TOP FIVE – Músicas de “gosto duvidoso” precursoras

Continuando um pensamento levantado no último texto, vamos falar de músicas de “gosto duvidoso”. O termo “gosto duvidoso” é deveras subjetivo. Nem sempre uma mesma música pode ser ofensiva para todo mundo. Às vezes o que eu acho normal, por exemplo, é de um baixíssimo nível para você, meu caro leitor.

O que me estranha, no entanto, é que a atual fase da música sertaneja, com dezenas de adaptações de funk e de músicas nordestinas com letras mais, digamos, pesadas, está dando origem a uma certa dose de revolta por parte de uma parcela do público. Muitos ouvintes e admiradores de música sertaneja têm se insurgido contra o que consideram a deterioração da música sertaneja por letras ofensivas. Tais pessoas não se conformam com o sucesso de canções como “Sou Foda” e o aparecimento de outras tão ou mais pesadas.

O Top Five de hoje visa, no entanto, mostrar que esse tipo de letra na música sertaneja não é tão recente quanto se pensa. O duplo sentido já é uma coisa de décadas. As letras mais engraçadinhas, ou que brincam com certas situações, utilizam certos termos e por conta disso acabam sendo consideradas pesadas já estão presentes no repertório sertanejo há muitos anos. Além, é claro, de letras que à primeira vista parecem bastante inapropriadas. Vejam abaixo os cinco exemplos que eu acho que melhor ilustram essa situação.

O Saco Ficou de Fora – Felipe & Falcão

Essa música foi talvez a primeira de duplo sentido gravada pela dupla Felipe & Falcão, que acabou abraçando o estilo, que se tornou a principal marca da dupla. “O saco ficou de fora”, de autoria de João Gonçalves & José Teixeira, é do ano de 1991, ou seja, já tem 20 anos, mais até do que muitos jovens cantores sertanejos que cantam “Sou Foda” por aí afora. Na letra da canção, talvez o verso mais controverso (haha, gostei disso, verso controverso) seja “eu fui pegar o saco, mas alguém passou a mão”.

Morena de quatorze anos – Gino & Geno

Essa canção, de autoria dos próprios Gino & Geno, foi gravada originalmente no ano de 1972 (há quase 40 anos) e narra a história de um caboclo que se encanta por uma bela morena que tem… QUATORZE ANOS, hehe. “Ah, qual o problema nisso, Marcão?”. Ora, longe mim julgar, mas é no mínimo preocupante ver uma moça de 14 anos se envolvendo com um homem adulto e tudo mais, por mais que as mulheres estejam se desenvolvendo cada vez mais depressa. A legislação penal, aliás, diz que atos de conotação sexual com pessoas que não tenham 14 anos completos é considerado “estupro de vulnerável”. Ou seja, o tal moço da música está no limite entre cometer um crime e cometer apenas um ato moralmente condenável hehehe. Isso porque a música tem quase 40 anos.

Chá de Picão – Trio Parada Dura

Essa canção de autoria do Zé dos Reis e do Mangabinha é do ano de 1985 (26 anos). Conta a história de um moço que, preocupado com a mulher doente, é aconselhado por um curandeiro a dar a ela um chá de picão. É claro que tudo numa conotação bem maldosa, hehe. Como diz a música, “Chá de Picão faz bem pra ela, chá de picão que ela tá muito amarela”.

Bebo pa Carai – Gino & Geno

Não tem muito o que dizer dessa música, né? Gravada em 2005, acho que foi uma das primeiras vezes que uma música de uma grande dupla trouxe um palavrão no título e na letra, causando o desespero dos radialistas, hehehe. Na verdade a música só trouxe à tona um termo muito utilizado no dia a dia dos cachaceiros. Mas que a música foi considerada pesada por muita gente, ah isso foi.

Silicone – Teodoro & Sampaio

A dupla Teodoro & Sampaio também abraçou o duplo sentido e as músicas que muita gente julga ofensivas. Entre as diversas letras que oscilam entre o engraçado e o ofensivo, a letra da música “Silicone”, de 2001, é talvez uma das mais escrachadas e escancaradas. O autor dela, que não sei quem é, não se importou em incluir termos como “peito” e “bunda” do jeito que ele achava mais engraçado. A música traz talvez um dos versos mais inusitados e despreocupados da história da música sertaneja. Ao contar a história da moça que botou silicone nos “peitos” e na “bunda” e se tornou um mulherão, Teodoro & Sampaio cantam o verso “seus peitos são dois faróis no meio da escuridão”. Há quem, como eu, ache extremamente engraçado, mas há também os que não vêem a mínima graça.

A idéia deste apanhado de músicas que são precursoras das letras de gosto duvidoso é escancarar a hipocrisia dos que ficam por aí bradando xingamentos aos 4 ventos contra as duplas e artistas que, segundo eles, estão destruindo a música sertaneja com letras pesadas e de baixo nível. Parece que essa galera esquece que isso acontece há anos na música sertaneja e ela vai muito bem, obrigado.