REVIEW – Maria Cecília & Rodolfo – Com Você

O ano foi meio estranho para a dupla Maria Cecília & Rodolfo. Na verdade, as últimas temporadas tem sido esquisitas para os dois. Desde que romperam com o antigo empresário, as coisas parece que não foram mais as mesmas. Foram mantidos na Audiomix, mas não com a mesma pompa de outrora. Ao contrário, em certos momentos parece que lá dentro são usados apenas para tapar buracos em agenda ou fazer volume nos festivais que o escritório vem realizando. Não parece haver uma dedicação ao trabalho deles como havia em outros tempos. Mesmo assim, a dupla ainda mostra que tem muito a oferecer com um DVD grandioso e de alta qualidade.

Se na esfera administrativa as coisas andam meio incertas, é claro que na esfera pessoal vai tudo muito bem. Maria Cecília & Rodolfo se casaram e o resto da história todo mundo sabe. E esse sucesso na esfera pessoal talvez tenha sido o principal combustível para esse disco, que traz a dupla em sua terra natal em um grande show, com um bom repertório e uma produção visual caprichadíssima.

Tirando o repertório, aliás, este DVD segue o mesmo padrão de qualidade do DVD que a dupla Munhoz & Mariano gravou no mesmo local no ano anterior. Não à tôa, se trata da mesma equipe que produziu aquele DVD, que impressionou na qualidade. Ivan Miyazato na direção geral, Eduardo Pepato na produção e arranjos, Fernando Trevisan, o “Catatau”, na direção de vídeo, Marco Aurélio por conta do repertório, e tudo gravado num mega palco dentro do Parque das Nações Indígenas. Na verdade, essa é a última chance de ver em DVD esse time reunido, já que tanto o Pepato quanto o Catatau passaram a trabalhar de forma independente há algum tempo.

É clara a opção no disco pela valorização das canções mais românticas. Não à tôa, as canções trabalhadas até o momento foram românticas. Primeiro, “Só de Pensar”, com a participação de Jorge & Mateus, e depois “Nunca mais me deixe”. O repertório da dupla sempre seguiu uma linha mais juvenil, mas talvez tivesse sido melhor aproveitar as boas canções agitadas que o disco trouxe.

Se o timing do arrocha já não tivesse passado à época do lançamento deste DVD, por exemplo, a música “Arrocha e vem comigo” seria uma boa sacada. O problema é que o ritmo se esgotou quase na mesma velocidade com que estourou e quando este DVD foi lançado (com certo atraso, devido a problemas com liberações) o arrocha já tinha perdido a força. Mesmo assim, o disco tem boas vaneiras que poderiam ser facilmente trabalhadas, como “Quando eu parar de ligar”, com Humberto & Ronaldo, e “Chip de Memória”. Seria talvez uma forma de manter a dupla um pouco mais próxima de seu público habitual, que é a gurizada.

Além de Jorge & Mateus e Humberto & Ronaldo, também participa do disco a dupla Zezé di Camargo & Luciano, num momento bacana do DVD, com a releitura (que os mais atentos perceberão não ser tão ao vivo quanto se imagina) da música “Imprevisível”, composta pelo Zezé e pela sua filha Wanessa. Jorge & Mateus participam de uma das canções mais interessantes e diferentes do disco, “Só de pensar”. Outros momentos bacanas são o da bela guarânia “Simples demais”, o da música “Maria”, que o Rodolfo fez para a Maria Cecília, e o da ótima música “É só uma fase”.

Outro aspecto interessante desse disco é que ele expõe muito da rixa entre Campo Grande e Goiânia. Toda a equipe de produção é de Campo Grande, mas o escritório da dupla é de Goiânia. E não é de hoje que os profissionais das duas cidades meio que se estranham. Tanto que o disco foi todo feito com a cara de Campo Grande. Não seria de se estranhar, então, que essa pouca preocupação com a dupla seja fruto dessa guerrinha velada entre as duas cidades. Mas isso é só uma hipótese, claro.

Quem viveu a história recente da música sertaneja sabe da importância da dupla Maria Cecília & Rodolfo para o segmento. Antes da Paula Fernandes, a Maria Cecília foi quem de fato deu fôlego para a figura feminina nessa recente fase da música sertaneja. E ela fez isso de uma forma neutra. Bem feminina, claro, mas sem o estereótipo da sensualidade e do apelo visual que a Paula Fernandes teve que adotar, por exemplo. Por isso é tão inquietante pensar nessa pouca preocupação que andam tendo com a carreira da dupla. Este DVD foi trabalhado de forma muito tímida. Demais, até. E olha que não é por falta de qualidade no disco. Levando esse aspecto em conta, este é o melhor disco da dupla. E bem que merecia ter sido trabalhado como tal.

Nota: 9,0