TOP FIVE – SEPARAÇÕES

Aproveitando o review sobre o novo trabalho da dupla Renê & Ronaldo, o Top Five dessa semana é sobre as grandes separações da música sertaneja, com consequentes mudanças de formação das duplas (por isso o motivo da não-inclusão de Chrystian & Ralf, que acabaram voltando)

MATOGROSSO & MATHIAS


Eles já haviam se separado e voltado um punhado de vezes, mas essa última separação realmente é definitiva. A nova formação da dupla, composta pelo mesmo Matogrosso, dessa vez com seu sobrinho no lugar do antigo Mathias, já conquistou um público diferente e está com DVD saindo do forno (gravado há mais de um ano!!!). As circunstâncias da separação, só os envolvidos podem descrever. O Brasil assistiu ao Matogrosso ir ao programa do Ratinho dizer que o antigo Mathias estava doente e que o próprio tinha dado a “benção” ao novo Mathias, dizendo ainda que ele era sobrinho do “Mathião” e não seu próprio. Assistimos também ao próprio Mathias ir ao programa da Sônia Abrão proferir sérias acusações contra o Matogrosso, dizendo que jamais esteve doente e que, apesar de estar com a saúde fragilizada, ainda poderia cantar por muito tempo.

JOÃO MINEIRO & MARCIANO


Essa é uma das separações mais enigmáticas da história. Ninguém nunca soube os motivos que levaram ao fim de uma dupla de tamanho sucesso. O Marciano é, inclusive, padrinho de uma das filhas do João Mineiro, mas eles sequer se falam. Ele seguiu cantando sozinho e alcançou mais sucesso que o João Mineiro com os parceiros que ele arrumou (com os quais aparentemente nunca se entendeu), já que nunca mais lançou um CD com o nome da dupla. Aliás, nem sei se o atual “Marciano” da dupla ainda é o mesmo da foto.

TEODORO & SAMPAIO


Essa só os mais observadores sabiam, hehehe. A formação atual da dupla tem cerca de 15 anos, se eu não me engano. O último disco com a formação antiga foi aquele com a canção “O Garanhão da Madrugada”. Depois deste disco, por motivos desconhecidos, o Teodoro passou a cantar com seu velho parceiro de composições, o Alcino Alves, com quem canta até hoje. Estranhamente, o estilo debochado da dupla passou a predominar a partir de então.

ATAÍDE & ALEXANDRE


Outra dupla que mudou de formação há muitos anos. A antiga formação gravou sucessos como “Você marcou demais” e “Rosas e Versos”. Saiu um Ataíde, entrou outro, irmão do Alexandre. A dupla conseguiu um sucesso um pouco maior com essa nova formação e canções como “Laço aberto” e “Deus me livre”. Fora que o Alexandre já tem mais de 700 músicas gravadas como compositor.

ADALBERTO & ADRIANO


Essa é a mais recente. Recebi um e-mail recentemente com a nova canção de trabalho da dupla Adalberto & Adriano. Ao abrir, dei de cara com a foto de um cara estranho no lugar do antigo Adriano. As músicas do CD são as mesmas de antigamente, inclusive a irônica “Separação”, que tem um verso muito pertinente: “Qual terá sido o motivo da nossa separação? Se é que se cansou de mim, não pude perceber…”

Estranhamente, há um fator em comum entre todas as separações: ninguém nunca diz o motivo que levou ao fim da parceria.