o do DVD “In The Cities”, que o Cristiano Araújo gravou há poucas semanas, apesar da proporção bem menor em termos de tamanho. A beleza da Janaynna, que sempre foi um dos seus maiores trunfos, continua sendo bem explorada, com roupas que valorizam as pernas e exaltam a sensualidade.

É gratificante ver provas como essa de que, de fato, não se deve “chutar cachorro morto”. Todo mundo que convive nos bastidores da música sertaneja sabe que é comum ver gente decretando o fim de uma carreira só porque o referido artista anda meio sumidinho. Um monte de gente que acha que entende tudo de mercado mas não entende bulhufas. O pior é que ainda fica torcendo pro artista dar errado só pra depois poder dizer “tá vendo, falei que num virava mais”. Ninguém pode prever o futuro, mas pelo que se viu na segunda-feira passada no Coração Sertanejo, tem muita gente trabalhando em prol da Janaynna para que isso não aconteça.

Abaixo, algumas fotos do grande fotógrafo Leco Viana, parceiro do Blognejo.