TOP FIVE – Melhores discos de 2012

TOP FIVE – Melhores discos de 2012

Mais um ano se encerra hoje e, como de praxe, cá estamos nós com mais uma lista dos melhores discos lançados no ano e analisados aqui no Blognejo através dos reviews. Desta vez com o diferencial de eu ter aberto espaço também para DVDs distribuídos de forma independente através do Mega Review, postado ontem. Ao que parece, nossa iniciativa foi aprovada, o que garante espaço para outros Mega Reviews nos próximos anos, além dos reviews tradicionais.

Antes de postar minha lista, pra variar, preciso fazer uma consideração. A ordem abaixo é determinada a partir das notas aplicadas nos reviews postados no decorrer do ano. Ressalto mais uma vez que AS NOTAS APLICADAS NOS REVIEWS SÃO APENAS UM CRITÉRIO DE DESEMPATE PARA A LISTA DE MELHORES DISCOS DO ANO. O que vale mesmo nos reviews são os textos. Então, mais uma vez peço encarecidamente, mesmo sabendo que vocês não vão me atender: PELO AMOR DE DEUS PAREM DE LEVAR APENAS A NOTA EM CONSIDERAÇÃO E LEIAM OS TEXTOS. LEIAM OS REVIEWS, POR FAVOR!!! Ao ler os textos e não apenas as notas, é possível entender a minha opinião minuciosa sobre o disco. Se vários discos receberam a nota 10, como é o caso de todos os discos presentes na lista abaixo, o critério de desempate será, portanto, a minha preferência pessoal.

Minhas notas são apenas nas casas decimais terminadas em 0 e 5. Já imaginaram se eu tivesse que colocar nota picada só pra poder diferenciar minuciosamente as notas de um disco pro outro? Pensem na seguinte situação: em março o artista X lança um puta disco e eu dou nota 10 porque achei sensacional. Aí em novembro o artista Y lança um disco mais sensacional ainda. Eu sou obrigado a dar 10 também. Afinal de contas essa é a nota máxima. Isso não quer dizer, entretanto, que os dois discos sejam iguais. Só que eu não consigo prever o futuro e portanto não posso deixar de dar uma nota alta pra um disco com medo de que possa ser lançado algum melhor até o fim do ano.

Dito isso, vamos à nossa lista.

ISRAEL & RODOLFFO – MARCA EVIDENTE

ISRAEL E RODOLFFO

Como eu disse no Mega Review postado ainda ontem, este disco foi um dos poucos de 2012 que eu escutei por semanas a fio e ainda escuto sempre que tenho uma oportunidade. Uma qualidade de som que poucos discos conseguiram alcançar em 2012, aliado a um dos melhores repertórios do ano. Todas as músicas foram bem aceitas pelo público. E há tempos não se via uma guarânia se tornar hit. “Marca Evidente” foi uma das músicas mais aplaudidas do ano, ao lado da fantástica “Conto de Fadas”, que também faz parte do disco. Parafraseando algo que eu escrevi sobre este disco, ao ser trabalhado junto ao mesmo público que ouviu tanta canção descartável no decorrer do ano, ele demonstra respeito ao seu público e não insulta sua inteligência, provando que é possível sim que o público goste e abrace um trabalho de qualidade. Leiam o review AQUI.

MUNHOZ & MARIANO – AO VIVO EM CAMPO GRANDE VOL. II

MUNHOZ E MARIANO

Foi provavelmente meu review mais controverso. É que entrou justamente nessa discussão sobre a qualidade das músicas sertanejas da atualidade. Acontece que eu nunca me apeguei a esse tipo de coisa. Tanto que no ano passado dei nota 9,5 para o DVD do Michel Teló, que fez sucesso com uma das músicas mais criticadas de 2011. Sucesso internacional, aliás. Creio que esse é um conceito subjetivo. O artista pode trabalhar com músicas absurdamente comerciais, com letras exageradamente bobas e outras características comuns a trabalhos nessa linha. Mas se o cara o faz buscando o máximo de qualidade nos outros elementos do disco, como arranjos e harmonias, visual do DVD, receptividade do público que participa do disco, não tem como não enxergar nisso uma alta qualidade. Se for pra fazer um disco altamente comercial, que seja da melhor forma possível. E não dá pra negar que foi isso que Munhoz & Mariano fizeram. Excelente trabalho do Ivan Miyazato, do Eduardo Pepato e principalmente do Catatau, que entregou o trabalho mais bonito do ano em termos de vídeo. Leiam o review AQUI.

