Um novo Luan Santana?

Um novo Luan Santana?

Ainda lembro a época em que o Luan Santana começou e despontar no cenário sertanejo. Mesmo com um monte de doutores em música sertaneja atacando-o gratuitamente e dizendo, com sangue nos olhos, que ele não duraria, o rapaz até que foi bem longe, né, rsrs. Quem acompanha o Blognejo há muito tempo e chegou a ler os textos sobre ele na época sabe o que eu achava dele. Desde o começo eu enxergava ali um sucesso gigantesco. É claro, entretanto, que todo um planejamento era necessário para que aquele sucesso fosse alcançado e, acima de tudo, mantido.

O sucesso alcançado naquela fase foi, sim, mantido. Seus mais de 4 milhões de seguidores no Twitter, suas vitórias em quase todas as disputas que envolvem votos pela Internet, graças à evidente dedicação do maior fã-clube de um artista sertanejo na Internet (talvez o maior de um artista brasileiro), são provas de que o Luan alcançou aquele patamar almejado por quase todos os artistas: um grupo sólido e numeroso de fãs, atenção da mídia, com acesso livre em qualquer programa de TV e capa de revista, e a possibilidade de vender qualquer coisa que lance com facilidade.

Musicalmente falando, a evolução do Luan Santana desde o primeiro CD é evidente. O CD posterior sempre mostrou um artista muito mais maduro que o CD anterior. Musicalmente, repito. É que a maturidade atingida pelo Luan Santana nesse aspecto não foi observada no aspecto pessoal. O projeto Luan Santana incluiu, desde o começo, um cuidado às vezes exagerado com o modo como ele era visto e com o que ele podia ou não podia dizer ou fazer. Praticamente uma marionete nas mãos de uma assessoria ultra controladora.

É óbvio que não dá pra dizer que isso deu errado. Afinal de contas o Luan Santana chegou aonde chegou. Acontece que ele mesmo parece ter sentido que chegou a hora de uma mudança, de uma consolidação. Talvez ele mesmo e os membros mais próximos de sua equipe tenham percebido que ainda há quem enxergue o Luan Santana como uma criança, um astro teen que sempre vai precisar de um direcionamento, de alguém lhe dizendo o tempo todo o que dizer e fazer.

Aparentemente, o primeiro passo rumo a essa consolidação definitiva e tentativa de mudança do modo como algumas pessoas ainda o vêem foi dado há algumas semanas. A assessora Dagmar Alba, tida como extremamente competente mas também como a pessoa que insistia em controlar o que o Luan Santana dizia e fazia, que o impedia de “bater asas”, e que acima de tudo era quem assumia todo tipo de bronca com as fãs e tudo mais, se desligou do escritório.

Até o momento, não houve qualquer comunicado de nenhuma das partes informando se ela foi demitida ou se demitiu. O fato é que a sua saída já significou uma sutil mas importantíssima mudança no relacionamento do Luan Santana com veículos com os quais isso era quase impossível. Pela primeira vez na vida eu, por exemplo, recebi um e-mail da sua assessoria, vejam só. A atual, claro. Mas isso não é só comigo. Temos visto o Luan Santana participando de programas de TV dos quais ele nunca havia participado, talvez por causa do perfil popularesco do programa, e interagindo com profissionais de imprensa que não podiam sequer chegar perto do pobre coitado.

Fora isso, as insistentes notinhas plantadas sobre seu namoro, que fazem boa parte da imprensa “fofoquística” especializada achar que se trata de um relacionamento fake, parecem estar menos frequentes. Pelo menos não temos visto nada desde o carnaval (justamente a época da saída da Dagmar). Enfim, tudo com o intuito, aparentemente, de mostrar um Luan Santana mais maduro e consciente dos seus próprios atos, sem que pareça simplesmente uma marionete pelo resto de sua carreira.

Paralelamente, tomadas as devidas precauções quanto ao trato com sua vida pessoal e à necessidade de se mostrar um homem e não mais um garoto, o Luan Santana continua crescendo profissionalmente. O seu último disco, muito elogiado, mostrou um lado do Luan Santana diferente do que havia sido mostrado até então. A canção “Te Vivo”, principalmente, que ganhou um dos mais belos clipes da história da música sertaneja, garantiu uma dose cavalar de respeito a ele, tanto como compositor quanto como intérprete e principalmente pelo clipe. Até chegarmos ao novo e próximo disco.

Isso claro, sem esquecer e chatear os compositores de alguns dos maiores sucessos do Luan, que demonstram bem essa melhora gradativa e esse crescimento profissional. Desde “Meteoro”, do Sorocaba, passando pela maravilhosa “Amar não é pecado”, da Márcia Araújo, do Marco Aurélio e da dupla Fred & Gustavo, até chegar na “Te Vivo”, do Luan Santana e do Thiago Servo, todas elas figurando entre as mais tocadas dos respectivos anos em que foram lançadas. E sem querer dizer que uma é mais importante que a outra. Cada uma foi crucial naquela específica fase profissional do Luan Santana.

Seu novo trabalho será produzido pelo Dudu Borges. Muita gente já imaginou como seria essa parceria. Afinal de contas, o estilo de um parece combinar perfeitamente com o do outro. Algo como Romário e Bebeto na Copa de 94. E aqueles que já tiveram a chance de ouvir a primeira música que surgiu dessa parceria, uma composição do Bruno Caliman (o cara que vai de “Fiorino” a “Já não sei mais nada”, de “Camaro Amarelo” a “Locutor”, até chegar nessa jóia rara que é essa nova música do Luan), estão espalhando a notícia de que esse novo Luan Santana realmente é alguma coisa perto do surpreendente, do incrível.

É no mínimo engraçado pensar no quanto devem estar surpresos os críticos com toda essa evolução do Luan Santana. Aquele pessoal que lá no começo da carreira do cara riam de qualquer previsão positiva sobre os rumos de sua carreira. Não estou falando nada sobre quantidade de shows, sobre público pagante, nem nada disso, afinal isso é coisa de rixa de escritório. Estou falando de maturidade profissional. E nesse ponto, Luan Santana é um exemplo. Talvez o mais absoluto exemplo de crescimento e amadurecimento profissional e, quem sabe agora, pessoal da atualidade. Se essa música nova provocar nas pessoas a mesma reação que vem provocando em quem a escuta (em mim, por exemplo) e se a saída da Dagmar Alba do escritório realmente significar um crescimento do Luan como pessoa aos olhos dos outros, aí sim teremos a definitiva consolidação do gurizinho.