TOP FIVE – Canções sem identidade

Funciona assim: um artista grava uma música e, quando o ouvinte escuta a dita cuja, associa a música àquele artista. A música passa a ter identidade. Tá, e quando um milhão de artistas resolvem gravar a mesma música? Como fica a identidade da referida? O Top Five de hoje tenta listar algumas das canções que, de tanto terem sido gravadas e regravadas, acabaram ficando sem uma identidade definida. São sucessos, às vezes clássicos, mas desafio você, leitor, a dizer quem foi o primeiro a gravar. Junto com cada uma, um player de áudio, para aqueles que não conseguem associar o nome à canção.

SAUDADE DA MINHA TERRA

Este clááááááááássico da música sertaneja, talvez o maior de todos, foi gravado pela primeira vez por…, errr…, quem mesmo? Nem lembro. Talvez pela dupla de seu próprio compositor, o Goyá, que já formou a dupla Goyá & Belmonte, por exemplo. O Belmonte, se não me engano, também é um dos compositores da canção. O fato é que, desde que surgiu, trocentos artistas, duplas e cantores gravaram a canção, quase sempre com o mesmo indefectível arranjo. Uma das versões mais famosas é a de Chitãozinho & Xororó, com a paradinha na última estrofe. O fato é que é uma das músicas que ficaram dissociadas de seus cantores originais. É um clássico da música sertaneja, independente de quem canta.

DAMA DE VERMELHO

Reza a lenda que esse clássico foi gravado pela primeira vez pela dupla Caçula & Marinheiro, uma das mais antigas da história. Mas é só lenda, nada oficial. Sua versão mais famosa é provavelmente a que foi gravada pela dupla Duduca & Dalvan. Os compositores são Ado Benatti e Jeca Mineiro. A versão gravada por Bruno & Marrone, por exemplo, também é bem conhecida.

COISAS EXOTÉRICAS

Essa música surgiu há pouco tempo, mas já foi gravada por um punhaaaaado de gente. O nome do compositor é Marcos Baroni. A dupla Rildo & Riany afirma ter sido a primeira a gravar. Não digo que não foi, mas o fato é que já é quase impossível saber quem gravou a primeira vez. A versão mais famosa sem dúvida é a da dupla Maria Cecília & Rodolfo, que divulga essa canção como a atual música de trabalho. Mas ela já foi gravada por Alex & Wander, Alex & Konrado, Rildo & Riany, Hugo Pena & Gabriel e mais um mooooonte de artistas.

AMANHà VOU LÁ HOJE

Outra música não muito antiga, mas que perdeu a identidade dada a elevada quantidade de artistas que se aventuraram em gravá-la. Alguns, como eu já mostrei aqui há muuuuuuito tempo, gravaram versões satíricas dessa canção, aproveitando para realizar imitações de artistas famosos. Já foi gravada por Paulo & Junior, Xandó & Léo, Bob & Joe, Tom & Tim, Henrick & Ruan e muitos outros. Jairo Góes e Hamilton Silva assinam a canção. Aliás, era bem de se esperar uma canção do Jairo nessa lista, hehe.

LOCUTOR

Nada menos que 94 artistas diferentes já gravaram essa música. 94!!! Incrível, não? E o que é melhor (ou pior, dependendo do ponto de vista): é uma das poucas músicas que ganharam versões nos mais diversos estilos musicais. Erick & Léo, Nelson & Davi, Léo Magalhães, Serginho Pinheiro, e mais outros 90 artistas gravaram versões dessa música. Com certeza o Bruno Caliman, compositor da canção, está bem ($$$) de direitos autorais. Recebe por 94 versões diferentes de uma mesma música. Quisera eu, hehehe.