Twitter: interação com os fãs, mas até que ponto?

edson3

Que o Twitter tem se mostrado uma das ferramentas mais importantes de interação entre os artistas e seus fãs, ninguém mais tem dúvida. É cada vez maior o número de adeptos e o serviço de microblogging já tem se mostrado um interessantíssimo palco de discussões dos mais diversos temas.

Visando melhorar ainda mais sua interação com os fãs e demais interessad0s, alguns artistas até então avessos a essa já não tão nova tecnologia estão se tornando adeptos. Entre as mais importantes novas incursões no Twitter podemos citar o Sorocaba e o Edson, por exemplo.

sorocaba1

O fato é que conta-se nos dedos quantos são os artistas que realmente são usuários do Twitter. Muitas vezes eles se tornam adeptos por pressão de suas respectivas assessorias, mas atualizam vez ou outra. Ou até mesmo por pressão dos fãs, que insistem na adesão ao Twitter por parte de seus artistas favoritos, julgando ser essa uma forma de se aproximar deles.

Doce ilusão, é essa a verdade. Alguns desses artistas mal ou nunca respondem aos apelos de alguns fãs sedentos por uma migalha de atenção que consiste apenas numa referência através de um simples “reply”. E isso não custa nada, diga-se de passagem. É o preço que se paga por ter se tornado adepto de uma tecnologia que os próprios artistas reconhecem como sendo uma das ou a melhor forma de contato direto com os fãs. O problema é que esquecem que todos que seguem são fãs. É o que eu chamo de “síndrome de celebridade no twitter”. O artista tem milhares de seguidores, mas segue uma meia dúzia de volta, menosprezando todos os outros que não fazem parte dessa meia dúzia de pessoas “importantes” para o artista. E outra: se não consegue responder todos, porque não colocam um assessor pelo menos pra realizar essa atividade?

cesarmenotti

Entre os adeptos que talvez demonstrem um pouco mais de respeito com os fãs, podemos citar o Cesar Menotti, que apesar de ter quase 20 mil seguidores e seguir menos de 100, costuma responder quase todos que conversam com ele através do microblog. Mas atenção: digo “quase todos” porque é crescente o número de pessoas que reclamam que ele não dá tanta atenção a todos. Muita gente reclama que o chama dezenas de vezes e ele não responde. Provavelmente por causa do elevado número de seguidores. Como eu disse no parágrafo anterior, em casos como o dele, talvez seria bom colocar alguém pra fazer esse tipo de “serviço”. Assim quem sabe aqueles que o chamam e não são respondidos passam a se sentir menos menosprezados. Atenção, não é só eu que digo isso. Não venham me encher o saco nos comentários. Basta dar uma pesquisada no Twitter pra conferir o pessoal reclamando.

O Edson, por exemplo, apesar de ter ingressado no twitter apenas recentemente, adotou uma forma interessante de interação. Ele retribui os “follows”, seguindo todos os que o seguem. Mesmo que ele porventura não responda os “replys”, seguir a pessoa que o segue demonstra o mínimo de preocupação e dá ao seguidor uma sensação de que o artista se importa com ele um pouquinho que seja. Imagina o que passa na cabeça do fã quando vê que o seu ídolo o segue no twitter.

Outra coisa que se deve levar em consideração a respeito do Twitter é que às vezes menos é mais. Às vezes é melhor não ter twitter do que ter apenas para “encher linguiça”. Uma considerável parcela de fãs da dupla Victor & Leo, por exemplo, reclama constantemente do fato de eles não serem adeptos, como se isso fosse a coisa mais importante do mundo. Mas pensemos bem: será que se eles fossem adeptos de maneira obrigatória valeria realmente a pena? O artista não é obrigado a ter um twitter e o fã não pode agir como se ele fosse. Porque uma vez no Twitter, é necessário dedicação para interagir com os fãs. Se não der pra dedicar tempo a isso, é melhor nem entrar.

Para aqueles que ainda não são adeptos do Twitter, principalmente artistas, é necessário compreender que, como em qualquer outro tipo de rede social, é no mínimo plausível que se tenha uma postura digna para com aqueles com quem porventura o usuário possa vir a se relacionar. Afinal a intenção apresentada inicialmente de realizar uma melhor interação com os fãs pode se converter no contrário, isto é, no repúdio de uma considerável parcela deles. Se a intenção é mostrar ao fã que ele é, sim, importante, que se faça isso da forma correta.