Review – Bruno & Marrone – Pela Porta da Frente

Review – Bruno & Marrone – Pela Porta da Frente

A decisão mais acertada dos últimos anos da carreira de Bruno & Marrone foi resgatar o estilo que os havia consagrado a partir de 2001 e que havia sido perdido numa série de 3 discos, digamos, estranhos. No “Acústico 2”, o problema era a inclusão de várias músicas que não condiziam com o tema do DVD e com o bom gosto dos arranjos e das interpretações das canções românticas. No “De volta aos bares”, que foi bem aceito pelo público por causa do resgate de diversas canções clássicas e do cenário sensacional, o problema era o desespero em tornar “universitárias” algumas músicas que não precisavam de tal modernização, como “Favo de Mel”, “Duas Vezes você”,”Te amo e não te quero” e outras. Essa modernização forçada das músicas foi percebida com ainda mais evidência no disco seguinte, “Sonhando”, que apesar de ser um disco de músicas inéditas, trouxe diversas canções que pareciam ter sido concebidas numa determinada vibe, mas que foram modificadas para se adequarem ao que acreditavam ser mais comercial. O exemplo claro na ocasião era a música “Tentativas em vão”, originalmente um forró, mas que se transformou numa baladinha acelerada no referido disco.

Depois disso, então, parece que se deram conta do que estava acontecendo. O disco “Juras de Amor”, o primeiro da dupla produzido pelo Dudu Borges, não só resgatou o “estilão Bruno & Marrone”, com interpretações fantásticas, como também o próprio prestígio que a dupla havia conquistado mas que estava correndo o risco de começar a perder. O resultado foi um disco sensacional, para o qual 10 em cada 10 profissionais de música sertaneja pagaram pau.

O passo seguinte, claro, seria um DVD que consolidasse essa retomada do estilo da dupla Bruno & Marrone. Um DVD seria a oportunidade de resgatar o que não havia sido possível trazer de volta no disco “Juras de Amor” e valorizar ainda mais os elementos já evidenciados naquele disco. Musicalmente, foi o que de fato aconteceu. Além de continuar valorizando ao máximo a principal característica da dupla Bruno & Marrone (a sempre fantástica interpretação do Bruno), o DVD, que traz novamente a assinatura do Dudu Borges na produção e nos arranjos, trouxe de volta os momentos acústicos que consagraram a dupla, com os dois tocando duas faixas do começo da carreira no violão, uma delas em pout pourri com a fantástica “Amor a três”, que Chitãozinho & Xororó gravaram originalmente em 1985.

Apesar do Bruno dizer nos extras que a idéia do DVD era trazer músicas dos dois últimos discos e algumas do começo da carreira que não tinham ganhado registro em DVD, apenas duas músicas do álbum “Sonhando” foram gravadas – “Sonhando” e “Tentativas em vão”, que perdeu a carinha moderna que tinha ganhado e foi gravada no ritmo original, um forrozinho. O disco conta principalmente com músicas do disco “Juras de Amor” (as com interpretação mais marcante, preferencialmente) e algumas inéditas, que também valorizam a sempre incrível voz do Bruno.

A que mais evidencia a importância dada ao Bruno intérprete é a belíssima “Eu não vou aceitar”. A música em si não tem uma letra tão marcante assim, mas a harmonia dela favorece demais o cantor que sabe usar a voz. O refrão consiste meramente na repetição da mesma frase durante os 4 versos. Mas são 4 versos que exigem muito da voz do seu intérprete. Por isso ela ficou tão sensacional. Além dela, é possível testemunhar o bom e velho Bruno dando aula de interpretação também nas músicas “Juras de Amor”, “Já não sei mais nada”, “Entrada Franca”, “Sem ninguém me ver chorar” e nas duas que a dupla divide com os pupilos George Henrique & Rodrigo – “Receita de Amar” e “Nossas memórias”, além da perfeita “Vidro Fumê”, que eu considero a melhor deste disco por causa da perfeita unidade entre o arranjo, letra e interpretação. A música “Eu não imploro por amor”, do Jorge, apesar de não exigir tanto da interpretação, também impressiona por conta da letra muitíssimo bem escrita.

O DVD é composto de vários momentos impactantes em suas músicas, sempre com os refrões explodindo tanto na interpretação quanto na resposta do público, mas o enfoque trazido no vídeo não aproveitou isso muito bem. Apesar do belíssimo cenário, faltou uma valorização maior da iluminação do palco, talvez com uma quantidade maior de elementos de luz, principalmente nestes momentos de clímax, que não foram poucos. Para citar alguns exemplos, momentos como o segundo refrão de “Eu não vou aceitar” e nos refrões de “Vidro Fumê”, “Já não sei mais nada” e outras. Faltou, aparentemente, uma coordenação da cenografia e iluminação com as músicas propriamente ditas. Apenas o LED atrás do palco fazia esse trabalho. Para quem apenas ouve o disco, a impressão é uma, mas para quem assiste em DVD, realmente parece que ficou faltando alguma coisinha.

A edição também deixou de fora um momento que quem acompanhou a gravação julgava ser talvez um dos mais importantes do DVD. Antes do Marrone entrar cantando de primeira voz a música “24 horas de amor”, o Bruno faz um belíssimo discurso em defesa do parceiro, criticando todos aqueles que ousaram menosprezar o talento do Marrone durante estes quase 25 anos de dupla. Seria um momento histórico na discografia da dupla. Não sei quem decidiu deixar esse trecho de fora, se os artistas ou se os editores, mas bem que essa parte poderia ter ganhado um destaque. Não entrou nem nos extras.

O grande mérito deste disco, como eu disse lá no começo, é valorizar o que Bruno & Marrone têm de melhor, bem como todas as peculiaridades que os levaram ao sucesso, sem o desespero de torná-los moderninhos demais através do absurdamente questionável método de “acelerar tudo”, que o próprio Bruno defendia até algum tempo atrás. Eles não precisam se modernizar, afinal eles próprios são os precursores dessa modernização na música sertaneja, responsável por quebrar a hegemonia de uma década de apenas uma minúscula quantidade de artistas.

A indiscutível qualidade da interpretação do Bruno em quase todas as músicas, aliado ao resgate de várias canções fantásticas do decorrer da carreira, como “Acorrentado em você”, “Vem me buscar”, “Esqueci” e “Pela porta da frente”, com Jorge & Mateus, que dá título ao disco, fazem lembrar aqueles Bruno & Marrone do disquinho pirata de 99 ou 2000 e do acústico de 2001, que catapultou a dupla ao estrelato. Se a dupla explodiu por causa daquilo, é porque aquilo era bom demais. E se era bom demais, nada melhor que trazer um pouco daquilo de volta. Melhor ainda se juntando algumas outras canções, com o mais incrível cantor sertanejo do Brasil (segundo muitos) fazendo o que faz de melhor. E este DVD traz, de fato, o melhor de Bruno & Marrone, tanto os de ontem como os de hoje.

Nota: 10