O Mato Grosso exporta Tião Carreiro

O Estado do Mato Grosso nunca foi um celeiro de artistas sertanejos e poucos são os nomes reconhecidos nacionalmente. Um desses nomes é Zé Henrique, da dupla Zé Henrique & Gabriel. Recentemente dois nomes lá do Mato Grosso ganharam destaque no cenário nacional, e muito pelo seu estilo diferenciado de cantar: João Carreiro & Capataz.

O jeitão rústico da dupla levou muita gente a compará-los com o saudoso Tião Carreiro. As modas em tons graves e marcantes na voz de João Carreiro, 28, fã de Tião, agradaram jovens e conservadores e acabaram por chamar a atenção da Som Livre. A dupla assinou com a gravadora e já teve sua música “Bruto, Rústico e Sistemático” na trilha de uma novela Global. João Carreiro & Capataz ganharam assim o título de “Os Brutos do Sertanejo”.

novo-tiao-carreiro

Porém, João Carreiro & Capataz não são os primeiros no Mato Grosso a cantar imitando o estilo de Tião Carreiro. Em 2005 os jovens Mayck & Lyan se apresentaram pela primeira vez no Programa Raul Gil. O dedilhar da viola de Lyan aliado à voz grave de Mayck remetiam á lembrança o saudoso mestre violeiro. Por essas características ficaram quase três anos no ar e lançaram 2 CDs e 1 DVD. Hoje Mayck & Lyan preparam um novo trabalho, mais uma vez com a marca que fez da dupla uma das mais jovens e importantes do estado.

Outra dupla Matogrossense a se inspirar no mineiro Tião Carreiro é Victor & Mateus. A forte influência do pagode de viola na vida dos rapazes fez surgir canções belíssimas como “Belezas do Brasil” e “Tradição Sertaneja”, presentes em seu primeiro CD. Mais uma vez a voz grave aliada a uma poderosa viola caipira não deixam morrer a incomparável música raiz. Com um novo trabalho a caminho produzido por Dudu Borges, as modas mais uma vez tem destaque.

Apesar de toda a influencia POP, das músicas internacionais, e do novo sertanejo, o Mato Grosso ainda guarda as suas raízes mais rústicas e tradicionais. Pelos confins de terra que fazem fronteira com o estado, entre as grandes fazendas criadoras de gado e o Pantanal é muito comum os moradores ouvirem os modões. É assim como para o povo paulista, uma forma de identificação com as coisas da natureza e a simplicidade da roça. De crescerem ouvindo as canções, as crianças carregam pela vida toda a influência de Tião. Foi exatamente isso que aconteceu com a duplas citadas acima.

Mas o Mato Grosso não se resume apenas a Tião Carreiro e seu pagode. A “Polca”, influência deixada pelos paraguaios presos em Cuiabá durante a Guerra do Paraguai e o “Rasqueado Cuiabano” do Trio formado por Henrique, Pescuma & Claudinho também são grande paixão do povo Matogrossense. Os ritmos apesar de pouco conhecidos fora do estado influenciaram grandes nomes da música sertaneja moderna como Zezé & Luciano, Guilherme & Santiago e Gino & Geno.

claudinho-pescuma-e-henrique1

Com o destaque que vem ganhando a dupla João Carreiro & Capataz, é possivel que o estilo de Tião Carreiro ganhe cada vez mais adeptos Brasil afora. É provavel que além de Maick & Lyan e Victor & Matheus logo surjam outros nomes, principalmente no Mato Grosso. A idéia agrada em cheio os apaixonados pela boa moda de viola. Já imaginou um dia o pagode caipira no topo das paradas? Seria a consagração da legítima música sertaneja. Por essa nem o próprio Tião Carreiro poderia sonhar.