REVIEW: Zé Neto & Cristiano – Ao vivo em São José do Rio Preto

Parte da trinca de acertos da Work Show em 2015, Zé Neto & Cristiano emergiram este ano como grande aposta do mercado sertanejo. Talvez a maior aposta do momento. E isso em um tempo no qual passamos a conviver com uma saudável e necessária miscigenação de estilos, com artistas de vertentes pouco usuais, como duplas e cantores de vozes graves ou cantoras e duplas femininas, entre outros, se destacando com a mesma força de artistas dentro do “padrão”. Mas é consenso que, dentro deste tal padrão regular de dupla sertaneja, Zé Neto & Cristiano são a aposta mais sólida do momento.

O novo disco da dupla deixa bem claro os elementos que a colocam nessa posição. Até antes deste projeto, eles ainda não haviam tido chance de mostrar de fato o grande potencial que tinham e têm como intérpretes. Depois do sucesso das composições da dupla no último projeto de Henrique & Juliano e a contratação pela Workshow, tudo o que haviam feito até então era um EP que trazia apenas uma amostra do que eles tinham a oferecer. Mesmo assim, o grande momento de destaque da dupla havia sido ainda com uma resposta às músicas de carro intitulada “Tem que ter pegada”, o que ainda não mostrava a real qualidade dos dois.

As músicas emplacadas no DVD “Ao Vivo em Brasília”, o mega sucesso de Henrique & Juliano, mostravam que Zé Neto & Cristiano tinham muito mais a oferecer. E está mesmo no repertório a maior qualidade do novo e primeiro DVD da dupla. É um disco que segue com perfeição a cartilha de como devem ser os bons projetos sertanejos, pelo menos no que diz respeito ao resultado que se busca com o mesmo.

Entendam, há casos como o da Marília Mendonça, no qual houve uma clara aposta numa linha específica, que acabou sendo certeira. Ou como o de Bruno & Barretto, que exploraram um nicho relativamente recente (o dos artistas de voz grave mas com músicas modernas). Já no caso de Zé Neto & Cristiano, a verdade é que eles não descobriram a América com o novo disco. Ao contrário, seguiram exatamente as regras que os últimos anos convencionaram como mais corretas. A diferença é que fizeram isso da forma mais perfeita possível, a exemplo do DVD da dupla Henrique & Juliano mencionado acima. Equilibraram ótimas canções românticas com ótimas canções dançantes e criaram o típico repertório que acerta em cheio o gosto do público médio num momento em que o sertanejo se abre a novos formatos e, portanto, o público tradicional (e mais numeroso) busca novos artistas numa linha na qual já estão acostumados. E Zé Neto & Cristiano são de fato a opção mais atraente dentro dessa linha.

Uma das grandes vantagens da dupla é a capacidade de escolher grandes canções. O disco traz muitas delas, como por exemplo “Te Amo”, “Eu ligo pra você”, “Estamos quites”, “Tô comercial” e “Seu polícia”, uma das melhores canções do ano. Um outro grande acerto do DVD foi a aposta em um nome novo na produção: Jenner Melo, que havia produzido o último CD da dupla e foi mantido neste primeiro projeto junto à Workshow, mesmo com todos os demais artistas do escritório trabalhando com o Pepato, o que se mostra uma grande prova de reconhecimento e uma oportunidade de inserir uma nova identidade musical, pra fugir um pouco do usual. Não à tôa, o sucesso deste projeto colocou Jenner Melo no circuito, com mais alguns CDs e DVDs de peso em sequência.

O cenário do DVD também chama a atenção de forma bastante positiva, com o palco meio “de lado”, num formato pouco tradicional, e luzes com mais destaque que os grafismos dos painéis de LED, invertendo os papéis.

É claro que o recente apego do público à dupla se deve também ao fato deles serem, talvez, uma das melhores que apareceu nos últimos anos com essa linha vocal de timbre médio. Aquela velha história de que fulano canta igual a beltrano, que canta igual a ciclano, que canta igual a sei lá mais quem, num grande ciclo, que costuma durar 10 ou 15 anos, em torno de um timbre vocal similar, o que na verdade é sempre a representação de uma fase marcante da música sertaneja. Nosso segmento sempre passa por isso.

O DVD é, na verdade, mais uma prova de como a Workshow tem trabalhado corretamente. Só em 2015, foram três artistas ou duplas que se destacaram lá de dentro, sem falar do sucesso com Henrique & Juliano. Isso prova que dá pra trabalhar mais de um artista ao mesmo tempo com o mesmo empenho, sem que ninguém precise necessariamente ficar na geladeira. Até havia esse receio de parte do mercado com relação a Zé Neto & Cristiano, já que eles, em teoria, poderiam concorrer com Henrique & Juliano. Mas o desenrolar dos acontecimentos mostrou que a concorrência só existe quando o ego predomina e o espaço tem sido conquistado por eles quase tão rapidamente quanto foi pelos padrinhos. Bom para o mercado, bom para a música, bom para o público.