REVIEW: Marcos & Belutti – Acústico Tão Feliz

REVIEW: Marcos & Belutti – Acústico Tão Feliz

Acompanhei a gravação deste DVD e seu show de lançamento, o que significa que muito provavelmente algumas das coisas que escreverei neste texto já foram ditas em outras ocasiões por aqui. Mas tentarei me ater mais aos detalhes do disco dessa vez.

Depois de anos numa fórmula que deu à dupla a fama de gastadeira, eles enfim encontraram o caminho ao entrar na FS e perceber que, às vezes, menos pode ser mais. O disco de maior sucesso na carreira dos caras é também o mais simples de toda a trajetória da dupla. Um DVD acústico, filmado literalmente no quintal da casa do empresário, mas que tinha o principal: boas músicas, principalmente o grande hit da dupla, “Domingo de Manhã”.

Depois de um acerto como esse, não há o que fazer no projeto seguinte a não ser seguir o mesmo caminho. No novo DVD, “Acústico Tão Feliz”, a dupla mantém a fórmula usada no DVD anterior, com duas pequenas diferenças: desta vez o repertório é basicamente de inéditas e a estrutura um pouco maior. Mas o formato acústico permanece e as músicas românticas ainda são o principal elemento. Exceto que, desta vez, o acerto nas músicas agitadas finalmente aconteceu.

Como eu já falei em outra ocasião, a dupla Marcos & Belutti sempre foi admirada pela extrema qualidade vocal e de interpretação, o que é percebido principalmente nas canções românticas. Mesmo assim, eles sempre buscaram diminuir a força deste rótulo de dupla romântica na própria carreira, o que é compreensível, haja vista que isso tem um resultado direto na venda de shows. Por isso, sempre vimos no repertório deles uma quantidade razoável de canções “pra cima” como “Nova namorada”, “Desce do Salto”. “Mentirosa”, “Será que vai rolar”, etc, todas muito boas, por sinal. Mas o sucesso com “Domingo de Manhã” acabou vindo de encontro ao que todo mundo sempre pensou da dupla.

Só que mesmo provando a si mesma e ao público que dá pra acertar, sim, com uma canção romântica, a dupla permaneceu buscando o contraponto. Tanto que ao invés de fazer a escolha mais condizente com o estilo deles para a primeira música de trabalho deste DVD, que seria a música “Romântico Anônimo”, a dupla resolveu apostar no agitado, numa decisão questionável (até por mim, confesso) mas que se mostrou totalmente acertada. A música “Aquele 1%”fecha o ano como um dos principais hits da música brasileira. A música aconteceu de forma tão intensa que, para alguns, ela é talvez a grande responsável pelo sucesso do Wesley Safadão fora do nordeste, e não a música “Camarote”. Eu, particularmente, também vejo dessa forma. A “Camarote”, aliás, cresceu principalmente por conta do sucesso de “Aquele 1%”. E entre todas as músicas das quais o Safadão participou com artistas sertanejos, essa foi a única que deu certo de fato.

O sucesso dessa música acabou, entretanto, fugindo da proposta do disco. Ela é uma das poucas canções agitadas do repertório, que é dominado por excelentes canções românticas e/ou de interpretação forte. “Romântico Anônimo”, citada acima, chega ao nível de “Domingo de Manhã”. Sem falar das excelentes “Linhas”, “Queda Livre”, “Par de Asas” (já gravada por Felipe Duran) e “Mar de Lágrimas” (que tem a participação do Roupa Nova). A música tema do disco, “Tão Feliz”, é uma das melhores canções já gravadas pela dupla, e, mesmo sendo uma vaneira, ainda tem o romantismo entranhado na letra.

Ainda se nota uma grande influência do Bruno Caliman no repertório da dupla (4 músicas de sua autoria e/ou com parceiros), mas o Rafael Torres e o Lucas Santos se destacam com 5 músicas, incluindo a música título, feita em parceria com Samuel Deolli. Este é, inclusive, o provável melhor repertório gravado pela dupla até hoje. Por mais que eles ainda tentem evitar o rótulo romântico, o sucesso da “Domingo de Manhã” permitiu que este disco seguinte trouxesse esse tipo de canção sem a eterna pressão de se saber se é isso o que o mercado quer. Já ficou provado que o mercado quer é coisa boa, independente do grau de romantismo.

E, continuando com a tática de manter a mesma fórmula do disco anterior e fazendo jus ao ótimo repertório, a ótima produção e os arranjos do Fernando Zor continuam. Destaque para a sua participação na música “Romântico Anônimo”. Ele, aliás, está cada vez mais em alta e com cada vez mais qualidade. A direção de vídeo permanece a cargo do Catatau, que continua com a ideia de um cenário orgânico e que pode facilmente ser utilizado na estrada, sem exageros tecnológicos, tal qual o disco anterior.

É importante destacar também a importância simbólica da participação do Roupa Nova neste disco. Eles não apenas cantaram como também tocaram a música “Mar de Lágrimas”. É a primeira participação deles em um DVD sertanejo. Chitãozinho & Xororó já haviam participado de um DVD do grupo e eles de um CD da dupla, além de uma participação no mais recente CD de Zezé di Camargo & Luciano. Mas por se tratar de um DVD de uma dupla com uma carreira relativamente curta (menos de 10 anos), a participação dos veteranos, que sempre foram tidos como uma das principais influências de Marcos & Belutti, acaba tendo um peso muito maior.

São dois anos seguidos acertando. O novo disco consegue ser ainda melhor que o anterior. E a dupla conquistou enfim o tal equilíbrio que parecia buscar ao emplacar, nestes dois anos, uma romântica e uma agitada no topo das paradas. O risco de errar depois de um grande acerto, que acomete 8 em cada 10 artistas que estouram um hit, definitivamente foi eliminado. E a carreira de Marcos & Belutti segue cada dia mais sólida. A estrada dos tijolos amarelos foi enfim pavimentada e não há porque pegar um atalho daqui pra frente. Enquanto Marcos & Belutti seguirem por esse mesmo caminho, é certo dizer que nada pode dar errado.