Pacheco: de hitmaker a aposta ousada

Pacheco: de hitmaker a aposta ousada

Há algumas semanas, estive em Goiânia para acompanhar a gravação do primeiro DVD de um artista que ainda não tinha feito sua estreia em um palco. Bem, não como artista solo. Outrora membro da dupla Thallys Pacheco & Rafael, o mineiro que agora passa a assinar apenas “Pacheco” se destacou nos últimos tempos numa outra atividade: a de compositor.

Autor de hits como “Mexidinho” (Maiara & Maraísa), “O nosso santo bateu” (Matheus & Kauan), “Gaguinho” (Hugo & Thiago), “Esse copo aqui” (Gusttavo Lima), “Feinho” (Edson & Vinícius), “Pindaíba” (Guilherme & Santiago), “Maior que o oceano” (Thiago Brava), “Se beber curasse” ( Cristiano Araújo), “Eu tô com você” (Fred & Gustavo), entre outros, ele acabou se consagrando de verdade após emplacar cinco músicas no mais recente e elogiado DVD da dupla Jorge & Mateus. São dele “Sosseguei”, “Antônimos”, “Paredes”, “Depois do jantar” e “Cenário Ideal”.

Apesar de compor boa parte de suas músicas em parceria com outros compositores, uma de suas mais marcantes características é a facilidade que ele tem de compor grandes canções sozinho, algo cada vez mais raro nos atuais tempos de composições em grupo. Boa parte das músicas citadas acima são apenas dele. E chama a atenção, também, a facilidade que ele tem de passear por diversos temas e escrever sobre coisas que, geralmente, outros compositores não julgariam conveniente. Afinal, é mais seguro compor sobre algo que o povo já está “acostumado” a ouvir, né? Mas o Pacheco parece não ligar muito pra isso, o que rende canções totalmente fora dos padrões.

Mas é provável que foi justamente essa ousadia que chamou a atenção do empresário Wendell Vieira (da Nuxx) e do próprio Jorge. Se um cara que compõe uma música brincando com a deficiência de fala de um pobre rapaz gago que só queria se divertir, ou sobre uma moça que chega em casa na ponta dos pés pra não acordar o marido e acaba sendo pega no flagra, mas evita a briga usando o bom e velho charme, consegue ao mesmo tempo falar de amor com uma ingenuidade tão marcante quanto em “Sosseguei” ou numa letra complexa como “Antônimos”, realmente ele tem algo a mais.

Daí a ideia deste DVD. Com 23 das 24 músicas gravadas sendo de autoria própria, o DVD realizado em um haras nos arredores de Goiânia (que também recebeu o DVD da dupla Hugo & Guilherme), com produção do Maestro Pinocchio (que foi quem abriu as portas para as primeiras composições do Pacheco junto a artistas maiores), vai trazer o artista cantando justamente essa ousadia de temas. E como se não bastasse ele ter essa característica marcante nas composições, o seu timbre vocal também acaba sendo ainda mais surpreendente e inusitado.

Com uma voz que remete muitas vezes a nomes como Amado Batista ou Eros Ramazotti (é sério), mas com um jeito de cantar arrastado característico da geração pós Jorge, ele acaba fugindo do convencional e trazendo ainda mais ineditismo em seu trabalho. Acaba sendo, por causa dos temas e timbre, facilmente comparável a nomes como Belchior, Zé Ramalho e outros, mas defendendo a bandeira do nosso gênero.

Parece absurdo, né? Mas não é. Realmente funciona. E se gravar um DVD parece uma atitude meio apressada, ainda mais se levarmos em conta que as pessoas ligadas ao projeto costumavam usar como estratégia a “maturação” do artista até que ele estivesse de fato preparado pra um DVD, a nova metodologia aplicada parece ter levado em conta a nova realidade do mercado. Esperar pra quê, afinal, se a melhor forma de maturar um artista é mesmo o botando pra trabalhar? Que o digam Bruno & Barretto, Marília Mendonça e outros.

A aposta é deveras ousada. Pacheco é diferente tanto nos temas de suas músicas quanto na sua voz. Daqueles “diferentes” que costumam ser massacrados nos primeiros meses ou abraçados pelo público de forma unânime logo de c e que quando estouram acabam reinando sozinhos. Mas é do tipo de artista que agrega muito ao gênero sertanejo, saindo do eterno mais do mesmo e apresentando um trabalho de fato inédito e com identidade.

Abaixo, algumas fotos da gravação. Jorge & Mateus, é claro, participaram do DVD.