CEZAR & PAULINHO – ALMA SERTANEJA

CEZAR E PAULINHO

Para os amantes da boa música caipira, foi o melhor disco do ano. Cezar & Paulinho juntaram convidados como Chitãozinho & Xororó e Sérgio Reis num disco com algumas das melhores músicas da história do gênero caipira, com direito a acompanhamento de cordas em boa parte delas. A principal qualidade do disco é justamente o repertório, que, mesmo contendo músicas batidas como “Saudade da minha terra”, valorizou músicas que quase nunca são lembradas em projetos desse tipo, como as fantásticas “A Sementinha”, “Disco Voador”, “Os três boiadeiros”, “Chico Mulato”, “Vaca Estrela e Boi Fubá” e “Couro de Boi”. Bom para mostrar para aqueles que acham que música caipira é só “Pagode em Brasília”, “Amargurado”, “Telefone Mudo” e “60 dias apaixonado” que a música sertaneja é muito mais rica do que se imagina. Leiam o review AQUI.

BRUNO & MARRONE – PELA PORTA DA FRENTE

BRUNO E MARRONE

A última vez que eu havia ficado tão empolgado com o repertório durante a gravação de um DVD foi durante o “Chitãozinho & Xororó Sinfônico”. Este disco é uma sucessão de canções que exigem do Bruno o melhor da sua interpretação. E ele mostra porque é tão mito nesse ponto. A maior vantagem desse trabalho, produzido pelo Dudu Borges, é respeitar a história da dupla Bruno & Marrone e o estilo que eles consagraram. Ao invés de canções sem importância, a quase totalidade das músicas do disco é carregada de profundidade, tanto nas letras quanto na interpretação e nos arranjos. Leiam o review AQUI.

JORGE & MATEUS – A HORA É AGORA – AO VIVO EM JURERÊ

JORGE E MATEUS

O review que mais rendeu bate-boca nos comentários aqui no Blognejo. E olha que eu nem gostei do que escrevi. Achei meio incompleto. Mas é que se eu fosse falar de todas as qualidades que eu enxergo neste disco, o texto ia ficar muito extenso. O disco foi provavelmente o que mais demonstrou influências do rock internacional. É quase como se estivéssemos escutando um disco do Coldplay, por exemplo. E ao contrário dos que sempre vêm com a mesma ladainha do “mas isso não é sertanejo“, eu acho uma atitude dessas uma coisa fantástica. Se todo artista sertanejo buscasse influência em trabalhos de qualidade, nacionais ou internacionais, é provável que teríamos muito mais coisa de alto nível no segmento. Mérito mais uma vez do Dudu Borges, que produziu o disco e criou todos os belíssimos arranjos, do Jorge, que está cantando  cada vez mais e influenciando toda uma geração de artistas sertanejos, e do Mateus, que além de um segundeiro foda, está sabendo escolher os timbres da guitarra como poucos. Leia o review AQUI.

______________________________________________

MENÇÃO HONROSA – LAÍS

lais

Não fiz review deste disco por dois motivos: em primeiro lugar se trata de um CD independente e que foi lançado quase que apenas na Internet, além de algumas cópias promocionais distribuídas gratuitamente, e em segundo lugar soaria forçado da minha parte abrir espaço na seção de reviews para este disco de uma artista iniciante e não abrir para outros que sempre me pedem. Também não o incluí no Mega Review porque é um CD e não um DVD, e se eu o incluísse teria que fazer o mesmo com vários outros discos. Mas não dá pra fazer uma lista de melhores discos do ano sem sequer mencioná-lo como fortíssimo candidato ao primeiro lugar. Foi o disco que eu mais ouvi e mais tive prazer fazendo isso durante esse ano de 2012. Uma aula de produção e arranjos do Marco Abreu, junto com uma aula de interpretação da fantástica Laís, que canta como poucas que eu já vi na vida. É espetacular ouví-la. Tudo isso junto com um repertório perfeito, que a coloca na cola da Paula Fernandes, no mínimo. E a julgar pelas novidades que cercam o nome dessa garota já para 2013, a Paulinha que se cuide.