REVIEW – Jads & Jadson – É Divino

REVIEW – Jads & Jadson – É Divino

Depois de serem uma das duplas de maior destaque em 2013, Jads & Jadson consolidaram o seu espaço na música sertaneja em nível nacional. Eles já tinham um considerável prestígio junto à classe e, com o sucesso da música “Jeito Carinhoso”, puderam levar isso além. E como em qualquer projeto, após a consolidação no circuito sertanejo o caminho natural seria a consolidação da imagem, com um trabalho mais intenso de TV e em veículos com um apelo mais amplo. O novo DVD da dupla parece ter sido produzido com esse objetivo.

A princípio, o DVD “É divino” chama a atenção pelo tamanho. Se no disco anterior a dupla havia gravado para uma quantidade pequena de pessoas, em uma casa fechada (a Wood’s Maringá), desta vez um evento em praça pública na cidade de Campo Grande acabou possibilitando uma estrutura bem mais grandiosa, que a dupla aproveitou para mostrar-se num patamar mais alto, com participações que já possuem uma imagem consolidada em nível nacional.

Essa estratégia já parecia estar sendo desenhada desde o projeto anterior. Mesmo com a dupla já fazendo parte da Brothers, escritório do Michel Teló, a participação dele em uma canção só aconteceu neste novo projeto, que acabou coincidindo com o quadro “Bem Sertanejo” do Fantástico, do qual a dupla Jads & Jadson também participou.

Mas a parceria que mais chama a atenção neste novo DVD é com a dupla Victor & Léo. Famosos por não participarem de projetos de artistas ainda não consolidados nacionalmente, Victor & Léo não só participaram deste DVD como cederam uma música de autoria do Léo e ainda fizeram as vezes de “padrinhos” de Jads & Jadson no “Altas Horas”, um dos melhores programas musicais para quem está começando a trabalhar sua imagem em nível nacional, e na Eliana, só pra citar dois exemplos.

Ao se apegarem a Victor & Leo, Jads & Jadson mostram uma intenção de serem vistos em nível nacional ao lado de quem conquistou prestígio e não apenas espaço na mídia nacional. Seria fácil pros caras aparecerem sozinhos em um punhado de programas, como já o fizeram na Fátima Bernardes, por exemplo. Mas aparecer ao lado de Victor & Léo em algumas ocasiões ou dividir a tela com Almir Sater, por exemplo, como no caso do quadro Bem Sertanejo, faz com que a coisa mude um pouco de figura.

Até porque este novo DVD deixa claro, mais uma vez, que Jads & Jadson andam na corda bamba entre o que é comercial e o que é, na falta de outro termo melhor, prestigiado ou cult. Ao mesmo tempo em que gravam uma “Jeito Carinhoso”, que só de estourar nas paradas já causa um certo incômodo nos conservadores, ou adaptar hits do pop e do rock ao sertanejo, eles ainda tem a ousadia de botar a viola no peito e gravar várias faixas de um mesmo projeto com a viola em evidência, como a própria música de trabalho ou alguns pout pourries de clássicos da música raiz.

O DVD “É divino” traz novamente um repertório de qualidade, que se destaca principalmente pelas ótimas “Colo”, “Ressentimento”, “Divino”, “Agora ela chora” e “Toca um João Mineiro & Marciano”, que presta uma singela e inusitada homenagem a uma dupla histórica do gênero. A adaptação do pop rock para o sertanejo, uma das grandes marcas da dupla em quase todos os seus discos, mais uma vez se faz presente no hit da banda NX Zero “Razões e Emoções”.

O disco anterior acabou sendo considerado um dos melhores de 2014. No novo trabalho, a dupla conseguiu manter o alto nível do repertório, mesmo não tendo atingido com nenhuma música o sucesso estrondoso alcançado por “Jeito Carinhoso”. Em termos de produção musical, esse disco se mostra um pouco mais ousado, porque além de manter elementos interessantes em evidência, como a viola e a guitarra steel, já presentes do trabalho anterior, o disco ainda traz o sempre infalível conjunto de cordas em algumas faixas, o que traz um apelo mais grandioso à parte musical.

Por ser uma dupla de caraterísticas mais tradicionais, é difícil trabalhá-los da mesma forma que outros artistas em nível nacional. Mesmo assim, Jads & Jadson tem feito jus ao espaço conquistado, mostrando neste DVD uma constância muito agradável de bons discos. Sem falar da paixão e da bandeira que levantam em prol da viola caipira, que tem neles, atualmente, os seus representantes mais importantes, o que também merece uma salva de palmas. Jads & Jadson seguem provando que dá sim para equilibrar o comercial com o tradicional de forma saudável e inteligente, e acima de tudo sem apelação.

Nota: 9,5